Receitas Kasher/Cozinha Judaica - Falafel
Esta página já teve 114.992.320 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.742 acessos diários
home | entre em contato
 

Receitas Kasher/Cozinha Judaica

Falafel

05/06/2004
Alimentação

Eu considero a comida típica de Israel como sendo o Falafel que, na verdade, é uma comida comum em todo o Oriente Médio. É muito comum em Israel estabelecimentos, tipo lanchonetes, que vendem Falafel.

Falafel

Logo quando eu cheguei aqui, pensei que iria
encontrar muito quibe e esfiha, como encontramos no bairro do centro da cidade do Rio de Janeiro, mas acho que lá é que é o local certo para encontrar estes quitutes
salgados. Aqui ainda não encontrei uma loja que vendesse este tipo de salgado. No entanto, não foi difícil me adaptar à alimentação daqui. Os israelenses, em geral, comem muitos legumes (pepino e cogumelos, principalmente), verduras (repolho, inclusive o roxo), comem muito tomate, que se encontra em diversos tamanhos, mas o pequeninho (um pouco maior do que uma uva grande) é o preferido.

Frutas frescas da estação (banana, pera e quase todas as frutas tropicais), frutas secas (damasco, figo seco, passas e ameixa que por sinal, são baratíssimas aqui), frango (filé de frango à milanesa é a preferência nacional), grãos (feijão de todas as cores, incluindo o feijão preto, mas tem um feijão roxo que achei bem melhor), ovos, perú, peixe (muito atum e salmão), pita (que é chamado de pão árabe, no Brasil) com humus e tehina, e quase sempre costumam colocar muita pimenta e outros condimentos picantes, mas isso tem um motivo, que é para estimular a sede, já que aqui é um deserto (não parece, mas é) e é necessário beber muito líquido.

Bebe-se muita água, leite, café, chá (o de hortelã é o
preferido), sucos e refrigerantes (Coca-Cola, Sprite, Pepsi e outros). Uma coisa interessante é que, geralmente no trabalho, os israelenses estão sempre com uma xícara enorme (exagerada mesmo) de café com leite na mão e bebendo aos poucos. É característico ver isso. Por falar em leite, Israel ainda é conhecida como a terra do leite e do mel, por sua grande produção destes 2 itens.

Um fator interessante é que os imigrantes europeus trouxeram os costumes das comidas típicas de lá, principalmente algumas comidas judaicas européias, como é o caso do Tschulent (um tipo de cozido com batata, feijão branco, frango e cevadinha, basicamente, que fica cozinhando a noite toda) e pode até ser encontrado pronto e enlatado para vender em qualquer supermercado.

Encontra-se, também, muitas pizzarias por todo o país e muitos estabelecimentos do tipo fast-food, como o Mc Donald's. Aliás, na verdade, Israel tem um pouco de cada cultura do mundo, como se fosse uma colcha de retalhos, pois tem muitos restaurantes de origem chinesa e tailandesa, com suas comidas típicas, comidas de origem francesa, brasileira, alemã, japonesa, marroquina e de onde mais se puder imaginar.

Em matéria de alimentação encontra-se de tudo, menos queijo Catupiry e guaraná que, por sinal, são as únicas coisas que sinto saudades. Mas, de resto, tem tudo que se imagina, inclusive coisas que no Brasil eu não costumava comer por serem muito caras e aqui o preço é mais accessível, como é o caso do caviar, salmão e champignon.

Um detalhe interessante, também, a respeito da alimentação em Israel é o fato da população, em sua maioria, comer apenas alimentos denominados de "kasher", ou seja, que passam por uma rigorosa verificação do rabinato, no que diz respeito à higiene e procedência de cada alimento e que os rabinos especializados neste tipo de verificação dão uma autorização por escrito dando o direito de vender ao consumidor apenas os estabelecimentos que se encontram dentro dos padrões exigidos. Isso inclui não misturar carne com leite ou derivados, não vender carne de porco ou camarão e, obviamente, não manipular alimentos que estejam fora das exigências do "kashrut" (regras de alimentação conforme encontra-se escrito na Torá e interpretados de tal forma). Estabelecimentos comerciais que não tem este tipo de autorização do rabinato não estão proibidos de vender e vendem livremente presunto, carré, linguiça e outras carnes de porco, mexilhões e camarões e outros alimentos que a maioria da população israelense (tanto judaica, quanto islâmica) não costuma comer, mas que muitos imigrantes de várias origens são os melhores clientes. Ninguém está proibido de vender e nem de comer o que deseja e o país está cheio de variedades de alimentos do mundo inteiro, inclusive a linha diet. A vantagem de se morar em Israel é que a população trabalha e tem poder aquisitivo para poder comer do bom e do melhor e, caso haja alguém com dificuldades financeiras para comprar comida, existe uma entidade que ajuda com o envio de cesta básica. Ninguém passa fome em Israel.


www.israel3.com


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos