Ortopedia/Fisioterapia/Coluna/T.O. - Faltam doadores para transplante de menisco
Esta página já teve 115.240.025 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.722 acessos diários
home | entre em contato
 

Ortopedia/Fisioterapia/Coluna/T.O.

Faltam doadores para transplante de menisco

08/10/2005


Clique na foto para visualizar em tamanho real O transplante de menisco - cartilagem entre o fêmur e a tíbia responsável pelo amortecimento do joelho - poderia ser um procedimento cirúrgico rotineiro no País. O Brasil já conta com especialistas e centros médicos capacitados para a realização da cirurgia, capaz de acabar com o sofrimento de milhares de pessoas, especialmente esportistas. Mas o transplante não acontece com a freqüência exigida pela falta de doadores.

"O preconceito e principalmente a desinformação impedem que mais pessoas sejam doadoras", diz o ortopedista Ari Zecker, de Santo André, um dos poucos cirurgiões cadastrados no Sistema Nacional de Transplantes para esse tipo de procedimento. "Quando se fala em doação, pensa-se logo em córneas, coração, fígado ou rins. Mas todos deveriam saber que é possível também doar ossos e os meniscos." Zecker já realizou cinco transplantes de menisco no Hospital São Luiz, o único não universitário a fazer a cirurgia.

O transplante é feito por videoartroscopia, ou seja pela incisão de uma microcâmera no joelho. A cirurgia dura cerca de uma hora e exige no máximo um dia de internação. Não existe possibilidade de rejeição porque o menisco é um tecido morto. "A única questão para a compatibilidade é o tamanho do menisco", afirma Zecker.

Atualmente, existem no Brasil apenas dois bancos de ossos, ou de tecidos músculo-esqueléticos, regularizados. Um fica no Instituto Nacional de Traumato-Ortopedia (Into), no Rio, e o outro no Hospital das Clínicas, em Curitiba. Em São Paulo, mesmo o São Luiz, que tem toda a estrutura necessária para realizar a cirurgia, não dispõe de banco de ossos.
Os bancos que existiam em São Paulo foram desativados há mais de um ano por determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por não estarem de acordo com as normas de regulamentação.


Fonte: O Estado de S.Paulo
05/09/2005
Vida&
* Do ABC Repórter
Especial para o Estado

http://sna.saude.gov.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
kill yourself rogue.