Medicina Esportiva/Atividade Física - Aparelhos elípticos
Esta página já teve 114.022.330 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.858 acessos diários
home | entre em contato
 

Medicina Esportiva/Atividade Física

Aparelhos elípticos

25/03/2005

A alta tecnologia chegou às academias de ginásticas para auxiliar na boa forma e saúde. Os aparelhos elípticos, como são chamados, foram criados para todos que querem se exercitar sem precisar submeter-se às atividades de impacto. Além de evitar risco de lesões corporais, o aparelho é capaz de proporcionar, à pessoa que nele se exercita, um gasto calórico de 500 a 900 calorias em aproximadamente, uma hora de atividade, e tornear pernas e glúteos.

Durante o exercício, os membros inferiores realizam o movimento elíptico, por isso o aparelho recebe esse nome. Como se o aluno estivesse andando e as pernas fizessem o desenho de um “ovo deitado”, a máquina não proporciona impacto sobre o corpo. Os pedais existem para encaixar os pés e induzi-los ao movimento, mas é como se a pessoa fizesse o exercício “flutuando”.
Devido às vantagens oferecidas pelo aparelho, hoje eles são mais disputados do que ergométricas e até as esteiras das academias. O exercício elíptico pode ser praticado inclusive, por pessoas que já sofreram de lesão nos joelhos.

Para usá-las, basta que o aluno escolha o programa no painel de controle do aparelho, de acordo com o objetivo – se é enrijecer membros inferiores, tornear músculos, perder peso, etc – e começar a se exercitar. O equipamento motiva as pessoas a realizar a atividade física porque o movimento conduzido é diferente de outros exercício. “Só não é capaz de tirar dúvidas dos alunos, como nós professores fazemos”, brinca Marcio Brito, professor de educação física e musculação da academia Estação do Corpo, Rio de Janeiro.

Conhecendo o aparelho

Muitas pessoas conhecem o equipamento como Transport, um dos primeiros tipos de aparelho elípticos existentes no mercado que, na verdade, é apenas uma das marcas. Hoje as academias costumam usar também outros modelos, como Life Fitness, Rotex e Cross Training. “Os alunos e até mesmo os professores costumam falar o nome da marca referindo-se à máquina, mas não é o correto”, explica Luiz Hisano, professor de educação física da academia Reebok Sports Club, São Paulo.

Mas nem todos os aparelhos possuem exatamente a mesma característica. Alguns elípticos apresentam, além dos pedais para o exercício com os membros inferiores, barras de apoio para as mãos que se movimentam, sincronizado também o movimento dos braços, podendo auxiliar na queima calórica. Porém, outras máquinas apresentam apenas movimento das pernas, concentrando o exercício nelas, como maior inclinação da rampa.

O equipamento também mostra ao aluno, através das luzes do painel, qual o músculo que está sendo trabalhado, de acordo com o programa escolhido.

Para manter a forma e a saúde

Nas academias, o aparelho elíptico faz parte da sala de musculação. Isso porque o exercício concentra-se em melhorar a parte cardiovascular, respiração e condicionamento físico. Segundo o professor Marcio, o mais indicado é que o aluno combine tanto essa parte aeróbia com a força e exercícios localizados. “Dessa forma, o aluno tem um exercício mais completo, beneficiando saúde e boa forma”, esclarece.

Mas Marcio afirma que, mesmo o aluno não sendo adepto as aulas de musculação, de qualquer forma, vale a pena submeter-se apenas ao elíptico. “Desde que se exercite pelo menos por meia hora, durante três vezes na semana, o mínimo exigido para trabalhar a parte cardiovascular, o que também ajuda a conquistar músculos mais firmes e tornear pernas e glúteos”, avisa.

Quando a pessoa se exercita pela primeira vez, é necessário contar com auxílio do professor. Neste caso, através do painel automático, a pessoa escolhe o menu manual, informando à máquina o peso, a altura, idade e o próprio aparelho faz a autoprogramação de acordo com tais características do aluno.

Dicas para uso

A postura correta é fundamental para obter o resultado desejado. Pequenos ajustes no nível de inclinação e carga do aparelho são detalhes que podem colaborar para concentrar força mais nas pernas ou nos glúteos.

Os equipamentos que possuem função marcha-ré auxiliam o trabalho dos músculos posteriores, como bumbum, panturrilha e a parte de trás das coxas.

Durante os exercícios os joelhos devem apontar para frente. A coluna deve estar sempre reta e o quadril devidamente encaixado, sem empiná-lo para trás ou cair pra frente. Em relação à sobrecarga do aparelho, utilizada para trabalhar os músculos com mais intensidade, ela só poderá ser feita após, pelo menos, três semanas de treino.

Quem estiver interessado em queimar gordurinhas, precisa suar a camisa e acelerar a velocidade do exercício. Marcio Brito ressalta que, assim como qualquer outra atividade aeróbica e aparelho estático, o que auxiliará na perda calórica é o ritmo. “O elíptico será eficiente apenas se a pessoa manter a mesma velocidade do começo ao fim da prática. Quando a velocidade oscila no começo, meio ou fim da atividade, a perda calórica já não será a mesma”, avisa.

Quem não puder ou não quiser freqüentar as academias para malhar com o elíptico, pode obter modelos domésticos nas lojas de ginástica e trabalhar em casa mesmo. O custo mínimo do equipamento fica em torno de R$ 900,00 reais. Alguns modelos mais modernos e também próprios para casa ficam na média de R$ 6.000,00. As máquinas profissionais das academias, elaboradas justamente para muitas pessoas fazerem uso e por isso, apresenta maior resistência, podem custar R$ 30.000,00.

Especialistas consultados

- Marcio Brito - marciobrito@wnetrj.com.br
- Luiz Hisano - bodybuilder.gymn@ig.com.br
Xenicare


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos