Vascular/Cirurgia Vascular/Circulação - Trombose venosa profunda em aviões
Esta página já teve 117.226.656 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.641 acessos diários
home | entre em contato
 

Vascular/Cirurgia Vascular/Circulação

Trombose venosa profunda em aviões

02/01/2006

Nos últimos tempos muito tem sido publicado na imprensa leiga acerca da ocorrência de trombose venosa profunda em passageiros do transporte aéreo.

Abaixo você encontra informações baseadas em dados médicos gerais e sobretudo da compilação feita pelo Seleto Comitê para Ciência e Tecnologia da Câmara dos Lordes Britânica, do qual participaram inúmeras instituições como fabricantes de aeronaves, entidades médicas científicas, empresas aéreas, etc. dentre as quais a VARIG.

Um pouco de fisiologia:

O sangue circula nas artérias devido a força de contração do coração e é distribuído pelos vasos capilares levando oxigênio (O2) e alimento para os diversos tecidos, e recolhendo os detritos desta atividade metabólica, incluindo o gás carbônico (CO2).

O sangue dos capilares é drenado para as veias através das quais o sangue retorna para o coração para ser renovado nos pulmões. As veias dos membros inferiores dispõem de pequenas válvulas de sentido único, o que facilita que o sangue possa chegar até o coração contra a ação da gravidade. Para que isto ocorra é fundamental a ação da musculatura das panturrilhas (batata-da-perna) que ao se contrair “ordenha” essas veias profundas “empurrando” o sangue dentro das veias obrigando-o a subir.

Quando permanecemos sentados e imóveis por muito tempo algumas coisas acontecem:

As veias profundas das pernas podem ser comprimidas pelo peso do nosso próprio corpo contra o assento;
A imobilidade da musculatura das pernas compromete o mecanismo acima mencionado de circulação venosa;
Esta combinação de fatores, sobretudo, quando associada com outros como desidratação, uso de certos medicamentos e mesmo determinada predisposição genética, pode levar à formação de trombos (coágulos) dentro das veias profundas. Esta é a chamada Trombose Venosa Profunda (TVP).

É importante sublinhar que este tipo de problema não é exclusivo do transporte aéreo, ou de alguma classe de viagem, mas sim da imobilidade prolongada, sobretudo em posição sentada.

Termos como “Síndrome do Avião” ou “Síndrome da Classe Econômica” são no mínimo enganosos e não devem continuar a ser empregados.

Fatores predisponentes para a TVP

Os especialistas concordam que os fatores abaixo estão relacionados com o risco de TVP:

• Idade acima de 40 anos;
• Gravidez;
• Câncer atual ou passado;
• Distúrbios sangüíneos que aumentam a coagulabilidade;
• História pessoal ou familiar de TVP;
• Cirurgia ou trauma recente de grande porte, especialmente para os membros inferiores ou abdômen;
• Terapia hormonal com estrogênios, incluindo pílulas anti-concepcionais;
• Imobilização por um dia ou mais;
• Desidratação;
• Insuficiência cardíaca;
• Trauma;
• Veias varicosas;
• Obesidade;
• Tabagismo.

Minimizando a chance de TVP

Passageiros sem fatores de risco (como listados acima):

• Mexa-se no assento, tanto quanto possível, variando sua posição;
• Evite o excesso de álcool ou bebidas ricas em cafeína, antes e durante o vôo;
• Evite a utilização de medicação para dormir;
• Use roupas leves e confortáveis durante o vôo.

Exercite sua musculatura da panturrilha:

Fixe o calcanhar no chão e levante a ponta dos pés:

Fixe a ponta dos pés e levante os calcanhares:

Fixar a ponta do pé e girar o calcanhar:

Passageiros com fatores de risco

Consulte-se com seu médico em caso de qualquer dúvida, para que possa ser considerado:

• O uso de meias elásticas durante o vôo;
• O uso de medicações específicas;
• O risco do vôo para sua condição médica particular;

Portal Varig


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos