Antienvelhecimento/Longevidade - Envelhecimento Cerebral, Memória e aprendizado no trabalho
Esta página já teve 116.577.239 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.684 acessos diários
home | entre em contato
 

Antienvelhecimento/Longevidade

Envelhecimento Cerebral, Memória e aprendizado no trabalho

09/11/2005

 

Os pesquisadores do Instituto Nacional de Envelhecimento (NIA, na sigla em inglês), descobriram que o processo normal de envelhecimento cerebral dos idosos normais, permitem que eles tenham um desempenho praticamente igual ao dos indivíduos na faixa dos 30 anos nos testes de vocabulário e de conhecimentos gerais. Mas o envelhecimento provoca outras alterações mentais, até mesmo naqueles que não padecem de demência. Pessoas na faixa dos 60 e 80 anos têm maior probabilidade que os jovens adultos de serem enganados por lembranças de fatos que não ocorreram. A partir dos 20 anos, o processo de aprendizagem de novos tópicos é também mais demorado, e fica cada vez mais difícil realizar tarefas simultâneas quando a atenção se faz necessária - por exemplo, responder a um e-mail enquanto se fala ao telefone. Os especialistas em memória vislumbram sérios desafios para as pessoas que só pretendem deixar de trabalhar depois dos 60 ou 70 anos, quando freqüentemente se torna ainda mais difícil aprender fatos novos, e realizar tarefas múltiplas simultaneamente. Vários estudos tem demonstrado que trabalhar em turnos (trabalhar a noite e dormir de dia) afetam a saúde devido ao desincronismo que se induz no relógio biológico. O problema é ainda maior para os trabalhadores mais idosos, os quais apresentam, em adição, vários decréscimos no seu funcionamento cognitivo do cérebro, particularmente em relação a atenção e a memória. A. Bonnefond e pesquisadores do Centro de Estudos de Fisiologia Aplicada da cidade de Estrasburgo, na França avaliam se a idade está relacionada à complexidade das tarefas, como uma tarefa realizada durante o dia e nas outras tarefas realizadas depois no período de descanso. Assim 24
pessoas (12 juniores: 20-30 anos e 12 seniores: 50-60 anos) realizaram uma tarefa simples (discriminação visual), e depois uma mais complexa (subtração matemática, descendente) durante 3 momentos diferentes num dia, simulando as principais mudanças (manhã, tarde e noite). As análises dos resultados indicaram que o efeito da idade das pessoas, foi evidente, somente nas tarefas complexas, as quais foram exigidos recursos de atenção e de memória. Seniors não tiveram déficit na performance das tarefas simples comparados aos juniores. O efeito durante o dia foi restrito a tarefa fácil para ambos os grupos de idade. Entretanto, algumas estratégias diferenciais apareceram na distinção de juniors e seniors, especialmente durante a noite. Os autores concluem que algumas tarefas cognitivas nas diferentes idades aparentemente estão associadas ao envelhecimento, mas poderiam ser neutralizados por estratégias eficientes, de aprendizado.

 

Percept Mot Skills. 2003 Jun;96(3 Pt 2):1223-36- RAM


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos