Drogas/Vício - Mistura de drogas ameaça saúde de jovens
Esta página já teve 117.246.498 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.633 acessos diários
home | entre em contato
 

Drogas/Vício

Mistura de drogas ameaça saúde de jovens

20/06/2004

Ecstasy, maconha, cocaína e quetamina. O que parece o resultado de uma apreensão de entorpecentes feita pela polícia é, na verdade, uma das várias combinações de drogas que vêm sendo ingeridas por usuários em uma só noite.

Esses experimentos kamikazes alavancam os já altos riscos de consumo de drogas ilícitas e têm desafiado especialistas em dependência e prevenção, que ainda não conseguem prever os perigos imediatos e os efeitos a longo prazo desses coquetéis.

Três psiquiatras consultados pela Folha confirmam: usuários de coquetéis de drogas já bateram à porta de seus consultórios, e a demanda por tratamento só aumentou no último ano.

A idéia de transcender a consciência, própria dos anos 60 e 70, foi enterrada pela busca individual e imediata do prazer físico, potencializada agora por essas misturas. Muitas delas ainda levam um ingrediente extra: o Viagra, o mais popular medicamento para disfunção erétil.

E, aí, vale tudo: ecstasy com cocaína e Viagra, anfetaminas com ecstasy e Viagra, ecstasy com cocaína, Viagra e quetamina (tipo de anestésico), e por aí vai.

Nos Estados Unidos, essas experiências com combinações de drogas ganharam até um site, no qual usuários relatam o que usaram e quais os efeitos obtidos (www.erowid.org/experiences).

Até pouco tempo atrás, especialmente na Europa, o máximo da perversão psicotrópica era usar o chamado "speedball", uma associação de heroína e cocaína. Hoje, no Brasil, uma mistura de fabricação caseira é experimentada em festas de classe média alta: o "trimix", uma combinação explosiva de ecstasy, Viagra e ácido lisérgico usada por turmas de São Paulo e do Rio.

"Tomei em umas festas que costumávamos chamar de hospício, de tão loucas que as pessoas ficavam. O pessoal encomendava a mistura a algum traficante, que fabrica as cápsulas de forma caseira. E o pessoal envolvido não abre a história para ninguém, porque morre de medo da polícia", relata Mauro (nome fictício), 30, que afirma ter se afastado da "galera trimix" após perceber que estava entrando numa pior.

"Com trimix, em geral sentia um calor intenso e muita sensibilidade para qualquer toque ou som." Segundo Mauro, o trimix dá uma "falsa percepção de que a maioria das pessoas é interessante e atraente", altera a percepção visual, aumenta muito a libido e promove "ereção prolongadíssima e performance sexual extremamente potencializada, além de liberar seus desejos mais ocultos".

Parece bom? "A longo prazo, já vi casos de problemas cardíacos, depressão e impotência por uso do trimix", diz o ex-usuário.

"Existe realmente uma tendência de misturar drogas ilícitas. E é óbvio que ficar brincando de alquimista com a própria cabeça aumenta o risco de que algo muito errado aconteça", afirma Rolando Laranjeira, coordenador da Uniad (Unidade de Álcool e Drogas) da Universidade Federal de São Paulo. "O Viagra ainda potencializa essas combinações."

Márcia Kayath, gerente de saúde masculina da Pfizer, fabricante do Viagra, diz que a empresa só incentiva o uso do medicamento para casos de disfunção erétil. Segundo ela, "o Viagra só é vendido sob prescrição médica". Na prática, porém, usuários dizem que é fácil comprá-lo sem receita.

Sexo artificial

Segundo quem mistura Viagra com drogas ilícitas, o remédio potencializa os efeitos das drogas tomadas e ainda funciona como garantia de uma superperformance sexual no final da balada.

"O corpo pode estar supercansado, mas, ao menor estímulo, você fica excitado e consegue transar por horas e horas", diz o publicitário Paulo (nome fictício), 22, que costuma fazer misturas com Viagra e já provou o trimix.

"É uma fórmula do diabo", avalia o psiquiatra Elisaldo Araújo Carlini, diretor do Cebrid (Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas), da Unifesp. "Algumas drogas aumentam a libido mas nem sempre permitem uma ereção. Se o corpo não reage ao estímulo e o sujeito vai lá e toma um Viagra, ele acabará fazendo um esforço que vai além de sua capacidade física naquele momento. Isso sobrecarrega o coração, o que pode gerar taquicardia ou mesmo infarto."

A diretora do programa de saúde urbana da Universidade Harvard (EUA), Patricia Case, em entrevista à Associated Press, alertou que "já houve casos de morte pelo uso de Viagra com drogas ilícitas" naquele país. "Eles só não foram divulgados", disse.

"As pessoas ficaram enlouquecidas com as promessas do Viagra e, ao associá-lo a drogas, sabem que estão correndo riscos. Não se pode usar drogas de qualquer maneira", afirma Mônica Gorgulho, presidente da Rede Brasileira de Redução de Danos.

"É hedonismo puro", diz o psiquiatra Alexandre Saabeh, do Projeto Sexualidade do Hospital das Clínicas, que afirma ter relatos de coquetéis de drogas envolvendo Viagra feitos por adolescentes. "O usuário reforça o contato físico e a potência sexual, mas obtém isso de forma artificial", diz. "Pior: o custo disso só vamos saber daqui a algum tempo."

FERNANDA MENA
20/06/2004

Folha de S.Paulo


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos