Tabagismo/Fumo/Cigarro - Tratamento médico do tabagismo
Esta página já teve 117.233.873 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.636 acessos diários
home | entre em contato
 

Tabagismo/Fumo/Cigarro

Tratamento médico do tabagismo

03/07/2004

 

0

Em hipótese nenhuma você deve tomar medicação por conta própria, sem prescrição médica. O objetivo do texto abaixo é o de informa-lo sobre o funcionamento destes medicamentos.


ADESIVOS DE NICOTINA

Alguns medicamentos podem ser administrados pela pele. A pele absorve lentamente o medicamento, que vai sendo liberado durante o dia na corrente sangüínea.

Os adesivos de nicotina possuem de 15 a 30 mg de nicotina que serão liberadas na corrente sangüínea do paciente ao longo do dia, suprindo o organismo da substância.

Os adesivos são utilizados por um período variável, em torno de 8 semanas, com regressão das dose nas últimas semanas.

A administração da nicotina ajuda principalmente aqueles pacientes com maior dependência desta, que deverão apresentar síndrome de abstinência após a cessação do tabagismo.

A maioria dos usuários apresenta inicialmente grande expectativa em torno do seu efeito.

Porém ao utiliza-lo percebe que a sua dependência psicológica talvez seja maior que a química, uma vez que continua com desejo de fumar durante o seu uso.

Os adesivos comercializados de forma não ética, ou seja, pela televisão, internet e correio fogem da fiscalização que os medicamentos são submetidos, não são registrados no Ministério da Saúde, e poderão não conter o princípio ativo.

Devido a possibilidade de efeitos colaterais como taquicardia, hipertensão, insônia e outros, a medicação só poderá ser prescrita pelo seu médico.


GOMAS DE MASCAR QUE LIBERAM NICOTINA

As gomas de mascar que liberam nicotina, podem ser utilizadas com a mesma finalidade do adesivo. Liberam em torno de 2 mg de nicotina, por unidade, e dependem da absorção da mucosa oral para atingirem a corrente sangüínea. Podem produzir os mesmos efeitos coletarais que os adesivos.


ANTIDEPRESSIVOS

As desordens afetivas e a tendência à depressão são fortes determinantes do tabagismo e da dificuldade em suprimi-lo.

Os efeitos do tabagismo sobre o psiquismo estão relacionados a atividade dopaminérgica no cérebro.

Os antidepressivos tem efeito específico sobre estes neurotransmissores (dopamina, noradrenalina e serotonina), facilitando a sua ação e liberação.

Os antidepressivos podem, portanto, ser agentes auxiliares eficazes na suspensão do hábito de fumar.

Os principais efeitos colaterais são boca seca, tremores, tonturas e insônia.

Devem ser usados com cautela em pacientes cardíacos, e não devem ser usados em gestantes e portadores de epilepsia.

Em geral são utilizados por um período de 60 dias.

O início da medicação ocorre alguns dias antes da data marcada para a cessação.

Recentemente um grande laboratório lançou para a classe médica, um medicamento para parar de fumar, que constitui um antidepressivo, com nome químico de bupropiona.

 

www.aeromed.com.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos