Medicina Esportiva/Atividade Física - Dor na perna e tornozelo em esportistas
Esta página já teve 110.892.386 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.765 acessos diários
home | entre em contato
 

Medicina Esportiva/Atividade Física

Dor na perna e tornozelo em esportistas

16/11/2007

 


 

Jogadores de futebol, corredores de longa distância e esportistas em geral podem apresentar dores crônicas na região da perna e tornozelo. Estas dores podem representar lesões que surgiram pela prática do esporte, seja durante uma competição ou treinamento.

As lesões podem ser consideradas agudas ou crônicas. As primeiras surgem de um trauma repentino, por contusão, entorse, etc. As crônicas podem surgir de sobrecarga no sistema músculo-esquelético. Jogadores de futebol e demais esportistas devem procurar um ortopedista da área para receber tratamento especializado adequado. Para um retorno breve ao esporte, o diagnóstico tem que ser o mais preciso possível, porque cada lesão tem um tipo diferente de tratamento.

Dependendo da suspeita diagnóstica, o ortopedista poderá solicitar ao paciente que este faça exames de imagem. Geralmente esta pesquisa começa com uma radiografia simples da região, nas incidências frente e perfil. A seguir, não é raro que os pacientes necessitem de ultra-sonografia, tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

Entretanto, nem sempre o diagnóstico diferencial nestes atletas é feito com facilidade. Isso ocorre, entre alguns motivos, porque na região da perna e tornozelo há uma grande variedade de estruturas, algumas delas dividindo quase o mesmo espaço, e causando sintomas muito semelhantes. É numa situação como essa que a radiologia mostra todo o seu potencial.

Os exames de diagnóstico por imagem, realizados por um radiologista músculo-esquelético especializado em lesões esportivas, irão auxiliar o ortopedista a definir o tipo da lesão e o seu local exato. Essas lesões podem ser osteo-articulares (fraturas agudas, fraturas por estresse, lesões osteocondrais, lesões ligamentares, artropatias) ou mio-tendinosas (lesões musculares e tendinopatias).

Exemplos de lesões que podem causar dificuldade diagnóstica não faltam: fratura por estresse na tíbia, que pode ser confundida com tendinopatias da perna/tornozelo, como a dos tendões tibial anterior ou posterior e a do tendão calcâneo; fratura por estresse do calcâneo pode ter sintomas muito parecidos com a fasceíte plantar, uma inflamação crônica na região da planta do pé; lesões osteo-condrais no tornozelo, que comprometem a superfície de cartilagem e o osso abaixo dela, podem ser "encobertas" por sintomas de lesão ligamentar crônica, após entorses. Enquanto que as radiografias podem não diferenciar estas lesões, uma ressonância magnética poderá com facilidade definir se a lesão é no osso, na cartilagem ou num tendão.

Ao fazer um exame de imagem, pode-se obter não só a definição da estrutura anatômica lesada e o grau da lesão, como também informações importantíssimas sobre o tempo dela, o mecanismo que a produziu e a presença de eventuais lesões associadas. Isso tudo é de fundamental importância porque cada lesão merece um tipo diferente de tratamento.

Dessa forma, atletas que necessitam um retorno rápido ao esporte têm à sua disposição exames especializados que produzem um diagnóstico precoce, permitindo início imediato do tratamento específico e que também são úteis no seu acompanhamento.

 

 

Fonte:

http://www.milton.com.br/esporte/saiba_mais/texto_7.htm

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos