Receitas Kasher/Cozinha Judaica - Considerações sobre a alimentação kasher
Esta página já teve 115.696.293 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.705 acessos diários
home | entre em contato
 

Receitas Kasher/Cozinha Judaica

Considerações sobre a alimentação kasher

04/03/2008

Olá Dra. Shirley,

Após ter lido a publicação "Receitas Kasher - Alimentação kasher" em 30/05/2004, notei alguns pontos que talvez tenham outras explicações:

 

  • A transliteração correta da palavra designada para alimentos "não kasher" é "treif";
  • Os animais mamíferos que são considerados "kasher" (próprios para o consumo) devem ter o casco das patas fendido em dois e serem obrigatoriamente ruminantes (que possuem rúmem, um primeiro estômago que auxilia na digestão da celulose dos vegetais). Além disso, o abate deve ser feito de uma maneira rápida, segura e higiênica, utilizando uma faca grande e bem afiada na jugular a fim de evitar que o animal sofra com a dor. Em seguida, o "shochet" (judeu religioso que realiza o abate) deve verificar se os pulmões estão saudáveis e ter cuidado com o corte, pois as peças de filé mignon e picanha são do traseiro onde localiza-se o nervo ciático que deve ser delicadamente retirado (caso não seja possível fazer a retirada deste nervo, estas peças ficam impróprias para consumo e assim tornam treif);
  • O sangue representa a alma dos seres vivos e junto com ela todos os instintos que ele possuía. Por isso, deve-se retirar todo o sangue do animal;
  • O tempo de digestão da carne pode variar dependendo da quantidade e de acordo com a quantidade de gordura de no mínimo 6 a 8 horas até que ocorra o esvaziamento gástrico. No caso do leite e derivados, também depende da quantidade de gordura, quanto mais amarelado mais gorduroso, que pode demorar até 6 horas até que a digestão se complete, então, os laticínios de mais rápida digestão são o queijo branco minas, cream cheese, leite e iogurte desnatado que leval 1 hora para digerirem por completo;
  • Quanto as aves, o grupo das aves proibidas é de avestruz, kiwi, papagaio e aves de rapina como a ágia e o falcão, pois para ser kasher, não devem possuir patas em forma de garra nem devem se alimentar com as patas, devem “bicar”o alimento diretamente do chão e seu estômago deve possuir uma membrana que só serve para digerir trigo e amido, impedindo a ingestão de carne.. Entretanto, o pombo é considerado kasher assim como uma espécie de gafanhotos. Sobre o método de abate, segue da mesma forma que os bovinos;
  • Os peixes não precisam ser "kasherizados", pois não é necessário realizar o abate, bastando retirá-los da água, portanto, não há restrições quanto à ingestão de sangue de peixe, inclusive existem peixes que possuem sangue azul.

 

Obs.: Para qualquer alimento treif que se misturar ao alimento kasher, só é permitido se alimentar caso a proporção esteja de 1 parte de treif para 60 de kasher (1/60).

 

 

Segue abaixo as referências utilizadas:

  • DAYAN, E. Casher na Prática. São Paulo. Ed. Sefer. p. 27,31,45,63,72. 2006
  • BONDER, N. A Cabala: da Comida, do Dinheiro e da Inveja. 2ª Ed. p.68. 1999

 

 

Espero poder ter sido esclarecedor sobre esse assunto,

Cordialmente,

Dr. Daniel Enkin

Nutricionista

 

nutrimaskavo@hotmail.com

dr_danielenkin@hotmail.com

 
 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~