Receitas Kasher/Cozinha Judaica - As regras milenares da alimentação da comunidade judaica estão em voga. Sabe porquê?
Esta página já teve 115.950.532 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.693 acessos diários
home | entre em contato
 

Receitas Kasher/Cozinha Judaica

As regras milenares da alimentação da comunidade judaica estão em voga. Sabe porquê?

26/02/2009

 

|
foto artigo
 

A dieta kosher

As regras milenares da alimentação da comunidade judaica estão em voga. Sabe porquê?

Madonna, Leonardo Di Caprio, Steven Spielberg e Bono são alguns dos famosos que já aderiram à comida kosher e são clientes habituais dos restaurantes judaicos em Los Angels e Nova Iorque.

As folhas de alface devem ficar de molho meia hora e depois lavadas, uma a uma, com água corrente.

Os ovos são partidos para dentro de copos de vidro, para se averiguar se contêm sangue ou outras impurezas. A carne deve ser proveniente de animais saudáveis e mortos de acordo com as leis judaicas e os produtos industriais não podem conter qualquer tipo de gordura animal.

Estas são apenas algumas das regras da alimentação kosher, que em hebraico significa permitido e que está a fazer cada vez mais adeptos fora do judaísmo. A razão é muito simples, a higiene com que os alimentos são produzidos e manuseados fazem com que alimentos kosher sejam sinónimo de segurança alimentar.

Rigor na escolha

«As regras alimentares (designadas como Kasherut) seguidas pelos judeus estão escritas na Torah, o livro sagrado da religião, que dita as leis pelas quais nos devemos reger», conta Malka Martino, da Comunidade Israelita de Lisboa.

Assim, a comida kosher assenta em três pilares essenciais: a selecção, a preparação e a separação, ou seja, existem alimentos proibidos designados como impuros, a preparação dos alimentos obedece a regras específicas e não se pode misturar carne com produtos lácteos.

«Podemos comer mamíferos ruminadores com cascos fendidos, como a vaca, o borrego e a cabra, algumas aves como o frango e pato, mas não podemos comer porco ou cavalo», esclarece Malka Martino. A maneira como os animais são abatidos também é diferente, explica:

«Existe uma preocupação para que o animal não sofra, por isso deve ser morto num único golpe como uma faca especial e pela mão de um shohet, um especialista do abate ritual que estudou o ofício durante muito tempo».

Quanto aos peixes somente são permitidos os que têm escamas e barbatanas, ficando de fora, por exemplo, o mariscos, o golfinhos, o cação, o peixe-espada e o polvo.

Produtos kosher

Os frutos e os vegetais podem ser utilizados nas refeições sem restrições, contudo têm de ser muito bem lavados «já que não podemos comer qualquer tipo de vermes ou insectos», afirma a representante da Comunidade Israelita de Lisboa, acrescentando que fora de casa nunca come vegetais, a menos tenham sido preparados de acordo com a Kasherut.

Os ovos não podem ter vestígios de sangue e os produtos industrializados não podem conter gordura animal, nem ossos, nem corantes feitos a partir de animais. «Um exemplo disso são as gelatinas, os produtos congelados, o pão, bebidas, bolachas e iogurtes, que só comemos quando têm o selo kosher (atribuido pelas organizações judaicas que certificam que o alimento foi preparado de acordo com a tradição do judaísmo) ou quando temos a certeza que não contêm esses ingredientes», explica.

Tudo aquilo que contém uva, como o vinho, o vinagre e sumos, só pode ser ingerido se tiver sido supervisionado pelo rabino. «O vinho para nós é sagrado e o seu processo de elaboração obedece a critérios muito rígidos desde a apanha da uva até ao engarrafamento», revela Malka Martino.

Toda a maquinaria deve ser muito bem lavada, as uvas não podem ser misturadas com outras e é proibido adicionar outras substâncias, como por exemplo os corantes.

foto artigo

Segurança alimentar

Numa refeição kosher, a carne e os lacticínios nunca são misturados e «até mesmo os tachos e a loiça que são usados para confeccionar e comer cada um deles têm de estar devidamente separados e devem ser lavados também em separado», conta. A razão para esta regra encontra-se na Torah, onde se define o princípio de não cozinhar o filho (a cria) no leite da mãe.

Todos estes cuidados fazem com que quem come comida kosher saiba sempre o que está a comer e em que condições e, é este facto que a tem tornado tão famosa nos Estados Unidos, onde os hebreus representam apenas 20 por cento da população que segue estes hábitos alimentares, no Canadá e em Itália.

Se nesses países, é fácil encontrar lojas e restaurantes kosher, em Portugal são quase inexistentes: «Restaurantes não há, mas recentemente abriu uma padaria com pão kosher e o El Corte Inglés tem uma pequena secção com produtos kosher, mas são muito caros.

A carne atinge preços impensáveis, daí que a minha alimentação seja feita sobretudo de vegetais e peixe», conta Malka Martino. No nosso país, há também a produção de vinho kosher, mas é maioritariamente para exportação.

 

Fonte:

 

http://mulher.sapo.pt/saberviver/artigos/sabores/894690-2.html

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~