Tabagismo/Fumo/Cigarro - Mulheres fumam hoje 10% a mais do que há 17 anos
Esta página já teve 114.666.827 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.778 acessos diários
home | entre em contato
 

Tabagismo/Fumo/Cigarro

Mulheres fumam hoje 10% a mais do que há 17 anos

03/06/2008


30/5/2008

imagem transparente

 

RIO - A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou este ano que o tabaco matou 100 milhões de pessoas no mundo no século 20 e deve matar 1 bilhão de pessoas até 2100, caso o número de fumantes não caia consideravelmente. Segundo a Organização das Ações Unidas (ONU), o consumo aumentará nos países em desenvolvimento como conseqüência da estratégia da indústria do fumo de captar jovens e sobretudo mulheres nessas nações, que já concentram 80% dos fumantes de todo o mundo. Brasil e o México são os dois países com maior número de fumantes na América Latina.

Pesquisa realizada pela Med-Rio Check Up, empresa que atua há 18 anos no segmento de medicina preventiva, entre os anos de 1990 e 2007 com 40 mil executivos e executivas entre 30 e 60 anos, constatou um aumento de 10% no número de mulheres fumantes. Com os homens, aconteceu o contrário: 17% dos examinados diminuíram o hábito de fumar. o diretor médico da Med-Rio Check-up, Gilberto Ururahy, acredita que o resultado se deve ao fato de as mulheres serem mais sujeitas aos sintomas de depressão e ansiedade, encontrando no cigarro um facilitador para manutenção do equilíbrio.

- O efeito da nicotina no cérebro interfere com o da serotonina e o da dopamina, o que dá a sensação de saciedade e gratificação. Mesmo para as mulheres sem quadros emocionais, como depressão, esse efeito traz alívio, já que são comuns sintomas semelhantes de desequilíbrio por conta das alterações hormonais (tensão pré-menstrual e menopausa) - explica Gilberto.

O médico afirma que, no mundo, 48% dos homens e 12% das mulheres fumam, o que faz das mulheres um alvo do marketing das indústrias.

- Para as mulheres fumantes, é recomendado não fazer uso de pílulas anticoncepcionais, pois foi observado que essa associação representa mais riscos de infarto, derrame e trombose venosa - alerta.

No Brasil, as doenças relacionadas ao fumo matam cerca de 200 mil pessoas por ano, segundo dados do Inca (Instituto Nacional de Câncer).

A melhor forma para controlar doenças que podem ser causadas pelo cigarro, como a taquicardia, hipertensão arterial, intoxicação e bronquite crônicas, enfisema pulmonar, gastrite, doenças coronarianas, além de claro, o câncer, é a prevenção.

- Todas essas doenças podem ser diagnosticadas através do check-up, que deve ser realizado anualmente em homens e mulheres a partir dos 35 anos - defende Gilberto.

Ainda de acordo com o especialista, praticamente 27% de todos os casos de câncer de pulmão estão diretamente ligados ao tabagismo.

- Um indivíduo que fume um maço de cigarros por dia tem um risco 20 vezes maior de desenvolver um câncer de pulmão do que um não-fumante - afirma.

O cigarro do Brasil é o 6º mais barato do mundo.

- É óbvio que o baixo custo torna o consumo mais fácil. Deveríamos igualar os preços aos padrões internacionais. Essa medida dificultaria a aproximação dos jovens com o cigarro - sugere Gilberto.

A indústria do tabaco movimenta cerca de R$ 8,5 bilhões por ano no Brasil, gerando uma arrecadação de impostos que chega a 70% do mercado legal, ou R$ 4,6 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria do Fumo (Abifumo). O comércio clandestino responde por R$ 1,9 bilhão.



Fonte: Extra Online

Nossas notícias são retiradas na íntegra dos sites de nossos parceiros. Por esse motivo, não podemos alterar o conteúdo das mesmas até em casos de erros de digitação.

 

Fonte:

 

http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?busca=sim&id=10613

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos