Oftalmologia/Olhos - Glaucoma
Esta página já teve 111.072.730 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.782 acessos diários
home | entre em contato
 

Oftalmologia/Olhos

Glaucoma

01/03/2004
 
   
  Buftalmo O glaucoma é uma alteração em que a pressão do líquido que preenche o globo ocular está anormalmente aumentada, além do que o olho pode tolerar. Quando essa pressão, chamada tensão intra-ocular, é maior do que o normal, aumenta consideravelmente o risco de que ocasione danos aos olhos.
O glaucoma é causado pelo acúmulo do líquido, chamado humor aquoso, que circula no interior do olho. Esse acúmulo se produz ou devido ao aumento da formação do líquido ou pela obstrução do conduto pelo qual normalmente esse líquido sai do olho. Desta forma, como continua sendo produzido o líquido, a pressão intra-ocular vai aumentando progressivamente.
  O glaucoma irá ocasionar lesão ao olho se não for tratado, pois a pressão intra-ocular aumentada comprometerá os vasos sangüíneos que nutrem as sensíveis estruturas visuais do fundo do olho e devido à falta de irrigação sangüínea adequada, as células da retina irão morrendo, provocando uma perda progressiva da visão e estreitamento do campo visual. Se o processo não for controlado, poderá levar à cegueira.
O paciente geralmente não percebe que sofre de glaucoma. O glaucoma é insidioso. Na maioria dos casos desenvolve-se lentamente, no transcurso de meses ou anos, sem ocasionar nenhum sintoma. O dano pode progredir com tanta lentidão que a pessoa não se dá conta da perda gradual da visão. Em geral, a visão vai piorando até que lentamente começa a afetar o próprio centro do campo visual e se estabelece a cegueira permanente. Alguns pacientes poderão experimentar sintomas vagos, que são importantes avisos de que é necessário um exame ocular completo. Esses sintomas podem compreender a necessidade de trocar com freqüência a graduação dos óculos, dificuldade para adaptar-se à obscuridade, perda da visão lateral e visão embaçada. Em raros casos, pode haver outros sintomas como o aparecimento de halos coloridos ao redor das luzes e cefaléia ou dor ocular, às vezes intensa.
  O glaucoma é diagnosticado mediante um cuidadoso exame ocular realizado pelo oftalmologista, que compreende um procedimento simples e indolor para medir a pressão intra-ocular denominado Tonometria, e pelos exames de Fundoscopia, Campo Visual e estudo das papilas do nervo óptico.
O risco de ser portador de glaucoma aumenta com a idade. Geralmente ele se apresenta em pessoas com mais de 35 anos. Uma forma rara pode ocorrer em crianças pequenas que é o Glaucoma Congênito.
As pessoas que têm maior risco de sofrer de glaucoma são as diabéticas e as com familiares portadores de glaucoma. Essas pessoas devem fazer exame ocular com regularidade.
Embora não se possa curar, na maioria dos casos o glaucoma pode ser controlado satisfatoriamente mediante tratamento apropriado.
Tonometria
  O glaucoma é uma doença crônica que dura toda a vida, e é necessário que o paciente fique em observação e tratamento contínuo, para manter controlada a pressão intra-ocular e evitar a perda parcial ou total da visão. Quanto mais rápido se descobrir e tratar a doença, menor será tal perda.
  Fundo de olho normal / Fundo de olho afetado O tratamento mais comum consiste em gotas de colírio. Ãs vezes também são usados comprimidos e em alguns casos pode ser necessária a intervenção cirúrgica, com a indicação ou não de colírio posteriormente.
O paciente deve aplicar as gotas todos os dias. Segundo o medicamento empregado, a posologia pode variar de uma gota até várias ao dia. Em alguns casos é prescrito mais de um colírio.
  Algumas regras simples devem ser seguidas pelo portador de glaucoma:
  • Usar o medicamento de acordo com as instruções do médico. Não colocar menos gotas do que as prescritas;
  • Se for viajar, não esquecer de levar uma quantidade adequada do medicamento. Lembrar que o glaucoma é controlado usando com regularidade o medicamento;
  • Como o glaucoma pode ser hereditário, recomendar a todos os adultos da família para que façam um exame oftalmológico periódico;
  • Fazer Campo Visual de 6/6 meses, e o estudo da papila anualmente.
     
  A perseverança do tratamento é fundamental para se evitar a deterioração da visão, que fatalmente ocorrerá naqueles que não se cuidarem adequadamente.
Existem vários tipos de glaucoma e entre eles uma forma severa e cruel, que apesar do tratamento, clínico ou cirúrgico, evoluirá para o "fechamento do tubo", para a perda inexorável da visão, à despeito de todos os esforços, bilateralmente, não necessariamente ao mesmo tempo. É uma doença que sempre progride com o passar dos anos.
A cirurgia programada do glaucoma é um procedimento relativamente rápido, que pode ser realizado sob anestesia local (com a presença do anestesista para a sedação) ou geral. Ela pode ser realizada simultaneamente com a cirurgia de Catarata se houver, e até com implante de lente. Já a cirurgia do glaucoma agudo é conduta drástica de urgência e não garante a visão, apenas alivia o sofrimento de dor do paciente. A perda de visão neste caso é marcante e pode ser até total, dependendo do tempo em que o paciente permaneceu em crise, e poderá surgir catarata neste olho tempos depois.
Por ser uma doença crônica, de progresso lento e na maioria das vezes sem sintomas definidos, e por não ser o brasileiro acostumado a uma medicina preventiva e insistente nos tratamentos, o glaucoma é a doença que mais causa a cegueira no País.
Os pacientes que se cuidam corretamente no entanto, portadores de glaucoma não severo, geralmente vão até o fim de suas vidas com uma visão socialmente útil preservada.
É recomendável o exame oftalmológico anual à todos os pacientes saudáveis profilaticamente.
www.wellingtonsantos.com


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos