Medicina Esportiva/Atividade Física - Nutrindo o atleta infantil
Esta página já teve 114.557.059 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.792 acessos diários
home | entre em contato
 

Medicina Esportiva/Atividade Física

Nutrindo o atleta infantil

25/06/2005
 
 A ALIMENTAÇÃO DA CRIANÇA ATLETA  


LÍQUIDOS E ELETRÓLITOS

Os líquidos têm um papel crítico em manter a saúde e a boa performance em crianças atletas. Uma das mais importantes funções da água é esfriar o corpo. Quando a criança se exercita, os músculos geram calor, aumentando a temperatura corpórea, o que provoca transpiração, evaporação do suor e esfriamento do corpo. Se a criança não repõe o que transpirou bebendo líquidos, o balanço de água no corpo não funcionará bem e o organismo pode ficar superaquecido. Dias úmidos requerem maior atenção. Se o ar está úmido, o suor não evapora e o corpo não esfria, o que pode levar ao superaquecimento. Crianças que ainda não atingiram a puberdade têm maior risco, pois possuem uma menor capacidade de transpiração, o que significa que elas têm uma capacidade menos eficiente de dissipar o calor excessivo do corpo.

As crianças não tomam instintivamente a quantidade suficiente de líquidos para repor a água perdida, e a sede não é um bom indicativo para reposição, pois o mecanismo de regulação de sede não funciona bem durante o exercício. Por isso, os atletas devem ser pesados antes e depois da prática esportiva para determinar a perda de líquidos e a quantidade de reposição.

Para atividades que durem até 60 minutos a água é a bebida mais indicada. Para um tempo maior, as bebidas especiais para reposição podem ajudar como fonte de líquidos e carboidratos. Essas bebidas devem conter 6 a 7 % de carboidratos. Mais do que isso pode causar retardo no esvaziamento gástrico.
Recomenda-se ainda a utilização da seguinte tabela para rehidratação, segundo A Associação Americana de Nutrição:

1 a 2 horas antes do evento   300 a 420ml de água fria (temperatura  menor que a ambiente);
10 a 15 minutos antes do evento 300 a 360 ml de água fria;
Durante o evento      120 a 180 ml de água fria a cada 15 a 20 minutos;
Após o exercício 480 ml de líquidos frios para cada 450g perdidos de água; 

CARBOIDRATOS

Os carboidratos são os combustíveis mais eficazes para a performance no exercício. A energia deles é disponível para os músculos 3 vezes mais rápido do que a energia da gordura. A única limitação é que o organismo armazena uma quantidade pequena de carboidratos como glicogênio no fígado e nos músculos. O carboidrato é usado como energia imediata, convertendo-se  o glicogênio em glicose, que entra na circulação. Uma vez usado, o glicogênio precisa ser reposto, senão o atleta terá menos energia durante o trabalho físico.
O objetivo da alimentação antes do exercício físico é prevenir a sensação de fome antes ou durante a competição, assim como manter concentrações ótimas de glicose no sangue.
A performance do atleta relaciona-se ao glicogênio armazenado 24 a 48 horas antes do evento. Então o objetivo principal da alimentação é providenciar alimentos ricos em carboidratos, de preferência complexos, com quantidades moderadas de proteínas e gorduras. As preferências alimentares dos atletas devem ser consideradas, e nenhum alimento desconhecido deve ser introduzido na dieta.
A quantidade a ser ingerida dependerá do tempo entre a refeição e o esporte, por exemplo:

Lanche

(15 a 29g de carboidrato, < 5% gordura)

1/2 a 1 hora antes do evento

Refeição leve

(30 a 40g de carboidrato, 5 a 15% de gordura)

2 a 4 horas antes do evento

Refeição

(50 a 60g de carboidratos, 15 a 25% de gorduras)

4 a 5 horas antes do evento  (pode ser necessário um lanche mais tarde)

 Os músculos estão mais receptivos ao armazenamento de glicogênio durante as primeiras 3 a 4 horas após exercícios exaustivos. Comer ou beber alimento ricos em carboidratos imediatamente após o exercício e depois a cada 2 horas pode melhorar a reposição de glicogênio muscular. Isso pode ser feito bebendo líquidos ricos em carboidratos logo após a prova e comendo uma refeição rica em carboidratos 2 a3 horas após.

 Nota: Em todos os casos, os atletas precisam consumir quantidades adequadas de calorias para o crescimento. É importante conhecer o estágio de desenvolvimento em que se encontra a criança e determinar uma ingestão calórica adequada.

 PROTEÍNAS

 A proteína é parte essencial da dieta da criança ou adolescente atleta. Entretanto, a moderação é que vai garantir o melhor papel desse nutriente na dieta.

A função da proteína na infância e na adolescência é construir, manter e reparar músculos e outros tecidos corpóreos; produzir hemoglobina, que leva o oxigênio até as células; formar anticorpos, que combatem doenças e infecções; e formar enzimas e hormônios, que regulam as funções orgânicas.

Os atletas devem ser esclarecidos que ingerir uma maior quantidade de proteínas do que o recomendado não melhora nenhuma dessas funções, nem forma músculos maiores ou mais fortes. Proteínas em excesso serão armazenadas como gordura, e não como músculos. O único caminho para formar músculos é ingerir quantidades adequadas de proteínas e exercitar o corpo.

Para crianças de 6 a 10 anos, as recomendações são de 1g de proteína para cada kg de peso corporal. Para adolescentes, recomenda-se 0,9g de proteína por kg de peso. Esse valor pode aumentar ligeiramente perto do estágio de maturação sexual, quando o atleta ingere a maior parte de proteínas de origem vegetal, ou quando o treinamento é extremamente exaustivo.

 VITAMINAS E MINERAIS

 Deve-se dar importância ao consumo de ferro, porque a anemia por deficiência desse mineral pode levar a uma diminuição da performance física. É indicado o consumo regular de alimentos fontes de ferro (carne vermelha, fígado, vegetais de folhas verdes, cereais enriquecidos, leguminosas, gema de ovo), junto com boas fontes de vitamina C (frutas cítricas, tomate, pimentão, repolho), que melhora sua absorção.

Fontes de cálcio também devem ser consumidas em quantidades adequadas para promover um crescimento e desenvolvimento ósseo normais e evitar fraturas e osteoporose na vida adulta.

Todos os outros nutrientes devem ser ingeridos nas quantidades adequadas para idade e estágio de desenvolvimento. 

SUPLEMENTOS DIETÉTICOS 

Os suplementos não são usualmente necessários e podem em alguns casos tornarem-se perigosos. Apesar de que a suplementação vitamínica e mineral pode melhorar o estado nutricional de pessoas que não consomem uma dieta adequada, nenhum dado científico embasa o uso geral de suplementos para melhorar a performance física. 

TREINAMENTO EXCESSIVO 

É bem sabido que níveis toleráveis de exercícios parecem estimular o crescimento físico normal. Por outro lado, um número cada vez maior de lesões por sobrecarga está sendo registrado em crianças que praticam esportes organizados. As crianças são mais suceptíveis a estas lesões devido à presença de tecidos em desenvolvimento, e ao processo de crescimento, que pode produzir desequilíbrios musculares em torno das articulações, aumentando o risco de lesões. Como se pode constatar, o crescimento por si só já é um fator de risco de lesões de sobrecarga.  

Durante o período de crescimento rápido, a intensidade do treinamento deve ser reduzida, e programas de exercícios específicos compensatórios devem ser introduzidos, a fim de prevenir lesões e compensar desequilíbrios musculares.

www.dietnet.com.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos