Dietas/Emagrecimento - Gordura trans; saiba mais
Esta página já teve 113.905.167 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.870 acessos diários
home | entre em contato
 

Dietas/Emagrecimento

Gordura trans; saiba mais

29/11/2005

 


A gordura trans (ou ácidos graxos trans) é um tipo de gordura insaturada que após sofrer um processo de Hidrogenação Industrial, processo que transforma, através da adição de hidrogênio, vegetais líquidos em gordura sólida à temperatura ambiente, formando a gordura vegetal hidrogenada.adquire uma configuração diferente - a trans - que confere à gordura mudanças na sua estrutura e ação. Atualmente, ela é considerada o pior tipo de gordura, e seu consumo traz diversos malefícios à saúde, sendo mais prejudicial do que a gordura saturada.

Riscos à saúde
Muitos estudos têm demonstrado os efeitos prejudiciais à saúde relacionados ao consumo de gordura trans, tais como a redução do colesterol HDL ou “bom”, e elevação do colesterol LDL ou “ruim”, aumentando os riscos de doenças cardiovasculares, entre outros. A recomendação é evitar ou eliminar esta gordura da dieta, de modo que ela represente no máximo 1% do valor calórico, o que significa cerca de 2,2 gramas de gordura trans em uma dieta de 2000 Kcal por dia.

Onde podemos encontrá-la?
Esta gordura pode ocorrer naturalmente em alguns alimentos como leite e carnes, mas em pouca quantidade, não merecendo nossa atenção.
Devemos nos atentar para a gordura trans que está largamente distribuída em diversos alimentos industrializados, pois se você reparar na embalagem, em muitos produtos encontrará a gordura vegetal hidrogenada, que é um tipo de gordura trans, na lista de ingredientes.


A gordura hidrogenada é obtida através da hidrogenação industrial de óleos vegetais (que são líquidos à temperatura ambiente), formando uma gordura de consistência mais firme. Por suas características, ela melhora a palatabilidade e textura, e aumenta a vida de prateleira dos produtos, por isso é muito utilizada na indústria. A gordura hidrogenada também é usada por redes de fast-food e restaurantes para frituras.
Produtos como margarinas, sorvetes cremosos, biscoitos, bolos, tortas, pães, salgadinhos, pipoca de microondas, bombons, e tudo mais que contenha gordura hidrogenada, são fontes de gordura trans. Não hesite em checar o rótulo dos produtos no supermercado e procurar por ela nos ingredientes.
A partir do 2º semestre de 2006, as empresas serão obrigadas a declarar a quantidade de gordura trans no rótulo, de acordo com a nova resolução da Anvisa (RDC 360/2003). Enquanto isso, alguns produtos já foram reformulados a fim de eliminar essa gordura de sua composição (livres de gordura trans).
 

Sociedade Brasileira de Cardiologia

 

 

Saiba ler as informações dos rótulos de alimentos

Dois minutos de seu dia para ler um rótulo. Esse é o tempo que você precisa investir para começar a cuidar da sua alimentação. Estar de bem com a vida, com os cuidados essenciais para manter a saúde através de uma alimentação saudável. Invista em você!

Observe a seguir o que você deve ler antes de decidir pela escolha de um produto:

* Data de validade e modo de conservação e armazenamento. (ex: sob refrigeração, local fechado, etc).
Fique atento, muitos alimentos têm seu prazo de validade reduzido depois de abertos.

* Lista de ingredientes.
Os ingredientes do produto, eles estão listados em ordem decrescente de peso.

* Informação complementar: a informação nutricional complementar indica alguma propriedade especial do produto e para que possa ser declarada no rótulo obedece a normas específicas estabelecidas pela ANVISA.
Exemplos: “baixo teor de gordura”, “sem colesterol”, “reduzido teor de sódio”, etc.

* Informação nutricional: pode ser declarada em tabela ou por extenso e indica as quantidades de alguns nutrientes presentes em uma porção do alimento. Ou seja, as propriedades nutricionais do produto.

Veja padrão atual de declaração da informação nutricional no rótulo dos alimentos:

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL
 Porção de ___ g/ml (medida caseira)

Quantidade por porção (1)

 

% VD (*)
(14)

Valor Calórico (2)

kcal

 

Carboidratos (3)

g

 

Proteínas (4)

g

 

Gorduras Totais (5)

g

 

Gorduras Saturadas (6)

g

 

Colesterol (7)

mg

 

Fibra Alimentar (8)

g

 

Cálcio (9)

mg

 

Ferro (10)

mg

 

Sódio (11)

mg

 

Outros Minerais (quando for declarado) (12)

mg ou mcg

 

Vitaminas (quando for declarado) (13)

mg ou mcg

 

* Valores Diários de referência com base em uma dieta de 2.500 calorias. (14)

(1) Porção: a informação nutricional é expressa por porção do alimento. O valor da porção para cada tipo de alimento deve ser estabelecido pela nova resolução da ANVISA (RDC 359/2003), que define porção como “a quantidade média do alimento que deveria ser consumida por pessoas sadias, maiores de 36 meses de idade em cada ocasião de consumo, com a finalidade de promover uma alimentação saudável”.

(2) Valor Calórico: ou valor energético representa a quantidade de calorias (Kcal) do alimento. Caloria é uma unidade utilizada para expressar a quantidade de energia produzida pelo alimento no organismo.

(3) Carboidratos: são nutrientes essenciais que fornecem energia. Alguns exemplos de alimentos fontes de carboidratos são: pães, cereais e açúcares.

(4) Proteínas: são nutrientes essenciais com funções estruturais (formação de células, tecidos, etc), reguladoras e de defesa, entre outras. Alguns exemplos de alimentos fontes de proteínas são: carnes, leite e derivados, ovos e leguminosas.

(5) Gorduras Totais: representa a quantidade total de gorduras (todos os tipos) do alimento.

(6) Gorduras Saturadas: esse tipo de gordura possui características que a tornam prejudicial à saúde, pois seu excesso na alimentação pode elevar o colesterol do sangue. Por isso, deve ser consumida em menor quantidade. Algumas das principais fontes são os alimentos de origem animal: carne, leite integral e derivados e ovos, etc.

(7) Colesterol: pode ser considerado um tipo de gordura. É produzido em nosso organismo, e desempenha funções importantes, porém o excesso é prejudicial. Ele está presente em alimentos de origem animal: carnes, leite e derivados e ovos, etc.

(8) Fibra Alimentar: substâncias presentes em vegetais, que não são digeridas e absorvidas pelo nosso intestino, e que desempenham muitas funções importantes no organismo, como a regulação do intestino. Não produzem energia.

(9) Cálcio: mineral muito importante, relacionado principalmente à formação de ossos e dentes. As principais fontes são leite e derivados e vegetais de folhas verde-escuras (couve, escarola, rúcula, brócolis, etc).

(10) Ferro: é um elemento muito importante para o organismo. Está ligado ao pigmento das células vermelhas do sangue e sua carência é uma das principais causas de anemia. As principais fontes são carnes vermelhas e vísceras (mais facilmente absorvido), e vegetais de folhas verde-escuras: couve, escarola, agrião, etc (menos absorvido).

(11) Sódio: envolvido com o controle de líquidos no corpo, entre outras funções. Seu excesso na alimentação pode ser prejudicial à saúde, sendo relacionado com o desenvolvimento da hipertensão (pressão alta). Principal fonte é o sal de cozinha e os alimentos industrializados em geral (conservas, enlatados, embutidos, etc).

(12) Outros Minerais: se o produto apresentar algum outro mineral (ex: potássio) este pode ser declarado.

(13) Vitaminas: se o produto apresentar ou for adicionado de vitamina(s), ela(s) pode(m) ser declarada(s).

(14) % VD: porcentagem do Valor Diário de referência. Existe um valor de ingestão diário recomendado para cada nutriente. Por exemplo: se a % VD declarada no rótulo para ferro é 16%, isso quer dizer que a porção daquele determinado produto contém cerca de 16% da quantidade que recomenda-se ingerir de ferro durante o dia. Quanto ao total de calorias, o porcentagem é baseada em uma dieta de 2500 Kcal por dia.


Veja o que mudou nos rótulos dos alimentos!

 

O que mudou nos rótulos?

Com as novas resoluções da ANVISA (RDC 359 e RDC 360/2003), a declaração da informação nutricional sofreu algumas mudanças e as empresas têm até julho de 2006 para alterarem seus rótulos.

Gordura trans:
será obrigatória a declaração da quantidade de gordura trans no rótulo. É um tipo de gordura formada por um processo de hidrogenação natural ou industrial, que transforma óleos líquidos em gordura sólida à temperatura ambiente. Está presente em muitos alimentos industrializados e pode aparecer em pequena quantidade no leite e na carne.

A hidrogenação industrial de óleos forma a gordura vegetal hidrogenada, um tipo de gordura trans. Esse tipo de gordura é prejudicial à saúde e o consumo excessivo de alimentos que a contêm pode aumentar o colesterol LDL (“ruim”) e diminuir o colesterol HDL (“bom”), aumentando os riscos de doenças do coração.

2000 kcal: O valor diário de referência para energia passará de 2500 para 2000 Kcal diárias. Virá acompanhado da frase “Seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas”.

Colesterol, ferro e cálcio: não será mais obrigatória a declaração da quantidade de colesterol, ferro e cálcio no rótulo.

Sociedade Brasileira de Cardiologia


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos