Infecto-contagiosas/Epidemias - Sobe para 47 o número de mortos por dengue no RJ
Esta página já teve 114.634.710 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.777 acessos diários
home | entre em contato
 

Infecto-contagiosas/Epidemias

Sobe para 47 o número de mortos por dengue no RJ

20/03/2008

20/3/2008
imagem transparente

Segundo relatório, entre janeiro e março, já foram notificados 32.615 casos no estado.
Médicos querem processar governos por omissão e negligência no combate à doença.

No dia em que os médicos anunciaram que vão entrar com um processo na Justiça contra a prefeitura, governo do estado e união, por omissão e negligência no que se refere ao combate da dengue no Rio, a Secretaria estadual de Saúde informou que a doença já matou 47 pessoas em todo o estado, somente em 2008.

 Segundo relatório, entre janeiro e março, já foram notificados 32.615 casos no estado. Em menos de três meses, o número de mortes por causa da doença já é quase a metade do registrado em 2007.

 Na quarta-feira anterior (12), a secretaria havia divulgado que a doença já havia causado 33 mortes no estado. Na ocasião, eram 23.294 casos registrados.

 Além da cidade do Rio de Janeiro, que já confirmou 20.269 casos neste ano, os municípios com os maiores números de dengue são: Nova Iguaçu (2.282), na Baixada Fluminense, Angra dos Reis (2.100), na Região Sul Fluminense, Campos (1.957), no Norte Fluminense,  e Duque de Caxias (888), também na Baixada.

Só na cidade do Rio, este ano foram registradas pela Secretaria municipal de Saúde 29 mortes até a última terça-feira (18).

  Médicos x poder público

Para o presidente do Sindicato dos Médicos do Estado do Rio de Janeiro (Sindimed), Jorge Darze, o poder público é o principal responsável pela epidemia da doença no estado. Os médicos devem entrar com o processo até a próxima segunda-feira (24).

 "Está caracterizado que estamos vivendo no Rio um quadro grave de epidemia de dengue pelo grande número de casos notificados e que já não estão mais concentrados neste ou naquele lugar. 'Também muito nos preocupa que o estado viva até hoje dentro de um estado de calamidade pública na saúde, que foi reconhecido pelo presidente da república em 2005", disse Darze.

Segundo o médico, o que se configura atualmente no Rio é um crime sanitário, onde o poder público por sua inoperância contribuiu para agravar a situação da população e, conseqüentemente, aumenta o índice de letalidade da doença.

  TJ condena governos municipal e estadual

Em decisão inédita, a 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça deu ganho de causa nesta quarta-feira à família de uma menina de 13 anos que morreu de dengue na epidemia de 2002, quando 64 pessoas morreram. A Prefeitura do Rio e o estado foram condenados a pagar R$ 30 mil de indenização.

A Justiça entendeu que as autoridades foram omissas no combate à doença. A família da vítima foi derrotada na decisão em primeira instância e recorreu. O município e o estado também podem apresentar recursos.

A procuradoria do município não quis comentar a decisão. A procuradoria do estado ainda não disse que medida pretende tomar.

 Ministro determinou a montagem de um gabinete de crise no Rio

  Saiba como evitar o contágio da dengue

Um dos fatores que pode evitar mortes é o diagnóstico precoce, sobretudo de dengue hemorrágica. A infectologista Patrícia Brasil, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) alerta: aos primeiros sintomas, procure um médico o mais rapidamente possível. E informa que as pessoas devem estar atentas com pequenos cuidados para evitar a doença.

Os chamados sintomas de alarme são:
dores abdominais,

vômitos freqüentes,
tonteira,
falta de ar,
sonolência,
febre alta e sangramento.

Fonte: G1 Notícias


Portal do Consumidor

 

www.portaldoconsumidor.com.br

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos