Tabagismo/Fumo/Cigarro - Cigarro mata um em cada dois fumantes
Esta página já teve 114.054.696 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.852 acessos diários
home | entre em contato
 

Tabagismo/Fumo/Cigarro

Cigarro mata um em cada dois fumantes

11/10/2004



O chefe da rea de Cirurgia do Instituto Nacional do Cncer nos EUA, James L. Mulshine, disse nesta quarta-feira que "um em cada dois fumantes morre por causa do tabaco, devido a um cncer de pulmo, de pescoo ou de cabea, ou por infarto". "Em mdia, os fumantes morrem quatorze anos antes de quando morreriam se no tivessem fumado", completou Mulshine. Ele divide uma conferncia sobre o cncer de pulmo dentro das jornadas "Fronteiras em Biomedicina", organizadas por causa do cinqentenrio da Faculdade de Medicina da Universidade de Navarra. Para o mdico, o tabaco " o produto comercial mais letal que existe, e assombrosa a prevalncia do hbito do tabagismo no mundo".

Este especialista americano, um dos mais destacados nessa rea, afirmou em entrevista coletiva que "o que ocorre nas vias respiratrias como efeito do fumaa do tabaco uma transformao de uma clula normal em uma tumoral".

Ele se referiu ao cncer de pulmo como uma doena "muito difcil de tratar que constitui um problema social muito importante", por isso " preciso louvar e promover os esforos para diminuir o consumo de tabaco, sobretudo entre as pessoas jovens".

Mulshine se mostrou otimista com os ltimos resultados das pesquisas sobre o assunto, e ressaltou que "esto havendo melhoras nos tratamentos para combater esta doena, algumas baseadas no melhor conhecimento do cncer de pulmo".

Segundo ele, em vrios grupos internacionais esto se incrementado as tcnicas de diagnstico precoce deste tipo de tumor.

"Foi demonstrado que com tcnicas de imagem (como ressonncia magntica e tomografia) possvel detectar tumores pulmonares de tamanho reduzido, cada vez menores".

Na atualidade pode-se conseguir "muitas imagens do tumor que posteriormente so levadas para o computador e cujo resultado a viso de imagens tridimensionais que ajudam a estudar a evoluo deste tipo de cncer".

Outro participante das jornadas sobre oncologia, o professor de Cirurgia Oncolgica do Centro do Cncer Daniel den Hoed, de Roterd, Alexander M. Eggermon.

Em sua entrevista imprensa, o especialista falou sobre diversas tcnicas contra o cncer e destacou uma que "evita a amputao de pernas ou braos em pacientes com grandes sarcomas ou melanomas".

Ele explicou que os pacientes so tratados isolando a circulao da extremidade do tumor e passando um lquido pelos vasos sanguneos da zona afetada, aplicando nessa circulao externa "a combinao de remdios necessria para tratar o tumor com uma concentrao cinqenta vezes mais alta que a normalmente possvel".

Eggermon comentou que se essa concentrao fosse aplicada ao corpo inteiro do paciente poderia prejudicar a medula ssea ou outros rgos, mas com esta tcnica "o tumor se reduz consideravelmente e depois de oito semanas se pode fazer a cirurgia".

Sobre sua aplicao, o especialista acrescentou que est disponvel em quarenta centros de cncer em toda a Europa.


Fonte: Da EFE - Pamplona (Espanha) 06/10/2004


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos