Biologia - Célula cerebral se desenvolve como as de outros órgãos, rompendo dogma de que isso só seria possível com embriões
Esta página já teve 115.794.369 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.702 acessos diários
home | entre em contato
 

Biologia

Célula cerebral se desenvolve como as de outros órgãos, rompendo dogma de que isso só seria possível com embriões

18/07/2004
Estudo comprova metamorfose celular

MARCELO LEITE
especial para a Folha

A ciência continua a romper verdades estabelecidas, sobretudo as suas próprias. Hoje cai por terra o dogma de que células-tronco de um certo órgão -como o cérebro- não poderiam se transformar em células de um outro tipo -como as do sangue.
Elas podem, sim. Foi o que demonstrou uma equipe ítalo-canadense, com camundongos, na edição de hoje da revista "Science". A descoberta abre caminho para novas terapias contra doenças do sangue, como a leucemia.
Células-tronco de embriões tornaram-se vedetes da biologia em novembro passado. Uma equipe da Universidade de Wisconsin (EUA) anunciou na mesma "Science" que tinha conseguido cultivá-las em laboratório.
A notícia causou furor. As células-tronco são a pedra filosofal da fisiologia. Polivalentes, têm o poder de diferenciar-se em qualquer outra célula do corpo humano.
Usá-las para construir um fígado para transplante sem rejeição ainda é ficção científica. Mas, se um dia isso for possível, terá sido porque aquele primeiro passo foi dado lá atrás, em Wisconsin.
Ou pode ser que quem acabe entrando para a história seja Angelo Vescovi, do Instituto Neurológico Nacional Carlo Besta, de Milão. Ele lidera o grupo que obteve a metamorfose de células-tronco adultas.
A equipe retirou do cérebro de camundongos células-tronco que, em teoria, poderiam dar origem somente a células especializadas daquele órgão, como neurônios. Multiplicou-as no laboratório e injetou em outros ratinhos cujas medulas ósseas tinham sido dizimadas com radiação.
A hipótese era que a medula irradiada, incapaz de produzir células de sangue, seria refertilizada pelas células injetadas. Para tanto, as células-tronco neurais teriam de "esquecer" o programa anterior e "aprender" a nova função.
A fim de poder reconhecer as células reprogramadas entre bilhões de outras, utilizaram-se marcadores genéticos. As células injetadas levavam de carona um gene de bactéria. Se sobrevivessem, para encontrá-las bastaria fazer testes de DNA para o gene clandestino.
Dito e feito: as células estavam lá, mas com uma nova identidade, a de células do sangue.
Para ser útil à medicina, ainda faltam dois passos: provar que as células-tronco adultas do cérebro humano têm as mesmas propriedades e cultivá-las em laboratório.
² Debate envelhecido
Depois da clonagem, foi a vez de células-tronco atropelarem a discussão pública sobre limites para a pesquisa biológica. Duas vezes em menos de três meses.
No Brasil, a lei 8.974/95 proíbe a produção de embriões humanos para uso como material biológico. Pena: detenção de 6 a 20 anos.
O debate é mais aceso nos Estados Unidos, com seu poderoso lobby antiaborto. Ele originou a proibição de uso de fundos públicos para custear pesquisa com embriões humanos, renovada pelo Congresso desde 95.
Como as células-tronco provinham até agora só de embriões humanos, estariam, a princípio, proibidas. Não seria ilegal fazer experiências com elas nos EUA, somente fazê-lo com fundos públicos.
O governo norte-americano decidiu dar interpretação menos restritiva, no caso das células-tronco. Considerou que suas verbas podem ser usadas em pesquisas com as células, desde que os cientistas obtenham-nas de terceiros.
Mas isso foi há três longos dias. Com a metamorfose de células adultas anunciada hoje, o debate corre o risco de envelhecer logo. Se elas preservarem todo o potencial das embrionárias, a dificuldade ética estaria contornada.
Envelhecido ou não, o debate prossegue. Uma amostra pode ser encontrada na seção "Dialogue" da revista on line "Slate" (www.slate.com), em que cientistas discutem a questão desde dezembro.


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~