Diabete/Diabetes - Diabetes e Envelhecimento
Esta página já teve 115.956.377 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.694 acessos diários
home | entre em contato
 

Diabete/Diabetes

Diabetes e Envelhecimento

15/06/2003

O Diabetes Mellitus é uma doença tão antiga que sua origem se confunde com a da própria humanidade. Acomete mais de 10 milhões de brasileiros, porém, mais de 50% não sabem que estão doentes, descobrindo muitas vezes durante um check-up de rotina. A enfermidade evolui de maneira lenta e progressiva, ocorre em ambos os sexos e é determinada por uma alteração no metabolismo, principalmente dos hidratos de carbono (açúcares) pela deficiência de insulina.
O pâncreas, que é uma glândula mista, produz, por meio das células beta das ilhotas de Langehrans, a insulina, hormônio que regula o metabolismo da glicose, permitindo que a glicose penetre no interior das células, reduzindo consequentemente sua quantidade no sangue.
Na sua origem, encontra-se uma importante conotação genética (hereditariedade), admitindo-se que a pessoa predisposta nasce diabética, sendo que a doença pode manifestar-se em algum momento de sua vida, na dependência de vários fatores.

Tipos de diabetes
1. Diabetes insulino dependente - tipo I
É mais rara, correspondendo de 10 a 15% de todos os casos. Geralmente acomete pessoas jovens. Nestes casos, pela auência de células, o pâncreas não produz insulina, sendo necessária a sua reposição como tratamento.
No diabetes tipo I, o próprio organismo destrói as células, como se fossem estranhas (doença auto-imune).

2. Diabetes não insulino dependente - tipo II
Correspondente de 85 a 90% dos casos, sendo mais freqüente em pessoas de meia idade e idoas. Nestes casos, o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente ou o hormônio não é bem aproveitado. Não necessita, na grande maioria das vezes, de insulina para o tratamento.
Parece apresentar importante relação com o processo de envelhecimento, aumentando sua freqüência com a idade. Depois dos 60 anos, cerca de 10% das pessoas são diabéticas, e acima de 85, 25% o são. O diabetes Melitus tipo II pode estar associado a obesidade, hipertensão arterial, hiperlipidemia e doença aterosclerótica (Síndrome plurimetabólica).

3. Diabetes gestacional
Ocorre somente durante a gravidez, em aproximadmente 3% das mulheres.

Reconhecimento da doença
Caracterizam a doença sintomas como boca seca, sede intensa, fome exagerada, perda de peso, diurese excessiva (urina muito), emagrecimento, prurido genital, fraqueza exagerada, maior susceptibilidade a infecções e cicatrização demorada.
O diagnóstico clínico é confirmado pelos exames de laboratório com uma glicemia (dosagem de glicose no sangue) acima de 120 mg% em jejum e acima de 160mg% após a alimentação. Quando a taxa de glicose no sangue ultrapassa a 180mg%, ela passa a ser encontrada na urina (glicossúria).
O diagnóstico precoce e o tratamento correto são de fundamental importância na prevenção das complicações. Estas, podem ser de caráter agudo (emergências diabéticas) e são representadas pela cetoacidose diabética, coma diabético e as crises de hipoglicemia (baixa significativa da glicose no sangue) com repercussão importante, principalmente para o sistema nervoso, que é bastante sensível às baixas de glicose. Já as complicações crônicas afetam sobretudo os sistemas cardiovascular e nervoso.
As alterações vasculares acometem principalmente a retina, podendo levar à cegueira; rins e coração, podendo acelerar a aterosclerose coronariana; vasos periféricos, podendo levar à gangrena em casos avançados, com riscos de amputações. As complicações neurológicas se dão principalmente ao nível das extremidades (neuropatia periférica) e aparelho digestivo (neuropatia autonômica).
As infecções merecem atenção especial, devido a sua freqüência e a dificuldade no seu manuseio. O tratamento sempre é individualizado e orientado por um médico, consiste em dieta, medicação, exercícios físicos, apoio psicológico e educação, fazendo o paciente entender a maneira de como as alterações ocorrem em seu corpo e a maneira de controlá-las.

Se você for diabético:
· É de fundamental importância manter uma excelente relação medico-paciente.
· Procure levar uma vida normal.
· No tratamento da diabetes Melittus, pratique exercícios físicos, sempre com supervisão médica. Os exercícios servem para controlar o peso no caso de diabéticos obesos e melhorar o aproveitamento da insulina.
· Controle o estressse crônico físico e emocional.
· Evite a automedicação, mesmo de remédios caseiros.
· Cuidado com os pés. Examine-os diariamente, use aparelho para examinar a região plantar. Muito cuidado com calos, frieiras, ferimentos e infecções. Não use calçados apertados, não ande sem calçados, mesmo na praia ou piscina. Mantenha as unhas cortadas e banhe os pés diariamente em água morna e não quente, secando-os com toalha macia, principalmente entre os dedos e unhas. Muito cuidado com a bolsa de água quente nos pés. Verifique sempre a cor e a temperatura.
· Se possível, disponha de um glicosímetro, aparelho automático que permite dosar a glicemia em casa ou no trabalho. Auxilia o diagnóstico de uma complicação aguda ou para verificar a glicemia antes de um tratamento odontológico ou de uma cirurgia. Outra maneira é identificar a quantidade de glicose na urina (glicofitas).
· Consulte um oftalmologista no mínimo uma vez ao ano.
· Cuide de sua saúde bucal.
· Não fume. A nicotina acelera o processo de aterosclerose, agravando a circulação do sangue pelo organismo.
· Mantenha o diabetes controlado, com isto estará prevenindo as complicações já citadas, preservando a qualidade de vida.
· Tenha sempre alguma identificação de que é diabético, para receber orientação adequada em caso de emergência fora de casa.
Com o controle adequado, o paciente diabético pode ter vida longa e normal. Siga sempre as orientações do seu médico.

 

(Luiz Bodachne, médico-geriatra do Hospital Universitário Cajuru da PUC, Gazeta do Povo)


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~