Medicina Esportiva/Atividade Física - Atividade Física e Saúde na Mulher Atleta
Esta página já teve 115.743.346 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.703 acessos diários
home | entre em contato
 

Medicina Esportiva/Atividade Física

Atividade Física e Saúde na Mulher Atleta

08/10/2005





A prática regular de atividade física tem seus benefícios já bem comprovados em ambos os sexos, porém no sexo feminino deve-se levar em consideração os hormônios, as respostas e as adaptações ao exercício e a incidência de certas patologias, como a doença arterial coronariana, que tem aumentado muito a incidência em mulheres e possui características diferentes das dos homens, devido a ação do estrogênio.

Níveis hormonais

O exercício físico regular, realizado de maneira correta e associado a ingesta alimentar adequada, não interfere na função hormonal, se constituindo num importante instrumento para ganho de massa óssea, capaz de fazer, a partir da adolescência, a prevenção primária da osteoporose pós-menopáusica, com inclusive alívio dos sintomas pré-menstruais.
A chamada tríade da mulher atleta é uma síndrome que ocorre não somente em mulheres que participam de exercícios de caráter competitivo, mas também em praticantes de atividades recreacionais. Os componentes são distúrbios alimentares, amenorréia e osteoporose. Esta síndrome é freqüentemente negada, não diagnosticada e subnotificada.

Amenorréia

Uma hipótese para a ocorrência da amenorréia é a de que as endorfinas produzidas durante a atividade física e a manutenção de seus níveis aumentados com o treinamento diário possam inibir a produção do hormônio liberador das gonadotrofinas (GnRH) pelo hipotálamo e, com isso, inibir todo o eixo hormonal feminino
Outra hipótese seria que as endorfinas diminuiriam a produção de dopamina no núcleo arqueado hipotalâmico. Sendo a dopamina um fator inibitório da prolactina, esta teria seus níveis séricos aumentados, assim, ela seria também capaz de diminuir a produção de GnRH.

Climatério

É caracterizado pela diminuição fisiológica da função ovariana. Devido à carência hormonal que pode se estabelecer nesta fase, ocorrem modificações nos diversos tecidos-alvo. Nos ossos há predomínio da reabsorção, levando a osteoporose. No perfil lipídico há também alterações negativas, com aumento dos níveis de colesterol total e triglicerídeos e diminuição da fração HDL.

Atividade Física e Climatério

A atividade física tem papel estabelecido na prevenção da doença coronariana através da elevação do HDL (colesterol bom). Este efeito é especialmente necessário no climatério, já que os benefícios que se poderiam obter com a reposição de estrogênios são reduzidos com a necessária associação de progestogênios.

Atividade Física e Osteoporose

O exercício físico preserva a massa óssea, tanto por ação direta do impacto sobre o esqueleto, como por ação indireta, pelo aumento da força muscular. Há uma tendência da massa óssea ser proporcional à força muscular, pois a maior tração, exercida por músculos mais fortes, serve como estímulo à mineralização dos ossos.

Início da Atividade Física

As recomendações gerais quanto a prática de atividade física devem ser adotadas também para as mulheres, acrescentando avaliações específicas das condições de saúde da mulher, sendo fundamental a avaliação da composição corporal para determinação do percentual e distribuição de gordura corporal, além de uma boa análise postural, testes de força muscular e de flexibilidade




Fonte: Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade Física e Saúde na Mulher



www.medicinadoesporte.com

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~