biologia molecular - Fungos- descrição
Esta página já teve 115.000.868 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.744 acessos diários
home | entre em contato
 

biologia molecular

Fungos- descrição

16/04/2005
  • A maioria dos fungos se encontra livre na natureza
  • Existem mais de 200.00 espécies, mas apenas 100 são patogênicas
  • São seres eucarióticos, com complexidade maior que as bactérias
  • São unicelulares e podem diferenciar-se em multicelulares
  • Não possuem celulose, nem clorofila e não armazenam amido.
  • Assemelham-se a células animais pelas substâncias quitinosas na parede e capacidade de depositar glicogênio.
  • Doenças agudas causadas por fungos são incomuns.

NATUREZA DAS CÉLULAS

  • Núcleo com cromossomo e membrana nuclear.
  • Organelas citoplasmáticas superiores
  • Encontram-se geralmente haplóides; núcleo torna-se diplóide por meio de fusão nuclear no processo de reprodução sexual.
  • A PC é rígida e a MP é rica em ergosterol (vit. D)
  • Estrutura química:

- Polissacarídeos : mananas e glucanas
- Manoproteínas: polímeros de manose
- Glucanas: polímeros de glucosil
- N-acetil-glucosaminas

  • Matabolismo: energia orgânica exógena (C, N, O).

 

REPRODUÇÃO

Assexuada

  • Divisão mitótica do núcleo haplóide
  • Produção de brootamento (em conídeos) ou separação das hifas.

Sexuada

  • União de um núcleo haplóide doador com célula do receptor.

 

CRESCIMENTO E MORFOLOGIA

  • Crescimento inicial: células simples

- Leveduras: formam brotamento (blastoconídeos)

- Filamentosas: extensões em forma de tubos, também chamadas micélios. Podem Ter ou não septos.

- Dimorfismo: é a capacidade de se desenvolver segundo as condições ambientais. Podem crescer na forma de bolores (quando incubadas de 25 a 30° C) ou em leveduras (em 35 a 37° C).

CONÍDEOS

  • Desenvolvem hifas.
  • Clamidoconídeo ou astroconídeo: função de resistência, semelhante aos esporos bacterianos. Os astroconídeos formam elementos retangulares.
  • Locomoção apical

OUTROS

  • Esporo sexual: ascoporo (4 a 8 estruturas)
  • Fungo dimorfo: espécies que crescem como leveduras ou bolores
  • Leveduras: crescem a 35-37° C em meio enriquecido
  • Bolores: crescem mesmo em condições mínimas de nutrientes

CLASSIFICAÇÃO

CLASSE

ELEMENTOS SEXUAIS

SEXUAL

ASSEXUAL

Zygomicetes (não-septado)

Muitos

Esporáveis

Conídeos

Ascomiscetes (septado)

Ascoporos

Conídeos

Basideomicetes (septado)

Basideoesporo

Conídeos

Deuteromicetes (septado)

-----

Conídeos

 

EPIDEMIOLOGIA

  • Infecção:
  1. Contato com reservatório
  2. Ambiente
  3. Baixa imunidade
  • Micoses superficiais: nas camadas superficiais da pele e pelos. Podem ser resistentes ao tratamento mas raramente afetam a saúde geral do paciente. Causadores: Microsporum, Tricophytom e Epidermophytum
  • Micoses subcutâneas: na pele e tecidos subcutâneos. Os fungos responsáveis por esta micose crescem no solo ou em vegetação em decomposição e precisam ser introduzidos no tecido subcutâneo para provocarem a doença. O Sporothrix schenckii vivem nas planta e madeiras e provoca a esporotricose, uma infecção granulomatosa crônica, quando introduzida na pele por traumatismo.
  • Micoses sistêmicas ou profundas: órgãos internos. São causadas por fungos de solo e a infecção é contraída por inalação. Todos os fungos causadores desta patologia são dimórficos e apresentam adaptação morfológica única em tecido ou ao crescimento a 37° C. O Paracoccidioides brasiliensis provoca a paracoccidioidomicose.

PATOGÊNESE

  • Transmitidos de um ser humano à outro: Dermatófilos e Candida
  • Oportunistas em imuno-deprimidos
  • Aderência
  1. Leveduras: colonizam a superfície do trato genital feminino e gastrointestestinal.
  2. Candida albicans: por adesina (monoproteína) e fibronectina da matriz celular.
  • No trauma, a invasão principal dá-se por Sporothrix schenckii.
  • Interação com fagócitos:
  1. Candida albicans: ligam-se a componentes do sistema do complemento que interfere com fagocitose;
  2. Maioria dos fungos: mortos por fagócitos.

Candida

A maioria dos casos em humanos são causados por Candida albicans, um fungo oportunista encontrado na pele e mucosas de indivíduos normais como comensal; a interferência de vários fatores pode transformá-la em patogênica. A candidíase ou maloníase atinge pele e mucosas, podendo atacar os pulmões, intestino e também o SN, causando a síndrome septicêmica. O tratamento pode ser feito com clotrimazol, miconazol, enconazol e ciclopirox. Topicamente pode-se tratar com violeta gensiana 1%, iodo 1%, permanganato de potássio 1:1000, nistatina pomada e bicarbonato de sódio 3%.

Diagnóstico laboratorial

  1. Exame micológico direto, após clarificação do material com potassa (KOH -10%) no caso de estudo de escamas da pele ou raspados de unha. O exame é feito com l6amina e lamínula r examinado após 15 minutos de preparo, tempo necessário para o clareamento. As hifas e as leveduras resistem à digestão com KOH.
  2. Cultura com meio de Sabouraud, que é acidificado par fungos. A caracterização do gênero é feita a partir da análise das peculiaridades macroscópicas e microscópicas das colônias. O tempo de incubação é de 3 semanas em temperatura ambiente, com amostra semeada em agar inclinado de Sabouraud e examinados em lânimas novamente.

FUNGOS

MICROMORFOLOGIA

MACROMORFOLOGIA

Bolores
  • Hifas septadas
  • Hifas não-septadas
  • Esporos esféricos
  • Conidióforos etc
Aspecto penujento, cores diversas, cotonoso, pulverulentas, aveludada, pulmosa etc.
Leveduras
  • Células ovais com brotamento
Aspecto cremoso, pastoso, enrugado
  1. A identificação final será feita por microscopia, observando-se o órgão de reprodução ou a morfologia dos esporos.

QUIMIOTERAPIA

  • Antifúngico
  • Anfroticirina B
  • Nistatina
  • Griseofuluína
  • Flucitosina
  • Iodeto de Potássio
  • Clotrimazol: atua na síntese do colesterol (ergosterol)
  • Cetoconalol: atua na síntese do colesterol (ergosterol)
  • Intraconalol: atua na síntese do colesterol (ergosterol)
  • Fluconazol: atua na síntese do colesterol (ergosterol)

AGENTES

  • Micoses superficiais:
  1. Microsporum sp.
  2. Trilhophyton sp.
  3. Epidermophyton sp.
  • Micoses subcutâneas:
  1. Sporothrix schenckii
  2. Mycentoma sp.
  3. Chromoblastomycosis
  • Micoses de sistemas:
  1. Criptococus neoformaus
  2. Histoplasma capsulatum
  3. Blastomyces dermatiditis
  4. Coccidiodis immitis
  5. Paracoccidioites brasiliensis

Tripod


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos