Infecto-contagiosas/Epidemias - Epidemia de dengue causa 25% mais mortes do que em 2002
Esta página já teve 110.779.095 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.764 acessos diários
home | entre em contato
 

Infecto-contagiosas/Epidemias

Epidemia de dengue causa 25% mais mortes do que em 2002

06/04/2008
Brasil/Epidemia de dengue causa 25% mais mortes do que em 2002
 
Contaminação por tipo agressivo da doença pode ser o motivo do aumento de óbitos no Rio de Janeiro

 
 

SÃO PAULO - O Rio de Janeiro enfrenta a segunda epidemia de dengue em seis anos. Na primeira, em 2002, até 27 de março a doença havia infectado 120 mil pessoas e matado 43. Neste ano, até a mesma data, havia 53 mil doentes – 56% a menos do que há seis anos –, mas 54 pessoas já tinham morrido – 25% a mais do que em 2002. A proporção, que era de uma morte para 2.790 doentes há seis anos, passou a um óbito para cada 981 doentes, hoje. O que mudou? O principal problema, segundo os médicos, é o tipo de infecção. A dengue pode ser clássica ou hemorrágica -– esta é muito mais perigosa.

Existem quatro subtipos de vírus da dengue e cada pessoa só é contaminada uma vez por cada um. A primeira infecção costuma ser do tipo clássico e muitas vezes nem é percebida pelo paciente – os sintomas, como febre, mal-estar, fraqueza e dores pelo corpo, podem ser confundidos e tratados como gripe. Na segunda contaminação, o risco de hemorragia é grande. Tudo porque, em meio à luta do vírus contra os anticorpos que o doente desenvolveu na primeira contaminação, o organismo produz substâncias químicas que causam sangramentos.

Os sintomas são semelhantes, mas a desidratação é mais intensa, a pressão costuma cair, o doente geralmente fica com lábios roxos e sofre sangramentos. Se não tratar rapidamente, ele pode morrer. “O essencial é ir ao hospital assim que perceber sintomas que possam ser de dengue”, alerta o médico Afonso Viviane, coordenador da superintendência de controle de endemias da Secretaria de Estado da Saúde. A hidratação é fundamental. “O doente precisa tomar muito líquido”, recomenda Fernando Noboru Miyake, clínico geral do Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa de Santo André (ABC).

Para se proteger do mosquito, uma dica é usar repelente, mas o essencial é combater criadouros do mosquito transmissor, o Aedes aegypti. “Muita gente acha que está livre do mosquito porque seu quintal é limpo. Mas, se houver um foco no quintal do vizinho, ele pode ser contaminado do mesmo jeito”, alerta Miyake. O mosquito só se torna transmissor da dengue após picar uma pessoa contaminada. (Folhapress)

 

Fonte:

 

http://www.correiodabahia.com.br/poder/noticia.asp?codigo=150619

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos