Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca - O eletrocardiograma de alta resolução da ativação atrial em pacientes com ou sem fibrilação atrial paroxística
Esta página já teve 116.606.760 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.684 acessos diários
home | entre em contato
 

Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca

O eletrocardiograma de alta resolução da ativação atrial em pacientes com ou sem fibrilação atrial paroxística

12/05/2008

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Arq. Bras. Cardiol. v.87 n.5 São Paulo nov. 2006Arq. Bras. Cardiol. v.87 n.5 São Paulo nov. 2006Arq. Bras. Cardiol. vol.87 no.5 São Paulo Nov. 2006

doi: 10.1590/S0066-782X2006001800003 

ARTIGO ORGINAL

 

O eletrocardiograma de alta resolução da ativação atrial em pacientes com ou sem fibrilação atrial paroxística

 

 

José Osvaldo Moreira; Paulo Jorge Moffa; Augusto Hiroshi Uchida; Nancy Maria Martins de Oliveira Tobias; César José Grupi; Bráulio Luna Filho; Flávio Tarasoutchi

Instituto do Coração do Hospital das Clínicas – FMUSP, São Paulo, SP

Correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Analisar os parâmetros do eletrocardiograma de alta resolução da onda P no domínio do tempo (ECGAR-P) e compará-los com: a duração da onda P no eletrocardiograma clássico (P no ECG), o diâmetro atrial esquerdo (AE) e a fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FE) obtidos no ecocardiograma, para avaliar pacientes com fibrilação atrial paroxística (FAP).
MÉTODOS: Foram estudados 181 pacientes: 117 com FAP comprovada e 64 sem FAP. Os parâmetros do ECGAR-P foram: a duração da onda P filtrada (DPF), as voltagens da raiz quadrada média dos últimos 40, 30 e 20 ms da onda P filtrada (RMS 40, RMS 30 e RMS 20), a voltagem da raiz quadrada média dos potenciais da onda P filtrada (RMS P), a integral dos potenciais da onda P filtrada (Integral P) e a duração dos potenciais tardios da onda P filtrada abaixo de 3 µV (PT<3).
RESULTADOS: Os parâmetros que apresentaram diferenças estatisticamente significantes entre os grupos foram: DPF, RMS 40, 30 e 20, PT<3, P no ECG e AE. Os cálculos pela curva ROC mostraram, para cada parâmetro, o melhor valor de corte e os estimadores de desempenho: sensibilidade, especificidade, área sob a curva e p-value (p) ou nível descritivo.
CONCLUSÃO: O ECGAR-P no domínio do tempo mostrou-se melhor que o eletrocardiograma clássico e o ecocardiograma para identificar pacientes com fibrilação atrial paroxística.

Palavras-chave: Eletrocardiograma de alta resolução da onda P, ativação atrial, fibrilação atrial paroxística.

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2006001800003&lng=&nrm=iso&tlng=

 

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos