Tabagismo/Fumo/Cigarro - Dependência de tabaco e comorbidade psiquiátrica
Esta página já teve 115.267.898 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.722 acessos diários
home | entre em contato
 

Tabagismo/Fumo/Cigarro

Dependência de tabaco e comorbidade psiquiátrica

02/03/2006
Revista de Psiquiatria Clínica
ISSN 0101-6083 versão impressa

 


Rev. psiquiatr. clín. v.32 n.5 São Paulo set./out. 2005

ARTIGO ORIGINAL

 

Dependência de tabaco e comorbidade psiquiátrica

 

Tobacco dependence and psychiatric comorbity

 

 

André MalbergierI; Hercílio Pereira da Oliveira, Jr.II

IProfessor colaborador médico do Departamento de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq-HC-FMUSP). Coordenador do GREA – Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas e do IPq-HC-FMUSP
IIMédico colaborador do GREA – Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Departamento e Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq-HC-FMUSP)

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A incidência e a prevalência de doenças mentais são maiores nos fumantes do que no restante da população. O tratamento da dependência da nicotina nestes pacientes é difícil. Este estudo tem por objetivo promover uma revisão da associação entre o tabagismo e as doenças psiquiátricas.
MÉTODO: Foi realizada uma revisão seletiva da literatura sobre o tema. Os autores apresentam artigos sobre a associação entre tabagismo e depressão, pânico, esquizofrenia, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), doença de Alzheimer e abuso de substâncias.
RESULTADOS: O tabagismo tem íntima relação com outros transtornos psiquiátricas, especialmente com depressão, esquizofrenia, TDAH e abuso de drogas. Fumar é associado a um maior risco de crises de pânico e são necessários novos estudos de coorte para verificar a hipótese de uma relação inversa entre o consumo de nicotina e desenvolvimento de doença de Alzheimer.
CONCLUSÃO: Há crescente evidência da relação entre o tabagismo e comorbidades psiquiátricas. Outros estudos da associação entre comorbidades psiquiátricas e tabagismo são necessários para melhor compreensão desta relação complexa.

Palavras-chave: Dependência da nicotina, tabagismo, comorbidade psiquiátrica.


ABSTRACT

Smokers have a higher incidence and prevalence of mental illness than the general population. Smoking cessation treatment in this group of patients is difficult. This study aims to provide a review of the association between smoking and psychiatric disorders.
METHOD: A selective review of the relevant clinical literature was conducted. The authors present a review of articles about smoking and depression, panic disorder, schizophrenia, attention-deficit hyperactivity disorder (ADHD), Alzheimer´s disease and substance abuse.
RESULTS: Psychiatric comorbidity is common in smokers, especially depression, schizophrenia, ADHD and drug abuse. Smoking is associated with greater risk of panic attacks, and cohort studies are necessary to investigate the possibility of an inverse relationship between nicotine intake and incidence of Alzheimer´s disease.
CONCLUSION: There is increasing evidence of high rates of psychiatric comorbidity in smokers. Further studies of the association between smoking and psychiatric comorbidity are necessary to understand this complex relationship.

Keywords: Nicotine dependence, smoking, psychiatric comorbidity.


 

 

Introdução

A relação entre a dependência de nicotina e outros transtornos psiquiátricos vêm atraindo interesse crescente desde a última década (Glassman, 1993). O estudo da extensão e das repercussões desta relação tem grande importância para a prática clínica, dada a alta prevalência do consumo do tabaco na população em geral e, ainda, a descrição da prevalência de tabagismo, sensivelmente maior, entre os pacientes psiquiátricos do que no restante da população (Tanskanen, et al., 1997).

A discussão sobre dependência de tabaco e suas comorbidades tem grande importância no contexto atual de tratamento, pois, na medida em que se expande o conhecimento sobre os efeitos deletérios do tabagismo e as possibilidades terapêuticas se multiplicam, o consumo do tabaco tende a se concentrar nas populações acometidas por transtornos psiquiátricos.

Há várias razões para um psiquiatra clínico investigar se seu paciente fuma. Fumar interfere de um modo complexo no humor e a abstinência da nicotina piora – transitoriamente – o humor, a ansiedade e a cognição. Fumar também diminui o efeito terapêutico e aumenta os efeitos colaterais de várias medicações utilizadas na prática psiquiátrica. Tanto o uso quanto a abstinência da nicotina interferem nos principais sistemas de neurotransmissão envolvidos nos transtornos psiquiátricos. Fumar também influencia a relação entre os transtornos psiquiátricos e a mortalidade.

Os estudos reportam prevalências de tabagismo maior em pacientes psiquiátricos (50% a 84%) do que em controles (27% a 58%). Todavia, precisa-se atentar para os possíveis fatores de confusão que possam estar influenciando esta associação. Pacientes psiquiátricos tendem a ter menor nível socioeconômico, a ser solteiros e a usar álcool. Todas estas características já foram associadas ao tabagismo. Mesmo assim, quando se controla estas variáveis, a prevalência de tabagismo ainda se mostra 1,6 vez maior entre portadores de transtornos psiquiátricos do que no grupo controle (Hughes,1986).

A discussão da relação entre o tabagismo e outros transtornos psiquiátricos traz informações importantes para a prática clínica, resultando na produção de orientações que possibilitam condutas mais adequadas nos diversos contextos terapêuticos. O objetivo deste artigo é promover uma revisão da literatura a respeito da relação entre a dependência do tabaco e outros transtornos psiquiátricos como depressão, síndrome do pânico, esquizofrenia, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade(TDAH), doença de Alzheimer e abuso de sustâncias.

 

Método

O procedimento utilizado para esta revisão foi a pesquisa de publicações científicas em um banco de dados informatizado (MEDLINE). A procura de artigos foi realizada a partir da utilização de palavras-chave, sem restrição em relação ao ano de publicação. As palavras utilizadas em relação ao tabagismo foram nicotine dependence e smoking. Durante a pesquisa em relação à depressão, utilizando-se o termo depression, foram encontradas 1.469 referências. Os outros resultados foram 57, 364, 76, 181 e 6.774 no cruzamento respectivo com panic, schizophrenia, attention-deficit hyperactivity disorder e drug abuse. Durante a seleção dos artigos, houve prioridade para a utilização de artigos com perfil experimental, com amostras randomizadas e grupos controle ou revisões sistematizadas. Por uma questão prática, publicações acessíveis pela Internet estão mais representadas.

 

Depressão

O abuso de substâncias tem sido relacionado à ocorrência de episódios depressivos (Dilsaver, 1987a e Bukstein et al., 1989), no entanto, até recentemente, estes achados não diziam respeito à dependência da nicotina. Desde o fim da década de 1970, diversos autores passaram a relacionar o tabagismo e aspectos negativos da afetividade, tais como tensão, ansiedade, irritabilidade, humor e sintomas depressivos em geral (Waal-Manning e Hamel, 1978). Pomerleau et al. (1978) estabeleceram a proposição de que os fumantes com história de sintomas depressivos teriam mais dificuldades para deixar de fumar. Flanagan e Maany (1978) chamaram atenção para a ocorrência de sintomas depressivos em pacientes que realizavam programas de tratamento para o tabagismo. Hughes et al. (1986) verificaram a prevalência de 49% de tabagismo entre pacientes deprimidos em tratamento ambulatorial. Este resultado foi posteriormente replicado em um estudo clínico (Glassman et al., 1988), no qual 61% dos fumantes tinham histórico de transtorno depressivo no passado e este achado diminuía a sua probabilidade de sucesso no tratamento. Posteriormente, foram realizados inquéritos, com base comunitária, que reforçaram a associação entre a depressão e o tabagismo (Frederick et al., 1988 e Perez-Stable et al., 1990).

A constatação da prevalência aumentada de depressão entre os tabagistas motivou estudos que procuravam estabelecer uma relação causal a partir de três hipóteses: (1) O uso da nicotina desencadearia alterações funcionais que resultariam na ocorrência da depressão (Carmody, 1989; Pomerleau e Pomerleau, 1984); (2) Pacientes com sintomas depressivos proeminentes procurariam a nicotina para a obtenção de alívio dos sintomas, o que poderia ser reforçado pela alta prevalência do tabagismo entre estes pacientes e elevada probabilidade de fracasso no tratamento (Anda et al., 1990; Glassman et al., 1990); e (3) A dependência da nicotina e a depressão seriam doenças não relacionadas diretamente entre si, mas provocadas por um fator que as predispõem (Hughes, 1986).

Um estudo (Kendler et al., 1993) com amostra de gêmeos descartou as duas primeiras hipóteses e reforçou a terceira, ou seja, o tabagismo e a depressão estariam ligados a um determinado fator comum, que provavelmente seria de caráter genético. Outro estudo evidencia a importância desta hipótese, ressaltando a participação de fatores sociais e familiares (Ferguson, 1996).

A relação entre tabagismo e depressão tem importância expressiva no contexto do tratamento da dependência da nicotina. Por um lado, há a possibilidade de que a depressão predisponha a recaídas e ao conseqüente fracasso de uma tentativa de parar de fumar; por outro lado, parar de fumar pode facilitar o desenvolvimento de episódios depressivos com sintomas graves. Diversos autores descrevem a probabilidade aumentada de ocorrência de episódios depressivos no período de abstinência da nicotina, sendo maior a possibilidade para pacientes com histórico de episódios depressivos no passado (Bock et al., 1996; Covey et al., 1997). Estudo (Covey et al., 1990) realizado com pacientes em um programa de tratamento para dependência da nicotina evidenciou que 75% dos pacientes com histórico de episódios depressivos no passado desenvolveram sintomas depressivos na primeira semana de tratamento, enquanto apenas 30% dos pacientes sem histórico apresentaram a mesma queixa. A incidência (Killen et al., 2003) de episódios depressivos foi descrita entre 4% e 7% após dez semanas de tratamento com abstinência da nicotina e pode ser relacionada a algumas variáveis sociodemográficas, como ocorrência maior entre as mulheres, probabilidade três vezes aumentada em indivíduos com nível universitário e a probabilidade duas vezes aumentada para indivíduos com início do consumo de cigarros na adolescência (Tsoh et al., 2000). Estudo (Kandel e Davies, 1986) realizado com adolescentes entre 15 e 16 anos mostrou que os sintomas depressivos eram fatores capazes de predizer o consumo de nicotina na idade adulta.

O tipo de tratamento realizado tem influência sobre a ocorrência de episódios depressivos, sendo verificada maior incidência para pacientes realizando terapia de reposição de nicotina em relação aos pacientes fazendo uso de antidepressivos (Tsoh et al., 2000), a despeito dos relatos de melhora de curto prazo dos sintomas depressivos com a utilização da reposição de nicotina (Salín-Pascual et al., 1996).

A presença de sintomas depressivos no início do tratamento da dependência da nicotina mostrou-se bom preditor da abstinência após 12 meses (Vázques e Becoña, 1999), embora uma recente metanálise (Hitsman et al., 2003) não confirmasse o histórico de sintomas depressivos ao longo da vida como fator ligado ao sucesso nas tentativas de tratamento. As evidências fornecidas a partir de estudos recentes sugerem a necessidade do aprofundamento das pesquisas neste campo, pois a elucidação dos mecanismos subjacentes à dependência da nicotina e à depressão pode fornecer elementos fundamentais para a eficácia dos programas de tratamento.

 

Pânico

A presença de sintomas de ansiedade entre tabagistas foi descrita de modo mais sistematizado por meio de um estudo pioneiro (Waal-Manning e Hamel), em 1978. A prevalência de tabagismo entre indivíduos com transtornos de ansiedade foi de 47% (acima da população geral) (Hughes et al., 1986). A associação freqüente foi confirmada por estudo epidemiológico realizado entre adultos jovens (Breslau et al., 1991). Transtornos como pânico e agorafobia têm prevalência aumentada em relação aos outros transtornos de ansiedade (Himle et al., 1988).

O consumo do tabaco pode estar vinculado a conseqüências ruins em pacientes com histórico de quadros de pânico, particularmente com a elevação do risco de doenças cardiovasculares, especialmente entre as mulheres (Hayward et al., 1990). Há relatos do uso da nicotina como uma prática que pacientes consideram útil no controle das crises de pânico (Brodsky, 1985). Esta descrição, provavelmente, é relacionada à percepção de efeitos sedativos da nicotina (Maany et al., 1987), através da mobilização do sistema adrenérgico (Dilsaver, 1987b). Fumantes costumam fumar para aliviar sintomas de abstinência e, assim, associam o ato ao alívio da ansiedade, tendendo a recorrer ao tabaco em situações de estresse.

Estudo (Isensee et al., 2003) comunitário prospectivo realizado recentemente entre adultos jovens evidenciou uma relação unidirecional entre o consumo primário do tabaco e o posterior desenvolvimento de crises de pânico, embora não se descarte a possibilidade, menos freqüente, do desencadeamento do tabagismo de modo secundário em relação aos ataques de pânico.

A relação entre a presença de crises de pânico e o sucesso dos tratamentos para o tabagismo necessita de estudos mais cuidadosos, já que não se observa uma relação clara, como na depressão, entre a presença da comorbidade e o fracasso nas tentativas para abandonar o consumo (Covey et al., 1997). Alguns autores sugerem ainda, a partir da observação da alta prevalência de ex-tabagistas entre pacientes com transtorno do pânico, a possibilidade dos ataques de pânico funcionarem como um fator estimulador da motivação para a mudança de atitude em relação ao consumo do tabaco (Breslau e Klein, 1999).

 

Esquizofrenia

A esquizofrenia mantém estreita relação com a dependência da nicotina. Cerca de 80% dos pacientes com esquizofrenia são fumantes (Hughes et al., 1986). A compreensão dos mecanismos implicados nesta associação é importante, já que o tratamento do tabagismo tem resultados ainda pouco expressivos quanto à probabilidade da manutenção da abstinência da nicotina nestes pacientes. Os resultados do tratamento para dependência de nicotina em pacientes esquizofrênicos são ainda piores que os resultados em pacientes com outros transtornos psiquiátricos (Glassman et al., 1993).

O tabagismo entre os pacientes com esquizofrenia tem maior gravidade quando associado às seguintes características: idade jovem, início precoce dos sintomas, número maior de hospitalizações e doses altas de medicações antipsicóticas (Goff et al., 1992). O padrão de sintomas mais freqüentemente relacionado aos pacientes tabagistas é caracterizado por predominância de sintomas positivos e presença mais discreta de sintomas negativos (Ziedonis et al., 1994).

Estudos descrevem importante relação entre o consumo do tabaco e sintomas extrapiramidais relacionados às medicações neurolépticas. Os sintomas extrapiramidais, geralmente, são amenizados pelo consumo da nicotina (Sandyk, 1993), efeito, provavelmente, relacionado à ação da nicotina no sistema dopaminérgico estriatal (Morens et al., 1995).

O desenvolvimento da discinesia tardia pode estar relacionado com o consumo de cigarros, sendo que existe probabilidade maior de surgimento dos sintomas em pacientes fumantes em relação aos não-fumantes (Yassa et al., 1987).

O modelo atual para o estudo da fisiopatologia da esquizofrenia é fundamentado na existência de diferenças regionais na atividade dopaminérgica (Davis et al., 1991) e sua interação com os sistemas do glutamato e serotonina (Carlsson e Carlsson, 1990). Estudos ressaltam a evidência de neuromodulação dos sistemas de dopamina e glutamato a partir de receptores nicotínicos (Dalack et al., 1998), sugerindo uma possibilidade para o estudo da complexa relação entre a dependência da nicotina e os sintomas da esquizofrenia.

A esquizofrenia tem como características sintomas e prejuízos cognitivos e sociais, que dificultam o acesso e a permanência dos pacientes em programas de tratamento para o tabagismo. No entanto, os pacientes esquizofrênicos têm interesse em deixar de fumar e sua motivação para fazê-lo é similar à população em geral (Addington et al., 1997). Outro estudo (Addington et al., 1998) sugere que a maior dificuldade para o tratamento desta população consiste na manutenção da abstinência, após o período inicial do tratamento.

 

Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade

Diversos estudos (Barkley et al., 1990; Milberger et al., 1997) indicam relação entre o tabagismo e o TDAH. Adultos com TDAH têm maior prevalência de tabagismo e mais dificuldade para aderir a programas de tratamento e conseguir deixar de fumar (Pomerleau et al., 1995). Por outro lado, os pacientes com TDAH tratados de modo adequado apresentaram significativa redução no consumo do tabaco (Conners et al., 1996). A severidade dos sintomas de TDAH foi relacionada diretamente com a gravidade dos sintomas de dependência da nicotina e com início precoce do tabagismo (Riggs et al., 1999). Crianças com 6 anos de idade e com TDAH apresentam risco maior do que crianças sem o transtorno de fumarem aos 11 anos (controlados para sexo, lugar de nascimento e peso ao nascimento).

Os sintomas de TDAH incluem duas dimensões principais: dos sintomas relacionados ao prejuízo da atenção e dos sintomas ligados à impulsividade e hiperatividade. Os estudos realizados indicam predominância na interação do tabagismo com o prejuízo de atenção, sendo que o consumo da nicotina possibilitaria melhoria no desempenho destes pacientes. Para exemplificar, um estudo longitudinal com 177 meninos (idade inicial de 7 a 12 anos) acompanhados até 15 anos, observou que a inclusão de transtorno de conduta na análise da associação entre dependência de nicotina e TDAH não mais gerava significância estatística. Todavia, quando se analisou alguns sintomas de TDAH isoladamente, a desatenção foi associada a risco 2,2 vezes maior para fumar, mesmo controlando-se para o transtorno de conduta (Burke et al., 2001).

A relação entre TDAH e o tabagismo é complexa. Algumas pesquisas questionam a possibilidade de associação independente entre TDAH e o tabagismo (Dierker et al., 2001), ressaltando a necessidade de aprofundamento dos estudos.

 

Doença de Alzheimer

A relação entre a doença de Alzheimer e a dependência da nicotina foi inicialmente descrita como uma associação inversa, ou seja, os fumantes teriam menor predisposição para o desenvolvimento da doença em relação à população em geral (VanDujin e Hofman, 1994). Lee (1994), por meio da revisão de 19 estudos caso-controle, concluiu que o consumo de cigarros em algum período da vida diminuiria a probabilidade de desenvolvimento do Alzheimer, o que foi confirmado em outras revisões (VanDujin et al., 1994).

O aparente efeito protetor do cigarro foi atribuído a algum possível mecanismo neurofisiológico da nicotina (Newhouse et al., 1997). A apolipoproteína E foi investigada como possível mediadora da relação inversa entre Alzheimer e tabagismo, porém os estudos não foram conclusivos (VanDujin et al., 1995).

O possível efeito protetor da nicotina foi entendido por outros autores como produto de um viés causado pela mortalidade precoce entre os fumantes, resultando em uma porcentagem mais alta de pacientes não-fumantes com doença de Alzheimer (Riggs, 1995). Na verdade, estudos recentes de coortes (Ott et al., 1998) sugerem que, ao contrário do que foi sugerido, o tabagismo aumenta, sim, a probabilidade das demências em geral e particularmente da doença de Alzheimer.

De todo modo, Almeida et al. (2002), em uma recente metanálise sobre o tema, ressaltam pontos ainda obscuros no conhecimento da relação entre o tabagismo e a doença de Alzheimer. Uma possibilidade para a elucidação da questão seria a realização de estudos de coorte de proporções maiores.

 

Consumo de substâncias

A dependência da nicotina está relacionada ao aumento do consumo de álcool e outras substâncias (Kao et al., 2000). Estudos apontam que fumantes são mais propensos a consumir bebidas alcoólicas e os indivíduos consumidores do álcool mais propensos a fumar (Covey et al., 1994), trata-se de relação bidirecional e dose_dependente, ou seja, pessoas que fumam também tendem a beber mais e pessoas que bebem, tendem a fumar mais (Itsvan e Matarazzo, 1984).

O consumo do tabaco foi relacionado à maior probabilidade de ocorrência de dependência da cocaína e maconha (Breslau, 1995). Desde a década de 1970, estudos descrevem que o uso de cigarros poderia estar relacionado à facilitação do consumo posterior de outras substâncias, o chamado modelo da "porta de entrada" (Yamaguchi e Kandel, 1984). Este modelo foi reforçado a partir da constatação de que quanto mais jovens os indivíduos têm contato com o cigarro, maior a probabilidade do uso de drogas ilícitas (Kandel e Yamaguchi, 1993).

A freqüência dos cigarros consumidos está diretamente relacionada ao uso de outras drogas, sendo que quantidades maiores aumentam a probabilidade do consumo de outras substâncias. A teoria da "porta de entrada" é contestada por outros autores que entendem o desencadeamento do consumo de múltiplas substâncias como a ocorrência de uma síndrome comum, na qual os adolescentes, além do uso de drogas, teriam também maior predisposição a relações sexuais precoces, ter vários parceiros, envolver-se em brigas, portar armas, deixar a escola e desafiar os pais (Farrell et al., 1992). Outra explicação refere-se ao fato de que o consumo de drogas lícitas, como o tabaco e o álcool, poderia expor os jovens a uma espécie de sub-cultura, o que poderia levá-los, enfim, a utilizar outras drogas (Donovan e Jessor, 1983), teoria que pode ser conciliada com o modelo de "porta de entrada".

Estima-se que a prevalência do consumo de tabaco entre os usuários de drogas ilícitas vinculados a programas de tratamento seja de 75% (Kalman, 1998). Malbergier e Andrade (1999), em estudo realizado no GREA (Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Departamento e Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), observaram que 52% dos usuários de cocaína, que procuravam tratamento, eram também dependentes de nicotina. No entanto, a cessação do uso do cigarro dificilmente é abordada em programas de tratamento (Battjes, 1988), talvez devido à percepção dos profissionais de saúde de que a necessidade imediata é prover auxílio para a dependência da droga ilícita em questão (Goldsmith e Knapp, 1993). Outra idéia aventada seria relacionada à maior probabilidade de recaída, caso o tabagismo fosse tratado de modo concomitante.

Alguns autores (Shoptaw et al., 1996), pelo contrário, questionam se este momento, no qual o indivíduo encontra-se motivado para deixar o uso de substâncias, não seria o mais propício para a abordagem e proposta do tratamento do tabagismo. Estudo recente (Stephenie et al., 2003), realizado por meio do seguimento de um grande número de usuários de drogas ilícitas por um período de 12 meses, sugere que a abordagem do tabagismo durante um programa de tratamento para uma droga ilícita não produz dano e, possivelmente, pode representar benefício para o tratamento de maneira global, o que sinaliza uma possibilidade de integração dos tratamentos.

 

Referências bibliográficas

ADDINGTON, J.; EL-GUEBALY, N.; ADDINGTON, D.; HODGINS, D. - Readiness to stop smoking in schizophrenia. Can J Psychiatry 42:49-52, 1997.

ADDINGTON, J.; EL-GUEBALY, N.; CAMPBELL, W.; HODGINS, D.C.; ADDINGTON, D. - Smoking cessation treatment for patients with schizophrenia. Am J Psychiatry 155:974-6, 1998.

ALMEIDA, O.P.; HULSE, G.K.; LAWRENCE, D.; FLICKER, L. - Smoking as a risk factor for Alzheimer´s disease: contrasting evidence from a systematic review of case-control and cohort studies. Addicton 97:15-28, 2002.

ANDA, R.F.; WILLIAMSON, D.F.; ESCOBEDO, L.G.; MAST, E.E.; GIOVINO, G.A. REMINGTON P.L. - Depression and the dynamics of smoking. JAMA 264:1541-5, 1990.

BARKLEY, R.; FISCHER, M.; EDELBROCK, C.; SMALLISH, L. - The adolescent outcome of hyperactive children diagnosed by research criteria, I: an 8-year prospective follow-up study. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry 29:546-57, 1990.

BATTJES, R.J. - Smoking as an issue in alcohol and drug abuse treatment. Addict Behav 13:230-55, 1988.

BOCK, B.C.; GOLDSTEIN, M.G.; MaARCUS, B.H. - Depression following smoking cessation in women. J Subst Abuse 8:137-44, 1996.

BRESLAU, N. - Psychiatric comorbidity of smoking and nicotine dependence. Bevah Genet 25:95-101, 1995.

BRESLAU, N.; KILBEY, M.M.; ANDRESKI, P. - Nicotine dependence, major depression, and anxiety in young adults. Arch Gen Psychiatry 48:1069-74, 1991.

BRESLAU, N.; KLEIN, D.F. - Smoking and panic attacks: an epidemiologic investigation. Arch Gen Psychiatry 56:1141-7, 1999.

BRODSKY, L. - Can nicotine control panic attacks? Am J Psychiatry 142:524, 1985.

BUKSTEIN, O.G.; BRENT, D.A.; KAMINET, Y. - Comorbidity of substance abuse and other psychiatric disorders in adolescents. Am J Psychiatry 146:1131-41, 1989.

BURKE, D.B.; LOEBER, R.; LAHEY, B.B. - Which aspects of ADHD are associated with tobacco use in early adolescence. J Child Psychol Psychiat 42:493-502, 2001.

CARLSSON, M.; CARLSSON, A. Schizophrenia: a subcortical neurotransmitter imbalance syndrome? Schizophr Bull 16:425-32, 1990.

CARMONDY, T.P. - Affect regulation, nicotine addiction, and smoking cessation. J Psychoactive Drugs 21:331-42, 1989.

CONNERS, C.; LEVIN, E.; SPARROW, E.; HINTON, S.; ERHARDT, D.; MECK, W. - Nicotine and attention in adult attention deficit hyperactivity disorder. Psychopharmacol Bulletin 32:67-73, 1996.

COVEY, L.S.; GLASSMAN, A.H.; STETNER, F. - Depression and depressive symptoms in smoking cessation. Compr Psychiatry 31:350-4, 1990.

COVEY, L.S.; GLASSMAN, A.H.; STETNER, F. - Major depression following smoking cessation. Am J Psychiatry 154:263-5, 1997.

COVEY, L.S.; HUGHES, D.; GLASSMAN, A.; BLAZER, D.; GEORGE, L. - Ever-smoking, quitting, and psychiatric disorders: evidence rom Durham, North Carolina, Epidemiologic Catchment Area. Tob Control 3:222-7, 1994.

DALACK, G.W.; HEALY, D.J.; MEADOR-WOODRUFF, J.H. - Nicotine dependence in schizophrenia: clinical phenomena and laboratory findings. Am J Psychiatry 155:1490-501, 1998.

DAVIS, K.L.; KAHN, R.S.; KO, G.; DAVIDSON, M. - Dopamine in schizophrenia: a review and reconceptualization. Am J Psychiatry 148:1474-86, 1991.

DIERKER, L.; AVENEVOLI, S.; MERIKANGAS, K.; FLAHERTY, B.; STOLAR, M. - Association between psychiatric disorders and the progression of tobacco use behaviors. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry 40:1159-67, 2001.

DILSAVER, S.C. - The pathologies of substance abuse and affective disorders: an integrative model? J Clin Psychopharmacol 7:1-10, 1987a.

DILSAVER, S.C. - Nicotine and panic attacks. Am J Psychiatry;144:1245-6, 1987b.

DONOVAN, J.E.; JESSOR, R. - Problem drinking and the dimension of involvement with drugs: a Guttman scalogram analysis. Am J Public Health 73:543-52, 1983.

FARRELL, A.D.; DANISH, S.J.; HOWARD, C.W. - Relationship between drug use and other problem behaviors in urban adolescents. J Consult Clin Psychol 60:705-12, 1992.

FERGUSON, D.M.; LYNSKEY, M.T.; HORWOOD, J. - Comorbidity between depressive disorders and nicotine dependence in a cohort of 16-year-old. Arch Gen Psychiatry 53:1043-7, 1996.

FLANAGAN, J.; MANNY, Y. - Smoking and depression. Am J Psychiatry 139:541, 1978.

FREDERICK, T.; FRERICHS, R.R.; CLARK, V.A. - Personal health habits and symptoms of depression at the community level. Prev Med 17:173-82, 1988.

GLASSMAN, A.H. - Cigarette smoking: implications for psychiatric ilness. Am J Psychiatry 150:546-53, 1993.

GLASSMAN, A.H.; COVEY, L.S.; DALACK, G.W. et al. - Smoking cessation, clonidine, and vulnerability to nicotine among dependent smokers. Clin Pharmacol Ther 54:670-9, 1993.

GLASSMAN, A.H.; HELZER, J.E.; COVEY, L.S; COTTLER, L.B.; STENTNER, F.; TIPP, J.E.; JOHNSON, J. - Smoking, smoking cessation and major depression. JAMA 264:1546-9, 1990.

GLASSMAN, A.H.; STETNER, F.; WALSH, B.T. et al. - Heavy smokers, smoking cessation, and clonidine: results of a double-blind, randomized trial. JAMA 259:2863-6, 1988.

GOFF, D.C.; HENDERSON, D.C.; AMICO, E. - Cigarette smoking in schizophrenia: relationship to psychopathology and medication side effects. Am J Psychiatry 149:1189-94, 1992.

GOLDSMITH, R.J.; KNAPP, J. - Towards a broader view of recovery. J Subs Abus Treatment 10:107-11, 1993.

HAYWARD, C.; CLARK, D.B.; TAYLOR, C.B. - Panic disorder, anxiety and cardiovascular risk. In: Ballenger JC(ed): Clinical aspects of panic disorder. New York, NY: Wiley-Liss, 99-110, 1990.

HIMLE, J.; THYER. B,A,; FISCHER, D.J. - Prevalence os smoking among anxious outpatients. Phobia Pract Res J 1:25-31, 1988.

HITSMAN, B.; BORRELLI, B.; MCCHARGE, D.E.; SPRING, B.; NIAURA, R. - History of depression and smoking cessation outcome: a meta-analysis. J Cons Clin Psychol 71:557-663, 2003.

HUGHES, J.R. - Genetics of smoking: a brief review. Behav Ther 17:335-45, 1986.

HUGHES, J.R.; HATSUKAMI, D.K.; MICTHELL, J.E.; DHALGREN, L.A. - Prevalence of smoking among psychiatric outpatients. Am J Psychiatry 143:993-7, 1986.

ISENSEE, B.; WITTCHEN, H.U.; STEIN, M.B.; HOFLER, M.; LIEB, R. - Smoking increases the risk of panic: findings from a prospective community study. Arch Gen Psychiatry 60:692-700, 2003.

ITSVAN, J.; MATARAZZO, J. - Tobacco, alcohol and caffeine use: a review of their interrelationships. Psychol Bull 95:301-26, 1984.

KALMAN, D. - Smoking cessation treatment for substance misusers in early recovery: A review of literature and recommendations for practice. Subst Use Mis 33:2021-47, 1998.

KANDEL, D.B.; DAVIES, M. - Adult sequelae of adolescent depressive symptoms. Arch Gen Psychiatry 43:255-62,1986.

KANDEL, D.B.; YAMAGUSHI, K. - From beer to crack: developmental patterns of drug involvement. Am J Public Health 83:851-5, 1993.

KAO, T.; SCHENEIDER, S.; HOFMAN, K. - Co-occurrence of alcohol, smokeless tobacco, cigarette, and ilicit drug use by lower ranking military personel. Addict Behav 23:253-62, 2000.

KENDLER, K.S.; NEALE, M.C.; MCLEAN, C.J.; HEALTH, A.C.; EAVES, L.J.; KESSLER, R.C. - Smoking and major depression: a causal analysis. Arch Gen Psychiatry 27:300-404, 1993.

KILLEN, J.D.; FORTMANN, S.P.; SCHATZBERG, A.; HAYWARD, C.; VARADY, A. - Onset of major depression during treatment for nicotine dependence. Addict Behav 28:462-70, 2003.

LEE, P.N. - Smoking and Alzheimer´s disease: a review of the epidemiological evidence. Neuroepidemiology 13:131-44, 1994.

MAANY, I.; WOODY, G.; FOUKS, E. - Nicotine and panic attacks. Am J Psychiatry 144:255, 1987.

MALBERGIER, A.; ANDRADE, A.G. - Transtornos depressivos em usuários de drogas injetáveis infectados pelo HIV: um estudo controlado. Rev Bras Psiq, 21(4), 217-24, 1999.

MILBERGER, S.; BIEDERMAN, J.; FARAONE, S.; CHEN, L.; JONES, J. - ADHD is associated with early initiation of cigarette smoking in children and adolescents. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry 36:37-44, 1997.

MORENS, D.M.; GRANDINETTI, A.; REED, D.; WHITE, L.R.; ROSS, G.W. - Cigarette smoking and protection from Parkinson's disease: false association or etiological clue? Neurology. 54:1041-5, 1995.

NEWHOUSE, P.A.; POTTER, A.; LEVIN, E.D. - Nicotinic system involvement in Alzheimer´s and Parkinson´s disease. Drugs and Ageing 11:206-28, 1997.

OTT, A.; SLOOTER, A.J.; HOFMANM A.; VANHARSKAMP, J.C.; WITTEMAN, J.C.; VANBROECKHOVEN, C. - Smoking and risk of dementia and Alzheimer´s disease in a population-based cohort study:the Rotterdam Study. Lancet 351:1840-3, 1998.

PEREZ-STABLE, E.J.; MARIN, G.; MARIN, B.V.; KATZ, M.H. - Depressive symtoms and cigarrete smoking among Latinos in San Francisco. Am J Public Health 80:1500-2, 1990.

POMERLEAU, O.; DOWNEY, K.; STELSON, F.; POMERLEAU, C. - Cigarette smoking in adults patients diagnosed with attention deficit hyperactivity disorder. J Subst Abuse 7:373-8, 1995.

POMERLEAU, O.F.; ADKINS, D.; PERTSHUK, M. - Predictors of outcome and recidivism in smoking cessation treatment. Addict Behav 3:65-70, 1978.

POMERLEAU. O.F.; POMERLEAU, C.S. - Neuroregulators and the reinforcement of smoking: towards a biobehavioral explanation. Neurosci Biobehav Rev 8:503-13, 1984.

RIGGS, J.E. - Smoking and Alzheimer´s disease: protective effect or differential survival bias? Lancet 342:793-4, 1995.

RIGGS, P.; MIKULICH, S.; WHITMORE, E.; CROWLEY, T. - Relationship of ADHD, depression, and non-tobacco substance use disorders to nicotine dependence in substance-dependent delinquents. Drug Alcohol Depend 54:195-205, 1999.

SALÍN-PASCUAL, R.J.; ROSAS, M.; JIMENEZ-GENCHI, A.; RIVERA-MEZA, B.L.; DELGADO-PARA, V. - Atidepressant effect of transdermal nicotine patches in nonsmoking patients with major depression. J Clin Psychiatry 57:387-9, 1996.

SANDYK, R. - Cigarette smoking: effects on cognitive functions and drug-induced parkinsonism in chronic schizophrenia. Int J Neurosci 70:193-7, 1993.

SHOPTAW, S.; JARVIK, M.E.; LING, W.; RAWSON R.A. - Contingency management for tobacco smoking in drug-abusing clients. Addict Behav 21:409-12, 1996.

STEPHANIE, C.L.; FRIEDMANN, P.D.; STEIN, M.D. - The impact of smoking cessation on drug abuse treatment outcome. Addict Behav 28:1323-31, 2003.

TANSKANEN, A.; VIINAMÄKI, H.; KOIVUMAA-HONKANEN, H.; JÄÄSKELÄINEN, P.; LEHTONEN, J. - Smoking among psychiatric patients. Eur J Psychiat 11:179-88, 1997.

TSOH, J.Y.; HUMFLEET, J.F.; MUNÕZ, R.F.; REUS, V.I.; HARTZ, D.T.; HALL, S.M. - Development of major depression after treatment for smoking cessation. Am J Psychiatry 157:368-74, 2000.

VANDUJIN, C.M.; CLAYTON, D.G.; CHANDRA, V.; FRATIGLIONI, L.; GRAVES, A.B.; HEYMAN, A. - Interaction between genetic and environmental risk factors for Alzheimer´s disease: a reanalysis of case-control studies. Genetics Epidemiology 11:539-51, 1994.

VANDUJIN, C.M.; HAVEKS, L.M.; VANBOECKHOVEN, C.; KNIJIFF, P.; HOFMAN, A. - Apolipoprotein E genotype and association between smoking and early onset Alzheimer´s disease. British Medical Journal 310:627-31, 1995.

VANDUJIN, C.M.; HOFMAN, A. - A relation between nicotine intake and Alzheimer´s disease. Brtitish Medical Journal 302:1491-4, 1991.

VÁZQUES, F.; BECOÑA, E. - Depression and smoking in a smoking cessation program. J Affect Disorders 55:125-32, 1999.

WAAL-MANNING, H.J.; DE HAMEL, F.A. - Smoking habit and psychometric scores: a community study. N Z Med J 88:188-91, 1978.

YAMAGUCHI, K.; KANDEL, D.B. - Patterns of drug use from adolescence to young adulthood: III. Predictors of progression. Am J Public Health 74:673-81, 1984.

YASSA, R.; LAL, S.; KORPASSY, A.; ALLY, J. - Nicotine exposure and tardive dyskinesia. Biol Psychiatry 22:67-72, 1987.

ZIEDONIS, D.M.; KOSTEN, T.R.; GLAZER, W.M.; FRANCES, R.J. - Nicotine dependence and schizophrenia. Hosp Community Psychiatry 45:204-6, 1994.

 

 

Endereço para correspondência:
GREA –IPq–HC–FMUSP
Rua Dr. Ovídio Pires de Campos, 785
05403-010 – São Paulo – SP

Recebido: 19/10/2005 - Aceito: 26/10/2005

 

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832005000500005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
kill yourself rogue.