Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca - Características clínicas, eletrocardiográficas e ecocardiográficas na amiloidose cardíaca significativa detectada apenas à necrópsia
Esta página já teve 116.477.666 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.687 acessos diários
home | entre em contato
 

Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca

Características clínicas, eletrocardiográficas e ecocardiográficas na amiloidose cardíaca significativa detectada apenas à necrópsia

30/05/2008

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

 

Arq. Bras. Cardiol. v.90 n.3 São Paulo mar. 2008

doi: 10.1590/S0066-782X2008000300009 

ARTIGO ORIGINAL

 

Características clínicas, eletrocardiográficas e ecocardiográficas na amiloidose cardíaca significativa detectada apenas à necrópsia: comparação com casos diagnosticados em vida

 

 

Paulo Sampaio GutierrezI; Fábio FernandesII; Charles MadyII; Maria de Lourdes HiguchiI

ILaboratório de Anatomia Patológica
IIUnidade Clínica de Miocardiopatias da Divisão de Clínica – Instituto do Coração (InCor) – Hospital das Clínicas da FMUSP – São Paulo, SP – Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

FUNDAMENTO: Ainda hoje os casos de amiloidose cardíaca, em sua maioria, não são diagnosticados.
OBJETIVO: Revelar fatores relacionados à dificuldade no diagnóstico de amiloidose.
MÉTODOS: Comparação entre os dados clínicos, eletrocardiográficos e ecocardiográficos de 17 pacientes nos quais a amiloidose foi detectada apenas à necrópsia (grupo I) e os de outros 9, nos quais a doença foi percebida em vida (grupo II). As variáveis quantitativas foram avaliadas pelo teste t e as qualitativas, pelo teste exato de Fisher, com nível de significância de p < 0,05.
RESULTADOS: Houve diferenças quanto a idade (grupo I: 75,29 + 11,61 anos; grupo II: 58,67 + 11,07 anos), associação com outra doença cardíaca (grupo I: 52,94%; grupo II: 0%), baixa voltagem à eletrocardiografia (grupo I: 17,65%; grupo II: 66,67%) e disfunção diastólica à ecocardiografia (grupo I: 7,69%; grupo II: 62,50%). Algum grau de espessamento da parede ventricular esquerda ("hipertrofia") foi encontrado em 75% dos casos de diagnóstico post-mortem e em 100% dos casos in vivo, porém a espessura da parede foi menor no grupo I (parede livre: 1,20 + 0,28 cm no grupo I vs. 1,53 + 0,18 cm no grupo II). Disfunção sistólica estava presente em 57,89% dos casos, sem diferença significativa entre os grupos.
CONCLUSÃO: A amiloidose é diagnosticada quando os padrões clínico, eletrocardiográfico e ecocardiográfico são "típicos", mas na maioria dos casos o quadro não é assim, especialmente em idosos, em decorrência de associação com outras doenças, de falta de disfunção diastólica à ecocardiografia e de hipertrofia de grau leve.

Palavras-chave: Amiloidose / diagnóstico, miocárdio / patologia, eletrocardiografia, ecocardiografia.

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2008000300009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~