Minerais - Sal para consumo humano terá um limite de iodo a ser acrescentado
Esta página já teve 110.748.744 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.764 acessos diários
home | entre em contato
 

Minerais

Sal para consumo humano terá um limite de iodo a ser acrescentado

15/06/2003

Sal para consumo humano terá um limite de iodo a ser acrescentado

Brasília, 27 de fevereiro de 2003

Somente o sal que contiver teor igual ou superior a 20 miligramas até o limite máximo de 60 miligramas de iodo por quilograma de produto será considerado próprio para o consumo humano. Essa é uma determinação da Resolução RDC nº 32, de 25 de fevereiro de 2003, que considerou a necessidade de erradicar os efeitos nocivos à saúde causados pela deficiência do iodo no corpo humano. As empresas têm o prazo de 90 dias, ou seja, até maio, para se adequar à nova legislação.

Um dos artigos da Resolução ressalta que os produtos alimentícios industrializados podem utilizar sal sem adição de iodo como ingrediente, desde que seja comprovado que o iodo cause interferência. As empresas responsáveis pela fabricação dos produtos alimentícios devem manter à disposição do órgão de vigilância sanitária os estudos que comprovem esta interferência. No entanto, na rotulagem destes produtos alimentícios deve constar a advertência "Contém sal não iodado".

Recomendações - O Projeto Thyromobil na América Latina recomendou a revisão da legislação que estabelece os teores de iodo para o sal destinado ao consumo humano. Essa recomendação foi avaliada e reiterada pela Comissão Interinstitucional para o Controle dos Distúrbios por Deficiência de Iodo, tendo, em conseqüência, a Secretaria de Políticas de Saúde do Ministério da Saúde deliberado sobre a necessidade de revisão dos teores de iodo em sal destinado ao consumo humano.

Conseqüências - A adição do iodo ajuda a evitar os chamados Distúrbios por Deficiência de Iodo (DDI), mais freqüente entre as pessoas que vivem em regiões afastadas do mar. A deficiência de iodo está relacionada ao aumento do nascimento de crianças com deficiência mental (cretinismo), redução da capacidade de concentração e aprendizado, redução da fertilidade, aumento da incidência de malformações congênitas, bócio ("papo"), abortos, nascimentos de bebês prematuros e mortalidade infantil.

A desobediência do disposto configura infração de natureza sanitária, na forma da
Lei n° 6437, de 20 de agosto de 1977, sujeitando o infrator às penalidades previstas na legislação vigente.

Anvisa

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos