Vascular/Cirurgia Vascular/Circulação - Uso de endoprótese no tratamento de lesões não-oclusivas do território ilíaco
Esta página já teve 111.018.623 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.775 acessos diários
home | entre em contato
 

Vascular/Cirurgia Vascular/Circulação

Uso de endoprótese no tratamento de lesões não-oclusivas do território ilíaco

20/09/2006

Resumo

MERTENS, Renato, KRAMER, Albrecht, VALDES, Francisco et al. . J. vasc. bras., jun. 2006, vol.5, no.2, p.89-94. ISSN 1677-5449.

OBJETIVO: A cirurgia endovascular se estabeleceu como opção eficaz no tratamento da doença oclusiva aterosclerótica das artérias ilíacas. Entretanto, o uso desses procedimentos para tratar outros tipos de lesão ainda não foi bem estudado. Nosso objetivo é analisar indicações e resultados do uso de endoprótese em lesões ilíacas não-oclusivas. MATERIAL E MÉTODOS: Revisamos retrospectivamente os registros de 14 pacientes consecutivos, todos homens, com idade média de 61,6 anos (faixa: 25-80 anos), tratados por via endovascular entre 2001 e 2006 por lesões ilíacas não-oclusivas. O estudo pré e pós-operatório incluiu tomografia computadorizada. O procedimento foi realizado em bloco cirúrgico, utilizando um angiógrafo digital. Foi utilizado acesso femoral, com a inserção de endopróteses tubulares. RESULTADOS: Em 11 pacientes, houve embolização de artéria hipogástrica ipsilateral associada. As patologias tratadas foram: oito aneurismas ateroscleróticos, 3 dissecções, 2 lesões traumáticas e um pseudo-aneurisma anastomótico. A comorbidade mais freqüente foi hipertensão, em 43% dos casos. Não houve mortalidade operatória. Um paciente apresentou um pseudo-aneurisma femoral tratado com compressão. Um paciente tratado por fístula arteriovenosa traumática em nível ilíaco teve sua insuficiência cardíaca resolvida, com persistência assintomática de mínimo fluxo. A estada pós-operatória foi de 3 dias (média). Não se apresentaram outras endofugas inciais ou tardias. Durante um acompanhamento médio de 20,5 meses (faixa de 1 a 49 meses), um paciente morreu de câncer e nenhum requereu procedimentos complementares. CONCLUSÃO: O tratamento endovascular de lesões ilíacas através de endoprótese é seguro e permite um resultado durável no manejo de um amplo espectro de patologias.

Palavras-chave: Artéria ilíaca; endoprótese; endovascular; aneurisma.

        · resumo em espanhol     · texto em espanhol     · pdf em espanhol


 

 Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1677-54492006000200003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos