Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca - Comportamento funcional dos portadores de marcapasso convencional submetidos a ressincronização cardíaca
Esta página já teve 114.027.966 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.859 acessos diários
home | entre em contato
 

Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca

Comportamento funcional dos portadores de marcapasso convencional submetidos a ressincronização cardíaca

08/05/2008

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

 

Abstract

SILVA, Rodrigo Tavares, MARTINELLI FILHO, Martino, LIMA, Carlos Eduardo Batista de et al. . Arq. Bras. Cardiol., Feb. 2008, vol.90, no.2, p.151-156. ISSN 0066-782X.

FUNDAMENTO: A terapia de ressincronização cardíaca (TRC) é eficiente no tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca (IC), disfunção ventricular grave e bloqueio intraventricular. O marcapasso convencional (MPC) em região apical de ventrículo direito provoca alterações da seqüência de ativação normal do coração semelhante às do BRE. Nesse sentido, pacientes com MPC e IC avançada poderiam ser candidatos a TRC, mas reduzidas casuísticas foram avaliadas e não há conclusões definitivas. OBJETIVO: Analisar o comportamento clínico-funcional da terapia de ressincronização cardíaca (TRC) nos portadores de marcapasso convencional. MÉTODOS: Pacientes com MPC, IC-CF(NYHA) III/IV refratária a terapêutica medicamentosa, fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) <35%, foram submetidos a TRC. O comportamento clínico-funcional foi avaliado prospectivamente após seis meses. A redução de uma CF-IC foi estabelecida como resposta efetiva ao procedimento. Foram analisados: duração do QRS (ECG), diâmetro diastólico (DDVE), diâmetro sistólico do ventrículo esquerdo (DSVE) e FEVE ao ECO. A análise estatística utilizou os testes t de Student pareado e a correlação de Spearman. RESULTADOS: Vinte e nove pacientes com idade média de 61,5 anos foram estudados. Seis eram do sexo feminino e houve predomínio da cardiomiopatia chagásica. Em seguimento clínico de 22,7±13 meses, 86,2% dos pacientes melhoraram com a TRC. Nesse grupo, a FEVE média aumentou em 18% (p=0,013); houve redução da duração do QRS em 11,8% (p=0,002) e não houve redução significativa dos diâmetros intracavitários do ventrículo esquerdo. CONCLUSÃO: A TRC é efetiva para pacientes com MPC e IC avançada porque proporciona taxa elevada de responsivos (86,2%), melhora significativa da FEVE e redução da duração do QRS.

Keywords : Marcapasso cardíaco artificial; bloqueio de ramo; insuficiência cardíaca congestiva; estimulação cardíaca artificial.

 

 

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0066-782X2008000200012&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos