Genética/Clonagem/Terapia gênica - Terapia genética usando elementos dos vírus ebola e HIV pode curar a fibrose cística
Esta página já teve 115.789.830 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.701 acessos diários
home | entre em contato
 

Genética/Clonagem/Terapia gênica

Terapia genética usando elementos dos vírus ebola e HIV pode curar a fibrose cística

12/06/2005
Fibrose cística é tratada com partes de HIV e ebola

Terapia genética usando elementos dos vírus ebola e HIV pode curar a fibrose cística, segundo um estudo apresentado por cientistas da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos.

Em 1989 foi descoberto que a doença é causada por uma falha genética e, desde então, cientistas tentam descobrir uma forma de transportar uma cópia saudável do mesmo gene para o organismo, para que ele substitua os defeituosos.

Uma das dificuldades, no entanto, era fazer com que os genes saudáveis chegassem aos pulmões, um dos orgãos mais afetados pela fibrose cística, o que é difícil porque os pulmões tendem a rejeitar substâncias estranhas.

Um mecanismo do vírus do ebola foi usado para o transporte do gene saudável, já que esse vírus atinge principalmente o pulmão. No caso do HIV, um mecanismo do vírus foi usado para implantar os genes nas células.

Segundo o estudo publicado na revista New Scientist, testes realizados em macacos mostraram que o método é eficaz.

Cura

Os pesquisadores americanos, liderados pelo médico Gary Kobinger, combinaram um proteína da superfície do vírus ebola, que afeta as células pulmonares, com parte do vírus HIV.

Uma cópia de um gene saudável que pode corrigir a falha que provoca a fibrose cística é incluída entre os elementos dos dois vírus.

Testes iniciais mostraram que o vírus híbrido é extremamente eficiente. Em camundongos, o gene saudável carregado pelo vírus estava ativo em 24% das células do sistema respiratório apenas dois meses depois de ter sido inserido.

Em macacos, o gene esta ativo em 21% das células depois de dois meses.

Os elementos dos vírus HIV e ebola usados na terapia não provocam a contaminação, já que o vírus híbrido não tem os componentes que o permitem reproduzir-se dentro do organismo.

Segundo os cientistas, no entanto, se o vírus híbrido chegar à corrente sanguínea - o ambiente onde o vírus normal do HIV geralmente vive - ele não se reproduziria de maneira tão eficiente como o vírus normal, mas o paciente pode sentir alguns efeitos.

O maior risco é que se o paciente for contaminado pelo HIV, uma nova combinação poderia ser criada com o vírus original do HIV se fundindo com o vírus híbrido.

Caso isso aconteça, as consequências são imprevisíveis, mas uma "recombinação" a partir do vírus HIV nunca foi observada.

A fibrose cística - que afeta principalmente o pulmão e o pâncreas, "entupindo" os orgãos com muco - é a mais comum das doenças genéticas graves, segundo o Ministério da Saúde, e não tem cura conhecida.

Estima-se que cerca de 1,5 mil pessoas sofram da doença no Brasil, que tem maior incidência sobre a população branca, seguida da população negra e da asiática.

Fonte: BBC Brasil, 10/06/05


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~