Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca - Avaliação da variabilidade da freqüência cardíaca em mulheres climatéricas treinadas e sedentárias
Esta página já teve 117.074.427 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.651 acessos diários
home | entre em contato
 

Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca

Avaliação da variabilidade da freqüência cardíaca em mulheres climatéricas treinadas e sedentárias

23/05/2008

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

 

Resumo

PASCHOAL, Mário Augusto, POLESSI, Emily Assis e SIMIONI, Fernanda Cardoso. Avaliação da variabilidade da freqüência cardíaca em mulheres climatéricas treinadas e sedentárias. Arq. Bras. Cardiol., fev. 2008, vol.90, no.2, p.80-86. ISSN 0066-782X.

FUNDAMENTO: Alterações da função autonômica cardíaca são freqüentes no climatério e diferentes métodos têm sido empregados para conhecê-las e minimizá-las. OBJETIVO: Estudar a interferência da atividade física dinâmica aeróbica de baixa intensidade sobre a variabilidade da freqüência cardíaca (VFC) de mulheres climatéricas. MÉTODOS: Estudo transversal que analisou a VFC de 15 mulheres climatéricas com média de idade de 56,8 ± 4,9 anos, que já se encontravam em treinamento físico (caminhada de uma hora diária, três vezes por semana) há pelo menos dois anos (grupo ativo), e de 15 mulheres climatéricas (56,5 ± 3,7 anos) sedentárias (grupo sedentário). Todas as voluntárias não faziam uso de reposição hormonal. Os dados da VFC foram comparados entre os grupos por meio do teste U de Mann-Whitney. RESULTADOS: Houve diferenças significativas tanto no domínio da freqüência como no domínio do tempo das seguintes variáveis da VFC, em medianas, para os grupos ativo e sedentário, respectivamente: potência total (22.626,50 ms² e 4.432,10 ms²), componente baixa freqüência (741,20 ms² e 131,70 ms²), componente alta freqüência (668,90 ms² e 131,70 ms²), desvios padrão dos intervalos RR (51,60 ms e 22,50 ms), raiz quadrada da soma dos quadrados das diferenças entre os intervalos RR (35,30 ms e 15,90 ms) e porcentagem de intervalos RR adjacentes maiores que 50 ms (6,6% e 0,2%). CONCLUSÃO: O estudo sugere que o treinamento aeróbio pode ter propiciado significativa melhoria da função autonômica cardíaca das mulheres climatéricas do grupo ativo, podendo ser uma opção útil para preservar essa condição funcional sem necessidade de terapias de reposição hormonal.

Palavras-chave : Climatério; mulheres; sistema nervoso autônomo; freqüência cardíaca.

        · resumo em inglês     · texto em português | inglês     · pdf em português | inglês

 

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0066-782X2008000200002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos