biologia molecular - Evolução 13
Esta página já teve 114.634.718 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.777 acessos diários
home | entre em contato
 

biologia molecular

Evolução 13

11/06/2003

Fatores que podem influenciar o equilíbrio gênico
 

Bem, se você acompanhou atentamente os últimos capítulos você já está sabendo que na teoria existe um equilíbrio entre os alelos de uma população ideal (que teoricamente deve ser intercruzante, de tamanho infinito etc). Porém, essa população ideal não existe na prática. Assim, os alelos entre dois genes podem na prática não estar em equilíbrio. Vamos ver como este equilíbrio pode ser afetado.
 

Mutação

Você já sabe que a mutação é o fenômeno que transforma um alelo em outro. Só para relembrar, cada gene possui dois (ou mais) alelos. Assim, um determinado gene pode existir sob a forma de alelos A e a. Bem, estes dois alelos ocorrem em um certo número dentro de uma população. É claro que se uma mutação transforma, por exemplo, o alelo A em a, a frequência destes alelos se modifica. Por isso dizemos que as mutações alteram o equilíbrio gênico de uma população.
 

Migração

A migração é um fenômeno que altera o equilíbrio gênico de uma população. As populações não são completamente isoladas, em certas épocas podem receber indivíduos provenientes de outras populações, ou então podem perder indivíduos, que emigram para outras áreas. Nestes casos a frêquencia gênica da população se altera.
 

Seleção

Um fenômeno muito interessante se refere ao efeito da seleção na frequência gênica de duas populações. Vamos relembrar o exemplo da nossa simulação "Aves e Insetos". Todos os insetos pertencem a uma mesma espécie. Porém, eles constituem duas populações distintas, uma com o tom mais esverdeado e outra com a cor mais azulada. Claro, devemos lembrar que isso é apenas uma simulação, mas serve para ilustrar o efeito da seleção na frequência dos genes. Bem, deve haver genes que condicionam a cor azul, e outros que condicionam a cor verde. Nas áreas onde o fundo era verde, os insetos azuis eram facilmente capturados. Assim, nessas áreas, a frequência doss gene que condicionam cor azul foi diminuindo. Por outro lado, onde o fundo era azul, os insetos verdes eram as principais vítimas. Ao longo do tempo, os genes que condicionam a cor verde vão diminuindo, pois não há muitos insetos verdes na população para perpetuarem esse gene.
Assim, ao longo do tempo, temos duas populações com frequências gênicas distintas, de acordo com a área onde habitam.
 

Deriva Genética

Também conhecida como deriva gênica, ou em inglês, genetic drift. Já vimos que em populações grandes os genes estão em equilíbrio. Em populações muito pequenas a flutuação aleatória pode fazer com que um alelo simplesmente desapareça (naquela população). Ou seja, é por pura obra do acaso que este alelo irá desaparecer; não é efeito da seleção natural. Mas isso ocorre em populações pequenas, onde a flutuação é mais significativa.

Como nenhuma população é infinitamente grande (como a teoria exige para o equilíbrio) o fenômeno da deriva gênica pode ocorrer em qualquer população. Claro, quanto maior a população menor serão os efeitos, e vice-versa.

Este fenômeno pode ser observado na prática quando temos populações que variam de tamanho: por exemplo, em uma época do ano mais favorável a população é bastante grande, e o equilíbrio permanece; em outra época menos favorável o número de indivíduos da população diminui a tal ponto que determinados genes podem ser eliminados e outros fixados, não pelo seu valor adaptativo, mas sim por pura obra do acaso.

Um caso muito especial é quando muito poucos indivíduos de umam população ocupa uma nova região e passam a se reproduzir, povoando-a. Este fenômeno chama-se efeito do fundador. Sabemos que cada indivíduo carrega consigo um patrimônio genético próprio, que é diferente da média da população. Ora, se uns poucos indivíduos passa a formar uma nova população, esta será diferente da população original, pois os novos indivíduos terão genes de acordo com os dos fundadores desta nova população.

Este fenômeno é bastante comum em ilhas distantes dos continentes. Nestas ilhas apenas alguns poucos indivíduos de cada espécie conseguem chegar, criando novas populações, que por sua vez terão uma frequência gênica bastante diferente da população original do continente.

 

www.ib.usp.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos