Drogas/Vício - O uso indevido de substâncias: esteróides anabolizantes e energéticos
Esta página já teve 117.111.531 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.647 acessos diários
home | entre em contato
 

Drogas/Vício

O uso indevido de substâncias: esteróides anabolizantes e energéticos

08/02/2009
Adolescencia Latinoamericana
ISSN 1414-7130 versión impresa

 


Adolesc. Latinoam. v.2 n.2 Porto Alegre mar. 2001

 

O uso indevido de substâncias: esteróides anabolizantes e energéticos

 

Paulo César Pinho Ribeiro*

Resumo
O autor faz considerações sobre sobre o abuso de esteroides anabolizantes comparando o Brasil com os EEUU e as razões que levam os jovens e adultos a isto. Define as substâncias, descreve os mecanismos de ação, os efeitos colaterais das mais comuns, desmistifica seus efeitos benéficos e acentua os malefícios. Faz referências às demais substâncias consideradas suplementos, verdadeiros benefícios e efeitos indesejáveis.
Unitermos:
Adolesc Latinoam 2001; 2 (2): adolescência, abuso de subtâncias, esteroides anabolizantes e suplementos.

Introdução

Pesquisas nos Estados Unidos, quantificando o uso indevido de esteróides anabolizantes, mostram os seguintes resultados: idade de início de consumo entre 15 e 18 anos, em estudantes de segundo grau; a incidência é maior no sexo masculino; 2,5% dos estudantes pesquisados relataram ter usado esteróides anabolizantes nos últimos 30 dias; a maioria dos usuários são esportistas e a principal razão do uso entre esportistas visa a melhorar o desempenho e entre não esportistas, à aparência.

Nos Estados Unidos, em 1994, mais de um milhão de jovens já tinham feito uso de esteróides anabolizantes e nos preocupa saber que o motivo do uso tem causa social, destacando-se os efeitos benéficos do produto sem preocupação com os graves danos à saúde. No Brasil, apesar do problema estar se agravando, não localizamos estudos sobre incidência e prevalência do uso ilícito de esteróides anabolizantes. Entretanto, podemos afirmar que o usuário ou consumidor preferencial se encontra na faixa etária dos 18 a 34 anos de idade e, em geral, é do sexo masculino.

A tentação de ganhar músculos rapidamente leva cada vez mais jovens ao abuso dos esteróides sem orientação médica. Os efeitos colaterais, porém, podem ser devastadores. Depois das chamadas drogas ilícitas (maconha, cocaína, crack e tantas outras) e das lícitas (fumo, álcool, anorexígeros, sedativos), uma nova droga começa a preocupar autoridades e profissionais da saúde em todo o mundo: os esteróides anabolizantes. A mídia internacional sempre veicula escândalos envolvendo atletas, treinadores e esportistas em virtude do uso indevido de esteróides anabolizantes. No Brasil, a preocupação não é tanta com os atletas, mas com aquele jovem adolescente que, no seu imediatismo, quer ganhar massa e músculos rapidamente (um corpo atlético a curto prazo; entregando-se aos anabolizantes, muitas vezes receitados por instrutores e professores de educação física, sem nenhum conhecimento na área, que indicam e vendem essas drogas, que podem ser compradas, em farmácias, sem exigência de receita médica, apesar da tarja vermelha "venda sob prescrição médica".

Na linguagem dos jovens, "bombar" significa ficar mais atraente para as garotas e mais forte e poderoso frente ao grupo de amigos/inimigos.

Pode ser constatado em várias academias da cidade o fato acima afirmado. Comentários tais como "bolo sem fermento não cresce" são escutados pelo jovem. O uso inicial dá um resultado que impressiona o jovem e ele, escutando elogios, deixa-se levar: "Quanto mais me diziam que eu estava bonito, mais eu queria crescer a todo custo e continuava a tomar o soro de cadáver" (soro de cadáver é o nome dado pelos usuários, já que além do esteróide, é usado, também, um hormônio de crescimento que, antes, era extraído da hipófise de pessoas mortas).

Nos Estados Unidos, os médicos e pais já estão em alerta: há uma quantidade enorme de crianças de 10 anos usando esteróides anabolizantes para ficarem fortes, comprados no mercado negro, já que desde 1990 são "medicamentos controlados". Uma pesquisa da Universidade de Massachusetts constatou que 38% das crianças de Boston estão usando esteróides. "O resultado será uma geração inteira de sujeitos robustos, nanicos e troncudos, incapazes de jogar vôlei ou basquete, embora aptos para o ultimate fighting".

Tinha de acontecer, não é? As crianças passam o dia vendo na televisão aqueles comerciais de atletas, nos quais a imagem passeia minuciosamente pelos feixes de músculos e em câmara lenta. Nesses comerciais, o atleta faz cestas impossíveis, dá saltos de um edifício ao outro e, quando chuta uma bola, o chute soa como uma explosão. Pode ser um comercial de tênis, de vitamina ou até de xarope, tanto faz: a constante são os músculos, os braços e pernas que parecem troncos de aço. Nesses tempos excessivamente atléticos, vivemos todos na era da estética; não há jovem que não queira ficar daquele jeito, principalmente aquela "pessoa pequena que é infeliz em ser pequena". Se aspirassem a isso apenas com alimentação controlada, adequada e sadia e ginástica, tudo bem. Acontece que, agora, elas ouviram falar dos esteróides.

Algumas causas apontadas para uso de esteróides anabolizantes incluem insatisfação com a aparência física e baixa auto-estima. A pressão social, o culto pelo corpo que a nossa sociedade tanto valoriza, a falsa aparência saudável e a perspectiva de se tornar símbolo sexual constituem motivos para o uso/abuso destas drogas. Uma boa aparência física leva à aceitação pelo grupo, à admiração de todos e a novas oportunidades. Uma perseguição a estes itens faz com que o jovem caia em situações de risco como anorexia, bulimia e o uso indevido de esteróides anabolizantes/energéticos.

Definição

Esteróides são uma classe de componentes que todos os animais possuem. Classificamos os esteróides em androgênicos e corticóides; os usados indevidamente são, na maioria, esteróides androgênicos (esteróides que agem como testosterona). Os esteróides usados para tratamento de problemas inflamatórios são esteróides corticóides (prednisolona, cortisona, beclometasona, budesonide, dexametasona e vários outros) e não têm efeitos anabólicos. Os esteróides androgênicos, secretados pelos testículos, são hormônios sexuais masculinos que incluem a testosterona, a diidrotestosterona e a androstenediona. A testosterona, no homem, é produzida principalmente nos testículos e uma pequena quantidade nas glândulas adrenais. É proveniente do colesterol. A testosterona e seus metabólitos, como diidrotestosterona, agem em muitas partes do corpo, produzindo as características secundárias sexuais masculinas: calvície, pêlos no rosto e corpo, voz grossa, maior massa muscular, pele mais grossa e maturidade dos genitais. Na puberdade, a testosterona produz acne, crescimento (comprimento e diâmetro) peniano e testicular, fusão da epífise óssea, cessando o crescimento em altura. É efetivo na manutenção dos órgãos sexuais no adulto, exigindo uma pequena concentração para isso. A produção normal no homem adulto é de cerca de 4 a 9 mg por dia, que pode ser aumentada pelo estímulo do exercício pesado. As mulheres produzem somente 0,5 mg de testosterona/dia, daí a dificuldade em adquirir massa muscular. Os anabolizantes possuem vários usos clínicos, nos quais sua função principal é a reposição da testosterona nos casos em que, por algum motivo patológico, tenha ocorrido um déficit. Muitos similares da testosterona são usados em tratamento médico, como nos casos de deficiência de testosterona, problemas testiculares, câncer de mama, angioedema hereditário, anemia aplástica, endometriose grave e estímulo do crescimento em caso de puberdade masculina tardia. Além desse uso médico, eles têm a propriedade de aumentar os músculos e, por esse motivo, são muito procurados por atletas ou pessoas que querem melhorar o desempenho e a aparência física. O uso estético não é médico, portanto, é ilegal e ainda acarreta problemas à saúde.

Muitos outros similares foram desenvolvidos com efeitos mais anabólicos que a testosterona. Todos eles possuem, substancialmente, os mesmos efeitos da testosterona: retenção de sódio, potássio, água, cálcio, sulfato e fosfato, síntese de aumento muscular em resposta ao exercício e possíveil aumento de agressividade e/ou libido. Eles agem no hipotálamo e na pituitária para suprimir a produção de GnRH, FSH e LH, causando uma diminuição na produção de testosterona natural nos testículos e também reduzindo ou cessando a produção de espermatozóides. Esse efeito não é sempre reversível, mesmo quando os andrógenos artificiais são suspensos. Cânceres da próstata são freqüentemente dependentes da testosterona (conseqüentemente, seu tratamento por castração) e eles podem progredir rapidamente na presença de alto nível de andrógenos. Uma porcentagem de testosterona é convertida em estrogênio e alguns andrógenos artificiais possuem também efeitos de estrogênios, causando aumento do tecido dos seios por debaixo dos mamilos (ginecomastia). Isso é ocasionalmente visto, naturalmente, em garotos púberes e numa pequena porcentagem da população de homens adultos.

O mecanismo de ação dos esteróides anabolizantes inclui os efeitos: placebo, em nível psicológico; euforizante, diminuindo o cansaço; anticatabolizante, diminuindo a perda de massa muscular; aumento da utilização e da síntese protéica.

Então eles são seguros? A aprovação e uso de qualquer droga é uma questão de decisão - se os benefícios terapêuticos de seu uso compensam seus efeitos adversos. Em doses terapêuticas, esteróides causam poucos efeitos colaterais. O uso por razão estética ou frívola, sempre em doses elevadas, (uso abusivo), é que traz conseqüências graves.

Vamos citar alguns medicamentos esteróides de apresentação oral e injetável: esteróides nacionais: decanoato de nandrolona – um esteróide injetável com efeito de ganho de massa muscular e pequenos efeitos colaterais; derivados da testosterona tais como propionato, fenilpropionato, isocaproato e decanoato de testosterona (4 tipos de testosterona sintética) – muito bom para ganho de massa e força, mas muito carregado de efeitos colaterais; oxymetholona – esteróide oral que tem o maior poder de ganho de massa e força de todos os existentes no Brasil e exterior, mas, de longe, também o mais tóxico, podendo causar hepatites instantâneas, independentemente da dose; mesterolona – toxicidade mediana e pouco efeito em ganho de massa.

Esteróides importados: estazanol, oral e injetável – tóxico ao fígado; emantato de metolona – pouco efeito em ganho de massa, menos tóxico; oxandrolona – não tem muitos efeitos colaterais, sendo o preferido das mulheres. O seu efeito terapêutico é indicado para crianças com problemas de peso nos Estados Unidos, para aidéticos a fim de minimizar as perdas musculares causadas pela doença; trembolona – injetável, muito forte, tóxica e, infelizmente, muito indicada por fisiculturistas e profissionais, sendo usada por iniciantes; éster da testosterona – causa bom aumento de massa muscular, mas com efeitos colaterais graves.

Efeitos colaterais do uso abusivo de esteróides: tremores, acne grave, retenção de líquidos, dores nas juntas, aumento da pressão sangüínea, alteração do metabolismo do colesterol – diminuindo o HDL (a boa forma do colesterol) e aumentando o LDL com aumento do risco de doenças coronarianas, alterações nos testes de função hepática, icterícia e tumores no fígado, policitemia, exacerbação da apnéia do sono, estrias e maior tendência às lesões do aparelho locomotor, pois as articulações não estão aptas para o aumento de força muscular. Além desses, aqueles que se injetam ainda correm o perigo de compartilhar seringas e contaminar-se com o vírus da AIDS ou hepatite.

Outros efeitos

No homem: diminuição ou atrofia do volume testicular, redução da contagem de espermatozóides, impotência, infertilidade, calvície, desenvolvimento de mamas, dificuldade ou dor para urinar, aumento da próstata e ginecomastia nem sempre reversível.

Na mulher: crescimento de pêlos com distribuição masculina, alterações ou ausência de ciclo menstrual, aumento do clitóris, voz grossa e diminuição de seios (atrofia do tecido mamário).

No adolescente: maturação esquelética precoce com fechamento prematuro das epífises ósseas, baixa estatura e puberdade acelerada, levando a um crescimento raquítico.

O abuso de anabolizantes pode causar variação de humor, incluindo agressividade e raiva incontroláveis, levando a episódios violentos como suicídios e homicídios, principalmente conforme a freqüência e o volume usados. Usuários apresentam sintomas depressivos ao interromperem o uso e sintomas de síndrome de abstinência, o que pode contribuir para a dependência. Ainda podem experimentar um ciúme patológico, quadros maníacos e esquizofrenóides, extrema irritabilidade, ilusões, (podendo ter uma distorção de julgamento em relação a sentimentos de invencibilidade), distração, confusão mental e esquecimentos, além de alterações da libido e suas conseqüências.

Muitas vezes, o uso vem acompanhado de outras drogas não-esteróides, como hormônio de crescimento, insulina, analgésicos fortes para dores musculares, diuréticos e medicamentos que evitam a ginecomastia.

Trabalhos mostram que há um consumo aumentado de outras drogas (álcool, tabaco, maconha, anfetaminas), principalmente em adolescentes. O abuso de álcool é o mais freqüente, seguido do uso do fumo e maconha. Em 1990, nos Estados Unidos, pensou-se na possibilidade da dependência física, pelas doses crescentes e pelo fato de os indivíduos nunca estarem satisfeitos com os músculos adquiridos.

Atletas, treinadores físicos e mesmo médicos relatam que os anabolizantes aumentam significativamente a massa muscular, força e resistência. Apesar dessas afirmações, até o momento não existe nenhum estudo científico que comprove que essas drogas melhoram a capacidade cardiovascular, agilidade, destreza ou desempenho físico.

Devido a todos estes efeitos, o Comitê Olímpico Internacional colocou 20 esteróides anabolizantes e compostos relacionados a eles como drogas banidas, ficando o atleta que fizer uso deles sujeito a duras penas.

O que falar dos suplementos tão consumidos e vendidos: aminoácidos, carboidratos, creatina, L-carnitina e outros?

Destacamos que os produtos à base de aminoácidos (menor unidade das proteínas) Megamass e outros, não são ergogênicos, só ajudando nos casos de dietas alimentares hipoprotéicas e inadequados, apesar da publicidade de aumentarem a massa muscular e o desempenho nas atividades físicas, o que não comprovam os especialistas. O excesso de aminoácidos pode levar à sobrecarga renal. Quanto aos energéticos (carboidratos), apesar da promessa de evitar fadiga em pessoas que praticam atividade física de força prolongada, sabemos que o produto aumenta o nível de glicogênio evitando a queima de músculos quando o estoque de glicose acaba. Se consumido sem orientação, tem o efeito de ganho de peso indesejável. A creatina (combinação de aminoácidos) mostra, nas propagandas, que melhora a resistência durante o exercício e com desempenho melhor. Entretanto, há divergências entre os especialistas, apesar da maior parte acreditar, mediante alguns resultados de pesquisas, no efeito benéfico deste suplemento. Pode causar hipertensão arterial e câimbras. A dose recomendada por laboratórios é de 20 mg/dia, enquanto a dose segura é de 2 mg. Quanto à L-Carnitina, não há efeito comprovado no desempenho físico. Alguns líquidos similares a refrigerantes contêm apenas mistura de açúcares simples e eletrólitos combinados e são vendidos como energéticos. Produtos à base de guaraná são excitantes que contêm cafeína.

O que está acontecendo com os adolescentes que insistem em pular da infância para a vida adulta, sem passar pela adolescência? É verdade que nem sempre este período é vivido com tranqüilidade, mas é também uma etapa maravilhosa, em que um simples olhar ou um beijo acarreta uma emoção intensa, por mais que muitas namoradas esperem por esse menino quando adulto. Peter Pan era um garoto esperto, justamente porque não queria crescer e ficar adulto. Mas, com os esteróides, os jovens imprudentes de hoje querem ficar adultos sem crescer.

É importante que os profissionais da saúde que atendem os adolescentes estejam atentos ao fato e questionem durante a entrevista o uso destas substâncias. Pais, educadores e profissionais da saúde devem sempre questionar valores pré-concebidos de nossa sociedade, racionalizando o culto ao corpo e trabalhando o resgate da prudência, bem como incentivar as outras habilidades positivas internas que todos nós possuímos, principalmente os jovens, que as possuem e não têm consciência desta posse.

O núcleo científico do Comitê de Adolescência da SBP desencadeou campanha por uma circular de alerta a todos os setores da Saúde, Educação e Esporte, encaminhando documento esclarecedor sobre os riscos do uso dos esteróides, principalmente a todas as academias de esportes do país e também aos políticos, para evitar o uso indiscriminado de tais medicamentos.


Abstract
The author utilize the data from USA and Brazil to consider the abuse of anabolizant steroids by the youngers and adults and discuss the reasons of it. Define the substances, describes the accion mecanisms, the side effects and how people mystifies the beneficts, and clear the advantages. He considers the substances named supplements, their real advantanges and disadvantages.
Key words:
Adolesc Latinoam 2001; 2 (2): Adolescence, substance abuse, anabolizants steroids, supplements.


Bibliografia

1. Castro R. Nanicos e Troncudos – crônica. Revista Manchete, maio de 1998.

2. Comittee on Sports Medicine and Fitness. Adolescents and anabolic steroids: a subject review. American Academy of Pediatrics, 1997.

3. Olszewer E, Narteira M. Radicais livres em medicina esportiva. Editora Tecnopress, São Paulo, 1997.

4. Parentoni J, Castro SS, Trincheiro VMP. Adolescentes e anabolizantes – uma prática de risco. Monografia Curso de especialização em adolescência, Belo Horizonte, 1999.

5. Ribeiro, PCP. Alerta: Os riscos dos esteróides anabolizantes. Boletim da Associação Mineira de Adolescência, Belo Horizonte, 1999.

6. Scott DR, Wagner JC, Bonlow TW. Anabolic steroids use among adolescents in Nebraska schools. American Journal Health System Pharmacy, vol. 53-17, 2068-2072, 1996.

7. Site: http://www.jesu.jesus.cam.ac.uk/drugs.

8. Statuto R. Anabolizantes – o preço da força. Encarte Saúde, Revista Manchete, nov. 1997.

* Pediatra e clínico de adolescentes, Preceptor do Curso de Especialização em Adolescência da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, Secretário da Associação Brasileira de Adolescência, Referência Técnica em Adolescência da Secretaria Estadual da Saúde de Minas Gerais e Membro do Núcleo Científico do Departamento de Adolescência da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Endereço: Rua Comendador Viana, 451 – Mangabeiras – Cep. 30.315-060 – Belo Horizonte – Minas Gerais. Telefax: (31) 2251995.

 

ASBRA/SASIA/CENESPA

 

http://ral-adolec.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s1414-71302001000200006&lng=es&nrm=iso

 

 

 



IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos