Genética/Clonagem/Terapia gênica - Biólogo da USP mapeia os genes do cordão umbilical
Esta página já teve 114.634.728 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.777 acessos diários
home | entre em contato
 

Genética/Clonagem/Terapia gênica

Biólogo da USP mapeia os genes do cordão umbilical

15/02/2006

Um jovem biólogo de São Paulo descobriu por que as células-tronco do cordão umbilical são mais eficientes em transplantes do que as de medula óssea. Rodrigo Alexandre Panepucci, de 30 anos, doutorando na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), encontrou um grupo de genes que seguem um mesmo mecanismo e são mais ativos em células do cordão.

A intenção dele, em seu trabalho de doutorado, é descobrir maneiras potenciais de manipular os genes para obter melhores resultados terapêuticos ou estimular a formação artificial de tecidos. Outra conseqüência indireta de seu trabalho é o fortalecimento de bancos de cordão umbilical, públicos e privados, que já existem no País.

Panepucci trabalhou apenas com as células hematopoiéticas das duas fontes. Elas formam todas as outras células do sangue além de novas células-tronco, mas com diferenças sutis. Seu trabalho ganhou o terceiro lugar no Prêmio Jovem Cientista de 2005, na categoria de alunos graduados.

Diferenças - As que são retiradas da medula óssea se transformam mais rapidamente nas células do sangue que o paciente precisa. Porém, as retiradas do cordão umbilical reconstituem o sistema imunológico de forma mais eficiente, especialmente o repertório de linfócitos T, além de restabelecer melhor o arsenal de novas células-tronco.

Elas também apresentam menor rejeição na hora do transplante - uma vantagem e tanto por causa da dificuldade de se encontrar um doador 100% compatível.

O biólogo foi atrás do motivo. Em 10 mil genes, 400 se expressam mais nas células-tronco de medula óssea e de cordão umbilical, mas um conjunto de 60 genes estão especialmente ativos nas umbilicais.

Ele descobriu que eles têm algo em comum: alvos dos fatores de transcrição, moléculas envolvidas no início do processo que transforma a informação genética em proteína. "Havia alvos transcricionais já conhecidos e outros possivelmente novos", explica.

Semelhanças - Nesse conjunto parece estar a chave da diferença entre as células-tronco das duas fontes, e compreender completamente o mecanismo abre portas para diferentes estratégias. "Conhecer a maquinaria é importante para nortear as pesquisas", afirma Panepucci.

Uma maneira seria a manipulação gênica para que as células retiradas da medula apresentem um grau de rejeição tão baixo quanto às umbilicais.

Não só as pesquisas básicas seriam beneficiadas, mas aquelas em estágio mais avançado também. Um dos desafios atuais de quem testa terapias com células-tronco é manter seu estado "cru", indiferenciado. Muitas vezes, quando retiradas da fonte e mantidas em laboratório, elas começam a se diferenciar e formam as células do sangue antes da hora. "Eventualmente, podemos manipulá-las para acelerar ou evitar a diferenciação."

Estadão


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos