Neurologia/Neurociências - Leia sobre os neurotransmissores e neuromoduladores
Esta página já teve 129.885.195 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 25.041 acessos diários
home | entre em contato
 

Neurologia/Neurociências

Leia sobre os neurotransmissores e neuromoduladores

23/07/2006
 
 
 

   

            Os neurotransmissores são moléculas pequenas que na sua maioria são derivados de precursores de proteínas, eles são encontrados geralmente em vesículas pré-sinápticas neuronais. Os neurotransmissores são liberados na fenda sináptica e captados por terminais pós-sinápticos (por meio de receptores localizados na membrana pós-sináptica) quando da passagem do impulso nervoso de uma célula para outra, o que chamamos de transmissão sináptica.  De acordo com a propriedade funcional do neurotransmissor e do terminal pós-sináptico, os neurotransmissores são conhecidos por promovem respostas excitatórias ou inibitórias entre neurônios que se comunicam por sinapses químicas.

 

Existem  vários tipos de    N E U R O T R A N S M I S S O R E S :

 

             Diferentes tipos de células secretam diferentes neurotransmissores:

 

     >>>  Acetilcolina (ACh)

              Neuromediador envolvido em muitos comportamentos, bem com atenção, aprendizado e memória:

          - Movimento -  os movimentos de nossos músculos são promovidos pela liberação da acetilcolina dos neurônios colinérgicos para as fibras musculares.

        - Sono REM -  durante a fase de sono profundo (sono REM), a acetilcolina é liberada da ponte.

         - Aprendizado e memória – em animais de laboratório, ao bloquear a liberação da acetilcolina, cria-se um déficit no aprendizagem e memória.  Em alguns casos a colina (somente) é sugerida facilitar o processo de aprendizado e memória.

        - Doença de Alzheimer- está associada, em 90% dos casos, com perda de neurônios colinérgicos no prosencéfalo basal e hipocampo.

 

 

     >>>  Serotonina (5HT):

             Neurotransmissor que possui interferências no humor, na ansiedade e na agressão.

         - Desordens de humor - a diminuição da liberação de serotonina no sistema nervoso central está associada a desordens de humor e depressão.  Costuma-se tratar esses pacientes com medicamento que bloqueiam a recaptação da serotonina para o terminal pré-sináptico (ex. fluoxetina, o Prozac).

           - Desordem obsessiva compulsiva - associada a redução nos níveis de serotonina no sistema nervoso central, é geralmente tratada por meio da inibição da recaptação da serotonina.

          - Apetite – é reduzido por drogas que elevam a serotonina no encéfalo (geralmente amina)

          - Comportamento agressivo e suicídio -  tem sido associado a reduzidos níveis de serotonina no encéfalo

           - Latência de sono – a latência de sono (tempo que a pessoa levar para dormir) é diminuída com “triptofano”, um aminoácido necessário para a síntese de serotonina. Esse dado sugere que a serotonina pode ter um papel importante na indução do sono.

             Obs.: O leite é rico em triptofano, o que sugere que um copo de leite antes de dormir pode facilitar o sono.

          - Percepção -  as sinapses serotoninérgicas estão presentes no córtex cerebral e estão envolvidas nos processos de percepção.

 

 

     >>>  Dopamina (DA):

             Controla níveis de estimulação e controle motor em muitas areas encefálicas. Quando os níveis de dopamina estão extremamente baixos os pacientes são incapazes de se mover voluntariamente.

         -Doença de Parkinson - acontece devido degeneração de neurônios dopaminérgicos oriundos da substância negra, que enviam as suas projeções para o estriado, o qual está envolvido no controle motor do movimento. A doença de Parkinson é tratada com L-DOPA, o precussor da dopamina no encéfalo.

            - Esquizofrenia - é uma patologia causada pelo excesso de dopamina liberada para o terminal pós-sináptico.  Há a hipótese que existe uma excessiva estimulação dopaminérgica no lobo frontal (causado talvez pela ativação de gens)  É tratada por drogas que bloqueiam a ligação da dopamina no receptor pós-sináptico.

 

 

     >>>  Noradrenalina (NA):

              Esse neurotransmissor está relacionado a excitação físico e mental, bem como é conhecido por promover o bom humor. É produzido no locus coeruleos e atua como mediador dos batimentos cardíacos, pressão sanguínea, conversão de glicogênio em energia e outros. 

         - Atenção e alerta -  a liberação da noradrenalina facilita a atenção e o alerta durante o dia.  Durante o sono REM os níveis de noradrenalina estão reduzidos;

      - Estresse -  Nos estresse “crônico”, verifica-se redução na liberação da noradrenalina. Porém, no estresse “agudo” a noradrenalina é liberada da glândula adrenal e atua na amplificação do sistema nervoso simpático.

          - Humor -  a depressão por redução na captação de noradrenalina pode ser tratada com algumas drogas que evitam a sua recaptação

        - Aprendizado e memória -  a noradrenalina é importante nos processos de aprendizado e memória.

 

   

     >>>  Ácido Gama Amino Butírico (GABA):

           É o principal neurotransmissor inibitório do encéfalo.  O processo inibitório ocorre quando o GABA se liga ao receptor, permitindo dessa forma a entrada de Cloro para dentro da célula. Responsável pela sintonia fina e coordenação dos movimentos entres outros.

          -Há hipóteses que a deficiência de GABA leva a algumas formas de Esquizofrenia.  Nesse sentido a deficiência da inibição GABAérgica seria o distúrbio primário para a atividade estriatal dopaminérgica excessiva no transtorno. Droga como o Valium, ressalta o efeito do GABA na sinapse. Outros neurotransmissores inibidores são a glicina e a taurina.

   

     >>>  Glutamato

            O glutamato é o principal neurotransmissor do encéfalo.  A atuação do glutamato é fundamental no processo de memória.  Curiosamente, o glutamato também está envolvido no processo de suicídio celular, uma vez que o excesso de glutamato é neurotóxico e mata a célula por excesso de influxo de Cálcio.

         - A Doença do Lou Gherig (ALS), doença em que o glutamato é produzido em grande quantidade, causa morte neuronal da medula espinhal e do tronco cerebral.

 

 

     >>>  Peptídios

            Endorfinas / encefalinas - são neurotransmissores peptídicos opiáceos endógenos  capazes de modular a dor e reduzir o estresse. São encontrados em vários locais no encéfalo (sistema límbico, mesencéfalo).  Eles também são produzidos por glândulas pituitárias e liberados como hormônios e envolvidos na redução da dor,  pressão (eles aumentam a produção de dopamina) e hibernação.

         Todos os opiáceos (endógenos ou sintéticos) alteram o comportamento porque agem nos receptores de encefalina do encéfalo.

         - Substância P- é um dos neurotransmissores que mediam a experiência de dor.  É encontrado em toda via da dor e sua liberação pode ser bloqueada pela encefalina.

      - Neuropeptidio Y / Polipeptídio YY: - NPY e PPYY, são neurotransmissores encontrados no hipotálamo, particularmente no núcleo paraventricular.  São correlacionados com distúrbios de apetite, podendo levar a excessiva ingesta de comida e armazenamento de gordura

 

 

http://www.unifesp.br/dfisio/fisioneuro/ciencias.htm


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos