Infecto-contagiosas/Epidemias - Prevalência de IgG do vírus varicela-zoster (VVZ) em indígenas da tribo Araweté, em Altamira, Pará
Esta página já teve 110.990.275 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.775 acessos diários
home | entre em contato
 

Infecto-contagiosas/Epidemias

Prevalência de IgG do vírus varicela-zoster (VVZ) em indígenas da tribo Araweté, em Altamira, Pará

08/10/2008
Revista Paraense de Medicina
ISSN 0101-5907 versão impressa

 


Rev. Para. Med. v.20 n.4 Belém dez. 2006

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Prevalência de IgG do vírus varicela-zoster (VVZ) em indígenas da tribo Araweté, em Altamira, Pará, de janeiro-fevereiro de 20011

 

Prevalence of IgG of the varicela zoster vírus (VZV) in the indigenous tribe Araweté, Altamira, Pará, from january-february 2001

 

 

Marcos Rogério Menezes da CostaI; Carlos Sousa RamosII; Talita Antonia Furtado MonteiroIII

IBiomédico, Mestre em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários - UFPa
IIBiomédico, Universidade Federal do Pará
IIIEnfermeira Pesquisadora da Seção de Virologia do Instituto Evandro Chagas

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Objetivo: determinar a prevalência de anticorpos IgG para o vírus da varicela-zoster (VVZ) em indivíduos da comunidade indígena Araweté, Altamira, Pará, Brasil.
Método: foram testadas 357 amostras de soros de indivíduos residentes na comunidade indígena Araweté, coletadas em janeiro e fevereiro de 2001, após um surto grave causado por esse vírus. Utilizou-se o procedimento imunoenzimático (ELISA) "Kit" da "Clark LaboratorieisTM" (Jamestown-NY-EUA) na pesquisa de anticorpos IgG para o VVZ.
Resultados: as 357 amostras analisadas mostraram taxa de 83,2% (297/357) de positividade. O sexo feminino foi mais acometido que o masculino, com 88,0% (162/184) e 78,0% (135/173), respectivamente, resultando diferença estatisticamente significativa, p= 0,017. A freqüência de soropositividade até os 20 anos de idade foi de 64,0% (190/297).
Conclusão: aproximadamente 17% do total de indivíduos pesquisados, ainda não apresentam imunidade contra o VVZ. Os autores recomendam a necessidade de vacinação de rotina contra varicela na população suscetível, a fim de conferir proteção contra doença severa em comunidades não imunes.

Descritores: varicela; herpes zoster; índios Araweté.


SUMMARY

Objective: the aim of the study was to determine the prevalence of anti-VZV antibodies of immunoglobulin G class (IgG) among remote indian communities living in the central-west region of Pará state, in the municipality of Altamira.
Method: serum samples were collected in January 2000 from the Araweté Indians group after the notification of in outbreak of chickenpox starty with 12 cases. VZV-IgG antibodies were measured by enzyme-linked immunosorbent assay (ELISA), using a commercial kit (Clark LaboratoriesTM, Jamestown-NY-USA).
Results: of the 357 tested, 297 (83%) were IgG-positive, of which 45,3% (135/297) were from male indians and 54,7% (162/297) from females individuals. Rates of seropositivity up to 20 years of age was 64,0% (190/297). In addition, frequencies of seropositivity were consistently higher in females than in males (p=0,017).
Conclusion: about 17% of the total of searched individuals, still they do not present immunity against the VZV. The need for routine vaccination against varicella of susceptible population is recommended, in order to confer protection against severe disease among these non-immune communities.

Key-words: varicella; Shingles; Araweté indians.

 

 

http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-59072006000400005&lng=pt&nrm=iso

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos