Genética/Clonagem/Terapia gênica - Deficiência hereditária de G6PD
Esta página já teve 115.745.564 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.704 acessos diários
home | entre em contato
 

Genética/Clonagem/Terapia gênica

Deficiência hereditária de G6PD

04/08/2005

 

    A glicose-6-fosfato formada no início da glicólise pode ser desviada para a via das pentoses ou shunt da hexose-monofosfato (10% da glicose). Nesta via, a glicose-6-P sofre ação da G6Pdesidrogenase, formando a 6-fosfo-gluconato. Com isso há restauração do NADPH.
    O NADPH tem por função:
  • É coenzima da glutation-redutase , que assegura regeneração do glutation reduzido GSH . O GSH ( reduzido)  é usado pela glutation peroxidase na eliminação do peróxido de hidrogênio ( oxidante potente) na hemácia evidanto a oxidação da membrana plasmática da hemácia, das globinas e proteínas estruturais ( que causaria grave instabilidade para a célula).
  • É coenzima da metaemoglobina redutase acessória, que serve para manter o heme com ferro na forma reduzida Fe++. Na def. da  G6PD, a metemoglobina (não reduzida), persiste e precipita formando os corpúsculos de Heinz ( lembre-se que estes predispõem a hemólise, pois é facilmente fagocitável).
    É uma doença ligada ao cromossoma X. Portanto, só mulheres podem transmitir a doença.
Um a cada 100.000 pessoas na Europa. 10% dos negros americanos tem a variante africana (classe III).

Corpúsculos de Heinz observados no período precoce do quadro ( após um dia do quadro, o baço já removeu as hemácias que tem o corpúsculo) , pelo corante  crital violeta.
 


 

VARIANTES:
CLASSE I

    Exclusivo da raça branca. Hemólise freq. motivadas por ingestão de drogas ou mesmo infecções. A infeção é um processo oxidante para a hemácia. A G6PD é 5 % mais baixa que o normal.

CLASSE II

    Ocorre em gregos, italianos, judeus , turcos. 50% da pop. masculina são severamente sensíveis à FAVA e drogas oxidantes. Alcança 1 a cada 1000 europeus.
 
A G6PD é 10 % mais baixa que o normal.

CLASSE III

    Acomete raça negra, 10% da pop. negra norte-americana.
 A G6PD é 10 a 60 % mais baixa que o normal.
 

Manifestações clínicas

      Crise hemolítica aguda quando exposto a agentes oxidantes, como drogas, surgindo 24 a 48 hrs após ingerir. Queda rápida do hematócrito, com elevação da bilirrubina indireta e queda  da haptoglobina e elevação da hemoglobinemia.
    Mal estar precordial, calafrios, cefaléia, náuseas e vômitos, confusão mental, dor lombar, hematúria, alteração da dinâmica cardiorrespiratória.
    Algumas pessoas possuem hemólise crônica mesmo na ausência de agentes oxidantes, mas costumam ser fulminantes após a exposição a drogas.
 

Drogas que podem levar a crise:
 

  • Antimaláricos
  • Naftalina
  • Sulfametoxazol (Bactrim)
  • Sulfonas
  • Sulfanilamina
  • Nitrofurantoína
  • Nitratos e nitritos
  • Fenilhidralazina
  • Azul de toluidina ( corante no estudo radiológico das vias linfáticas).
  • Analgésicos ( acetanilida)
  • Vitamina K forma hidrossolúvel, ácido nalidíxico
TABLE 469–1. Agents Precipitating Hemolysis in Glucose-6-Phosphate Dehydrogenase Deficiency

Medications

Antibacterials

Sulfonamides
Trimethoprim-sulfamethoxazole
Nalidixic acid
Chloramphenicol
Nitrofurantoin

Antimalarials

Primaquine
Pamaquine
Chloroquine
Quinacrine

Others

Phenacetin
Vitamin K analogs
Methylene blue
Probenecid
Acetylsalicylic acid
Phenazopyridine

Chemicals

Phenylhydrazine
Benzene
Naphthalene

Illness

Diabetic acidosis
Hepatitis

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tratamento: hemotransfusão na crise. Previnir as drogas citadas acima. Esplenectomia só em casos especiais.

Defeitos na via de Embden-Meyhof ( ou glocólise)

    Mais comum é a def. de piruvatoquinase ( PK), que produz ATP no catabolismo do fosfoenolpiruvato, formando piruvato.
    O ATP  assegura o funcionamento da bomba de sódio ( mantém gradiente osmótico). E também  é importante para manutenção dos lipídios da membrana. Mantém o func. da bomba Ca/Mg evitando calcificação da MP.
    O déficit de ATP  provocará alterações na membrana do eritrócito, com tendência a hiperhidratação, com formação de esferócitos e destruição da célula ( anemia crônica  (hemograma típico) semelhante a esferocitose).
    Transmissão hereditária autossômica recessiva. A hemólise crônica atrapalha o desenvolvimento da criança, por isso esta indicado aqui a esplenectomia.
 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~