Medicina Esportiva/Atividade Física - Correlação entre as medidas direta e indireta do VO2max em atletas de futsal
Esta página já teve 113.881.933 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.871 acessos diários
home | entre em contato
 

Medicina Esportiva/Atividade Física

Correlação entre as medidas direta e indireta do VO2max em atletas de futsal

08/10/2005


Rev Bras Med Esporte vol.11 no.3 Niterói May/June 2005

Correlation between direct and indirect VO2max measurements in indoor soccer players

 

Correlación entre las medidas directa e indirecta del VO2max en atletas de futsal

 

 

Anna Myrna Jaguaribe de LimaI; Daniele Vanusca Gomes SilvaII; Alexandre Oscar Soares de SouzaIII

IMestre em Fisiologia, Professora do Curso de Fisioterapia da Faculdade Integrada do Recife (FIR), Recife-PE, Brasil
IIFisioterapeuta, Recife-PE, Brasil
IIIPreparador Físico do Clube Naútico Capibaribe, Recife-PE, Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A importância das qualidades morfofuncionais na melhora do rendimento nos esportes aumentou o interesse no aprimoramento dos níveis de aptidão física dos atletas. No entanto, há poucos estudos sobre as variáveis fisiológicas do futsal disponíveis na literatura científica mundial. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi verificar a existência de correlação entre os testes de medida direta e indireta do VO2max, em jogadores de futsal. Foram analisados 13 jogadores de futsal, com idade de 18,6 ± 1,9 anos, altura igual a 177,1 ± 3,5cm, peso de 68,5 ± 9,5kg, índice de massa corporal (IMC) de 21,7 ± 2,3kg/m2. Para medida direta do VO2max foi utilizado o sistema ergoespirométrico computadorizado (VO-2000, Aerosport, Medgraphics, St. Paul, Minnesota) e para mensuração indireta do VO2max foi realizado o teste de campo de 3.200m. A análise estatística foi elaborada através do teste t de Student para amostras pareadas e pelo coeficiente de correlação de Pearson. Os valores de VO2max obtidos no teste de medida direta não apresentaram diferenças significativas em relação à medida indireta (62,8 ± 10,1 vs. 58,5 ± 8,5ml/kg/min, respectivamente). Quando correlacionados os valores de VO2max obtidos em ambos os testes, observou-se forte correlação (r = 0,72). Em conclusão, os testes de medida indireta apresentam boa aceitação para os atletas de futsal, tendo em vista a alta correlação com os testes de medida direta, o baixo custo de sua aplicação e o fornecimento de informações importantes que podem auxiliar na prescrição e no acompanhamento do treinamento.

Palavras-chave: Capacidade aeróbia. Testes de predição do VO2max.


ABSTRACT

The importance of the morphofunctional qualities to greater efficiency in sports has increased the interest on the improvement on the physical fitness levels of athletes. However, not many studies on the physiological variables of indoor soccer are available in the world scientific literature. Thus, the objective of this work was to verify the existence of correlation between the direct and indirect VO2max measurement tests in indoor soccer players. Thirteen indoor soccer players with age of 18.6 ± 1.9 years, height of 177.1 ± 3.5 cm, weight of 68.5 ± 9.5 kg and body mass index (BMI) of 21.7 ± 2.3 kg/m2 were analyzed. For the direct VO2max measurement, the computerized ergospirometric system was used (VO-2000, Aerosport, Medgraphics, St. Paul, Minnesota) and for the indirect VO2max measurement, the 3,200 m field test was performed.
The statistical analysis was elaborated through the t-Student test for paired samples and through the Pearson correlation coefficient. The VO2max values obtained in the direct measurement test presented no significant differences in relation to the indirect measurement (62.8 ± 10.1 vs. 58.5 ± 8.5 ml/kg/min, respectively). When the VO2max values obtained in both tests were correlated, a strong correlation (r = 0.72) was observed. In short, the indirect measurement tests presented good acceptance among indoor soccer players due to the high correlation with the direct measurement tests, the low cost and the attainment of important information that will be helpful in the training prescription and follow-up.

Key words: Aerobic capacity. VO2max prediction tests.


RESUMEN

La importância de las cualidades morfo-funcionales en la mejora del rendimiento en los deportes aumentó el interes en el acondicionamiento de los niveles de aptitud física de los atletas. En tanto, hay pocos estudios sobre las variables fisiológicas del futsal disponibles en la literatura mundial. De esta forma, el objetivo del estudio fué verificar la existencia de la correlación entre los tests de medida directa e indirecta del VO2max, en jugadores de futsal. Fueron analizados 13 jugadores de futsal, con edades de entre 18,6 ± 1,9 años, altura igual a 177,1 ± 3,5 cm, peso de 68,5 ± 9,5 kg, índice de masa corporal (IMC) de 21,7 ± 2,3 kg/m2. Para la medida directa del VO2max fué utilizado el sistema ergoespirométrico computadorizado (VO-2000, Aerosport, Medgraphics, St. Paul, Minnesota) para mensura indirecta del VO2max fué realizado el test de campo de 3200m. El análisis estatístico fué elaborado a través del test t-Student para las muestras pareadas y por el coeficiente de correlación de Pearson. Los valores de VO2max obtenidos en el test de medida directa no presentaron diferencias significativas en relación a la medida indirecta (62,8 ± 10,1 vs. 58,5 ± 8,5 ml/kg/min, respectivamente). Cuando correlacionamos los valores de VO2max obtenidos en ambos tests, observamos una fuerte correlación (r = 0,72). En conclusión, los tests de medida indirecta presentaron buena aceptación para los atletas de futsal, teniendo en vista la alta correlación con los tests de medida directa, el bajo costo de su aplicación y el apercibimiento de las informaciones importantes que puedem auxiliar la prescrición de el no acompañamiento del entrenamiento.

Palabras-clave: Capacidad aeróbica. Tests de predicción del VO2max.


 

 

INTRODUÇÃO

A importância das qualidades morfofuncionais na melhora do rendimento nos esportes aumentou o interesse no aprimoramento dos níveis de aptidão física dos atletas. No entanto, há poucos estudos sobre as variáveis fisiológicas do futsal disponíveis na literatura científica mundial.

Como o futebol, o futsal também é uma modalidade desportiva caracterizada por esforços intermitentes, de extensão variada e de periodicidade aleatória. O futsal atual exige esforços de grande intensidade e curta duração, diferenciando esta modalidade desportiva de outras de alto nível(1,2). A agilidade dos acontecimentos e ações durante uma partida exige que o atleta esteja preparado para reagir aos mais diferentes estímulos, da maneira mais rápida e eficiente possível(3).

O trabalho específico sobre o sistema aeróbio de fornecimento de energia visa aumentar a resistência cardiovascular do indivíduo, que é de extrema importância no trabalho de preparação física do atleta de futsal. A determinação desse parâmetro é obtida a partir do cálculo do consumo máximo de oxigênio (O2max) que, em jogadores de futebol profissional, varia de 55 a 65ml/kg/min(4). O desenvolvimento da capacidade aeróbia é um dos fatores determinantes da performance desses atletas dentro de campo.

Quanto à mensuração do O2max, existem dois métodos que apresentam vantagens e desvantagens: o direto e o indireto. A medida direta do O2max é feita submetendo o indivíduo a um teste ergométrico com cargas crescentes e analisando as frações expiradas de oxigênio e dióxido de carbono durante o esforço e a ventilação pulmonar. Essa medida nos fornece um resultado mais fidedigno, porém, seu custo é alto em relação à medida indireta; são necessários equipamentos sofisticados, mão-de-obra especializada para a administração dos testes, maior quantidade de tempo com cada avaliado e exige ainda maior motivação do indivíduo, pois geralmente é realizada em ambiente de laboratório(5). No que diz respeito à medida indireta do O2max, podem ser utilizados os chamados testes de campo, nos quais o cálculo dessa variável é feito através de equações baseadas em tempo ou distância preestabelecidos. Nesse caso, podem ser avaliadas várias pessoas ao mesmo tempo e o custo é baixo e as condições do teste, em alguns casos, são mais próximas das situações de prática e da especificidade do esporte. No entanto, a acurácia muitas vezes é questionada, tendo em vista que muitas dessas equações são específicas para grupos predeterminados (p. ex.: homens brancos sedentários, mulheres negras atletas, etc.)(6).

Tendo em vista os diferentes sistemas metabólicos e demandas energéticas requeridos no futsal e a escassez de dados sobre a fisiologia deste esporte, o presente estudo teve como objetivo correlacionar os testes de medida direta e indireta do O2max em atletas de futsal.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Amostra

Participaram do presente estudo 13 jogadores de futsal, do sexo masculino com idade de 18,6 ± 1,9 anos, altura de 177,1 ± 3,5cm, peso de 68,5 ± 9,5kg e índice de massa corporal (IMC) de 21,7 ± 2,3kg/m2. Após tomar ciência dos objetivos do estudo e de seus possíveis benefícios e riscos, os sujeitos assinaram um termo de consentimento (resolução específica Nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde) aprovado pelo Comitê de Ética do Hospital Agamenon Magalhães.

Procedimento experimental

Medida direta do O2max

Os experimentos foram realizados entre as 14:00 e 17:00, com temperatura ambiente mantida entre 22 e 24ºC, pressão barométrica 760mmHg e umidade relativa do ar percentual de 55%. No dia que precedia a realização do teste, foi solicitado aos participantes que permanecessem pelo menos 24h sem praticar qualquer tipo de exercício extenuante.

Inicialmente, com o indivíduo de pé na esteira (Inbramed Millennium, modelo ATL, Porto Alegre, RS), foi aferida a pressão arterial (PA), utilizando-se o método auscultatório, e a freqüência cardíaca (FC), através de eletrodos (Micromed) colocados no manúbrio, crista ilíaca direita e esquerda (derivação CM5). Os eletrodos estavam conectados a um eletrocardiógrafo (Micromed®) e os valores de FC foram visualizados através do software Elite (Micromed Biotecnologia, Brasília, Brasil).

Em seguida, foi acoplado ao indivíduo um analisador de gases metabólicos (VO-2000, Aerosport, Medgraphics, St. Paul, Minnesota), através do qual as amostras gasosas foram coletadas e mensuradas a cada 10s durante o teste. Os participantes foram submetidos ao protocolo de rampa com velocidade inicial de 5,0km/h (0% de inclinação), com incrementos progressivos, velocidade final de 17km/h (5% de inclinação) e duração do teste igual a 10min ou até o ponto de exaustão. Os critérios considerados para o cálculo do O2max foram pelo menos dois, dos citados a seguir:

Estabelecimento de platô da curva de consumo de oxigênio em relação à carga;

Razão das trocas gasosas > 1,0;

Exaustão física do indivíduo.

Medida indireta do O2max

Para a análise indireta do O2max, foi utilizado o teste de campo de 3.200m, através da fórmula:

O2max (ml.kg.min) = 118,4-4,774 (T)(7)

onde: T = tempo em minutos e fração decimal dos 3.200m.

O teste foi realizado em uma pista de 1.000m, no horário entre 16:00 e 17:00, em dias diferentes e com intervalo de no mínimo de dois e no máximo cinco dias após o teste da esteira. No dia que precedia os testes, os atletas foram orientados a não executar atividades exaustivas, não ingerir bebidas alcoólicas e não fumar.

Os voluntários se dividiram em grupos de cinco e o tempo obtido durante o percurso foi registrado através de um cronômetro.

Análise estatística

Para verificar se houve correlação entre os testes de medida direta e indireta para determinação do O2max dos atletas de futsal, foi utilizado o coeficiente de correlação de Pearson (r). Para determinar se houve diferença significativa entre os valores médios de O2max nas medidas direta e indireta, utilizou-se o teste t de Student para amostras pareadas. Os resultados estão apresentados como média ± desvio-padrão (MD ± DP). O valor de p < 0,05 foi considerado como nível de significância estatística.

 

RESULTADOS

Na figura 1, foi observada forte correlação (r = 0,72) entre os valores de O2max obtidos no teste de medida direto e indireto dos atletas de futsal.

 

 

Já na figura 2, não foram encontradas diferenças significativas entre as medidas direta e indireta para determinação do O2max.

 

 

DISCUSSÃO

A condição física dos atletas de futsal, como em outras modalidades desportivas, é um dos fatores que interferem na performance e nos resultados alcançados nas competições. Segundo Ekblom(8), apesar de não ser um elemento determinante, a resistência aeróbia influencia intensamente o desempenho e o nível competitivo da equipe. Alguns pesquisadores atestaram que, quanto maior a capacidade cardiovascular das equipes, melhor o desempenho competitivo(8,11); no entanto, existem controvérsias a esse respeito. Faina et al.(12) relataram valores de O2max mais elevados em jogadores de futebol italianos da categoria amadora, quando comparados com os atletas profissionais. É importante ressaltar ainda que, ao ser atingido um O2max superior a 70ml/kg/min, pode haver comprometimento na velocidade desenvolvida pelo jogador. Isso pode ser explicado pelo fato de, com altos níveis de O2max, o indivíduo trabalhar e desenvolver preferencialmente as fibras tipo I (fibras lentas), que atuam sob metabolismo aeróbio(14).

De acordo com os nossos resultados, os valores da medida indireta do O2max para os atletas de futsal foram de 58,5 ± 8,5ml/kg/min. Esses dados são semelhantes aos encontrados por Souza(9), estudando atletas de mesma idade, jogadores de futebol de campo. Apesar de essas modalidades serem realizadas em ambientes distintos, as exigências metabólicas são similares, justificando os achados. Quanto à medida direta do O2max, no presente trabalho foram encontrados valores de 62,8 ± 10,1ml/kg/min, semelhantes aos relatos de Jones e Helmes(10), que, estudando atletas de futebol de campo entre 14 e 18 anos, verificaram que o O2max variava de 55,1 a 61,1ml/kg/min.

Ao correlacionarmos os dois testes para predição do O2max (figura 1), foi verificada forte correlação (r = 0,72), sugerindo que o uso do teste de campo de 3.200m pode ser válido para determinar o consumo máximo de oxigênio em atletas de futsal. Ao serem comparados ambos os tipos de mensuração, não foram observadas diferenças significativas nas mensurações do O2max obtidas no teste de 3.200m em comparação com a ergoespirometria (figura 2). Ao avaliar os procedimentos de testes de campo e laboratório para performance aeróbia em atletas de futebol, Bangsbo e Lindquist(14) relataram fortes índices de correlação entre os testes de laboratório e os de campo para esses atletas. Grant et al.(15), ao compararem os resultados de O2max obtidos pelo teste de Cooper, shuttle run de multiestágios progressivos e pelo teste submáximo em bicicleta com medida direta em homens saudáveis, verificaram maior eficácia nos valores fornecidos pelo teste de Cooper. Os testes de campo mostraram-se mais fidedignos em relação ao teste de laboratório submáximo, fato que pode ser atribuído à familiaridade e motivação dos indivíduos com os locais onde foram executados os testes de campo, pois, apesar de não serem atletas, todos eles praticavam exercício físico regularmente. A similaridade do teste com a atividade que o atleta pratica deve ser considerada no momento da avaliação, já que pode interferir nos resultados obtidos. No entanto, um teste em laboratório conduzido de forma correta e com o controle das variáveis envolvidas fornecerá resultados também fidedignos. Nesse caso, as cargas são administradas gradualmente com exatidão, a fim de alcançar o consumo máximo de oxigênio(16).

A principal limitação para a realização do estudo foi a falta de um teste de campo de medida indireta do O2max específico para o futsal, que reproduzisse com maior exatidão a especificidade do esporte. Dessa forma, poderíamos tornar evidentes diferenças que, porventura, não tenham sido detectadas ao comparar os resultados obtidos no teste de 3.200m e na ergoespirometria.

 

CONCLUSÃO

A utilização das variáveis fisiológicas tem obtido merecido destaque no que diz respeito ao aprimoramento e desenvolvimento da performance dos atletas dentre os mais diferentes tipos de esporte, apesar de considerarmos que os determinantes do desempenho esportivo são complexos e envolvem uma série de fatores bioquímicos, fisiológicos, genéticos, anátomo-morfológicos e psicológicos.

De acordo com os resultados do presente trabalho, concluímos que os testes de medida indireta do O2max apresentam forte correlação com os testes de medida direta. Dessa forma, podemos concluir que a utilização do teste de campo de 3.200m pode possibilitar a determinação da capacidade aeróbia desses atletas. Além disso, a medida indireta é de fácil utilização e tem baixo custo em relação à direta, proporcionando a coleta dados práticos que consideram a individualidade biológica dos jogadores, auxiliando no desempenho e aumentando o nível competitivo da equipe.

 

REFERÊNCIAS

1. Reilly T, Thomas V. Estimated energy expenditure of professional association footballers. Ergonomics 1979;22:541-8.

2. Guerra I, Soares EA, Burini RC. Aspectos nutricionais do futebol de competição. Rev Bras Med Esporte 2001;7:200-6.
        [ Lilacs ]

3. Cyrino ES, Altimari LR, Okano AH, Coelho CF. Efeitos do treinamento de futsal sobre a composição corporal e desempenho motor de jovens atletas. Rev Bras Ciên e Mov 2002;10:41-6.

4. Reilly T, Bangsbo J, Franks A. Anthropometric and physiological predispositions for elite soccer. J Sports Sci 2000;18:669-83.
        [ Medline ]

5. Diaz FJ, Montano JG, Melchor MT, Guerrero JH, Tovar JA. Validation and reliability of the 1,000 meter aerobic test. Rev Invest Clin 2000;52:44-51.
        [ Medline ]

6. Basset DR Jr, Howley ET. Limiting factors for maximum oxygen uptake and determinants of endurance performance. Med Sci Sports Exerc 2000;32:70-84.

7. Weltman J, Seip R, Levine S, Snead D, Kaiser D, Rogol A. Prediction of lactate threshold and fixed blood lactate concentrations from 3200-m time trial running performance in untrained females. Int J Sports Med 1989;10:207-11.
        [ Medline ]

8. Ekblom B. Applied physiology of soccer. Sports Med 1986;3:50-60.
        [ Medline ]

9. Souza AOS. Correlação entre os testes de 3.200m e 2.400m na determinação do VO2max de atletas de futebol, categoria infanto-juvenil. Recife: UFPE, 2002. 27p. Monografia [Conclusão de Curso - Educação Física] - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2002.

10. Jones A, Helmes P. Cardiorespiratory fitness in young British soccer players. In: Reilly T, Clarys J, Stibbe A, editors. Science and Football II. London/New York: E. & F.N. Spon, 1993;298-303.

11. Santos JAR. Estudo comparativo fisiológico, antropométrico e motor entre futebolistas de diferente nível competitivo. Rev Paul Educ Fís 1999;13:146-59.

12. Faina M, Gallozzi C, Lupo S, Colli R, Sassi R, Marini C. Definition of the physiological profile of the soccer player. In: Reilly T, Lees A, David KS, Murphy WJ, editors. Science and Football. London: E. & F.N. Spon, 1988;158-63.

13. Carter SL, Rennie CD, Hamilton SJ, Tarnopolsky. Changes in skeletal muscle in males and females following endurance training. Can J Physiol Pharmacol 2001; 79:386-92.
        [ Medline ]

14. Bangsbo J, Lindquist F. Comparison of various exercise tests with endurance performance during soccer in professional players. Int J Sports Med 1992;13:125-32.
        [ Medline ]

15. Grant S, Corbett K, Amjad AM, Wilson J, Aitchison T. A comparison of methods of predicting maximum oxygen uptake. Br J Sports Med 1995;29:147-52.
        [ Medline ]

16. Rosch D, Hodgson R, Peterson TL, Graf-Baumann T, Junge A, Chomiak J, Dvorak J. Assessment and evaluation of football performance. Am J Sports Med 2000; 28:S29-S39.
        [ Medline ]

 

 

Endereço para correspondência
Anna Myrna Jaguaribe de Lima
Rua José Armando Machado, N-91, apto. 304, Boa Viagem
51130-170 - Recife, PE
E-mail: annamyrna@uol.com.br

Recebido em 1/8/04. 2ª versão recebida em 8/3/05. Aceito em 7/4/05.

 

 

Todos os autores declararam não haver qualquer potencial conflito de interesses referente a este artigo.

 

Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos