Genética/Clonagem/Terapia gênica - Mapa de DNA leva à origem das doenças
Esta página já teve 114.977.192 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.745 acessos diários
home | entre em contato
 

Genética/Clonagem/Terapia gênica

Mapa de DNA leva à origem das doenças

21/02/2005


’Criamos o primeiro mapa detalhado das variações genéticas comuns em seres humanos’

Steve Connor escreve de Washington para ‘The Independent’, de Londres:

Uma análise das diferenças genéticas entre três grupos étnicos deu a cientistas um dos maiores insights sobre a natureza de algumas das mais graves doenças da era moderna, de ataque cardíaco a desordens mentais.

Os pesquisadores identificaram a menor variação possível no DNA de 71 indivíduos de origem européia, africana e chinesa com o objetivo de descobrir o papel dos genes em doenças comuns a toda a Humanidade.

Trata-se do primeiro mapa detalhado de alguns ‘letreiros genéticos’ considerados chave em grupos de origens étnicas distintas.

Esses sinais, acreditam os cientistas, podem apontar as causas e os tratamentos de algumas das doenças mais comuns, entre elas diabete e câncer.

Tais mapas podem ajudar os médicos a prescrever drogas mais eficazes, voltadas para um perfil genético específico. Podem ajudar também a entender por que algumas pessoas têm uma tendência maior a determinadas doenças do que outros indivíduos.

’Criamos o primeiro mapa detalhado das variações genéticas comuns em seres humanos’, afirmou David Hinds, da empresa de biotecnologia Perlegen Sciences, da Califórnia.

Hinds alertou, entretanto, que a pesquisa não deve ser usada para embasar classificações raciais porque todas as diferenças genéticas detectadas entre grupos étnicos são relativamente pequenas, uma vez que todos os seres humanos compartilham mais de 99,9% de seu DNA.

Ele afirmou ainda que a análise das diferenças genéticas não irá resolver a questão sobre as raças serem um fenômeno biológico genuíno ou um produto cultural.

’Nosso estudo foi feito para nos ajudar a entender padrões de variações genéticas comuns que perpassam as populações’, afirmou Hinds.

‘As pessoas não podem usar nossos dados para dizer que existem raças ou que não existem raças. Mas podem ser usados para determinar que tratamentos podem ser usados, baseados em diferenças fisiológicas causadas por variações genéticas.’

O estudo, publicado na ‘Science’, se concentrou em identificar a menor variação possível a distinguir cada um dos 71 indivíduos no estudo.

Eles mapearam 1,58 milhão de variações nos genes. A maioria dos 1,58 milhão é comum aos três grupos étnicos.

Os cientistas acreditam que a razão pela qual certas pessoas respondem bem a certas drogas, enquanto outras não, é em grande parte relacionada a essas diferenças.

Elas também explicariam por que algumas pessoas têm câncer muito jovens, enquanto outras com um estilo de vida menos saudável não têm problemas de saúde.
(O Globo, 18/2)

Jornal da Ciência-Serviço da SBPC


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos