Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca - A endocardite Infecciosa
Esta página já teve 114.087.693 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.847 acessos diários
home | entre em contato
 

Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca

A endocardite Infecciosa

07/05/2008

 

Em quem e como fazer a prevenção

Endocardite infecciosa é uma doença grave, que resulta usualmente da invasão de microorganismos (bactéria ou fungo) em tecido endocárdico ou material protético do coração.

Havendo oportunidade para bacteremia, como por exemplo, a manipulação dentária em portadores de valvopatia, pode ocorrer colonização pela aderência do microorganismo na valva deformada.

Uma vez confirmado o diagnóstico de endocardite infecciosa, para o tratamento adequado é necessário manter o paciente internado por um longo período (pelo menos um mês), em uso de antibióticos endovenoso em altas doses. Em decorrência da alta mortalidade em torno de 25% , devemos ficar atentos às complicações clínicas possíveis, como agravamento da lesão valvar pré-existente, insuficiência cardíaca, embolias sépticas sistêmicas, insuficiência renal e em 35% dos casos há necessidade de cirurgia cardíaca.

Assim a prevenção da endocardite infecciosa é de grande importância, sendo desejável a prevenção, particularmente em indivíduos de alto risco como os portadores de próteses valvares, shunts ou condutos sistêmico-pulmonares, passado de endocardite e cardiopatia congênita cianótica complexa. Outras situações são de risco moderado como a maioria das cardiopatias congênitas acianóticas, disfunção valvar pela doença reumática, do colágeno, cardiomiopatia hipertrófica e prolapso valvar mitral com regurgitação; as demais são de baixo risco.

Além de definir a população de maior risco e necessário estabelecer qual procedimento merece prevenção. Na realidade, a manutenção de condições de saúde adequadas, incluindo dental, é a melhor prevenção para estes indivíduos. Neste particular, nossa população tem péssimos cuidados de preservação e higiene dentária, o que facilita a instalação de endocardite. Em algumas situações, como certos procedimentos ou cirurgias gastrointestinais, ginecológicas ou urológicas pode ser necessário o uso de antibióticos profilático. Outros procedimentos como instalação de catéteres, sonda uretrais, cateterismo cardíaco a profilaxia não é recomendada ou de valor controverso (Tabela 1).

Os antibióticos mais utilizados na profilaxia da endocardite são as penicilinas, os aminoglicosídeos e em algumas situações a vancomicina e as cefalosporinas (Tabela2). A utilização de medidas preventivas, o diagnóstico precoce e a instituição de terapêutica e acompanhamento eficaz pode reduzir o impacto sobre a história natural dos cardiopatas de risco, bem como a ainda expressiva morbi-mortalidade da endocardite infecciosa.

Na Unidade Clínica de Valvulopatia do Instituto do Coração (InCor/HC.FMUSP), coordenada pelo Prof. Dr. Max Grimberg, os médicos assistentes Prof. Dr. Flávio Tarasoutchi e o Dr. Roney Orismar Sampaio seguem as orientações da tabelas 1 e 2, respectivamente, para indicação de profilaxia da endocardite infecciosa e para indicação do antibiótico nestas situações.

 

 

 

 

 

Tabela 1: Relação de procedimentos onde é desejável a profilaxia para endocardite:

Tratamento dentário: procedimentos envolvendo sangramento:

procedimentos periodônticos

procedimentos endodônticos

extração

cirurgia

implante dentário,

colocação de aparelho ortodôntico com banda

limpeza profilática

Trato Respiratório: procedimentos cirúrgicos

amigdalectomia

adenoidectomia

broncoscopia com broncóspio rígido

Trato Gastrointestinal: escleroterapia para varizes esofágicas

dilatação esofágica

colangiografia endoscópica retrógada

cirurgia

Trato Genitourinário: cirurgia próstata

Cistoscopia

Dilatação uretral

Tabela 2: Recomendações para profilaxia antibiótica em endocardite

PROCEDIMENTOS DENTÁRIOS, TRATO RESPIRATÓRIO E ESÔFAGO

SITUAÇÃO

ANTIBIÓTICO

REGIME

PROFILAXIA GERAL

Amoxacilina

Ou

Ampicilina

2g ou 50mg/Kg* VO 1h AP**

ou

2g (IM/EV) ou 50mg/kg 30 min AP

ALÉRGICO A PENICILINA

Clindamicina

Ou

Cefalexina***

600mg ou 20mg/Kg VO/ 1h AP ou IM 30 min AP

ou

2g ou 50mg/Kg VO/ 1h AP

PROCEDIMENTO GASTROINTESTINAL (EXCETO ESÔFAGO) E GENITOURINÁRIO

 

 

PACIENTE DE ALTO RISCO

Ampicilina

+

<P align=center DESIGNT

Fonte:

http://www.incor.usp.br/conteudo-medico/geral/prevencao%20de%20endocardite%20infecciosa.html

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos