Dicas de quase tudo da Dra. Shirley / dica - Intoxicação: alerta na cozinha
Esta página já teve 115.068.871 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.734 acessos diários
home | entre em contato
 

Dicas de quase tudo da Dra. Shirley / dica

Intoxicação: alerta na cozinha

20/07/2009

16/7/2009
imagem transparente

Metade das contaminações por alimentos estragados ocorre dentro de casa. Perigo está na falta de cuidados com manuseio e conservação da comida. Problema afeta mais quem tem imunidade baixa, crianças, idosos e grávidas

Por Flávia Salme

Rio - Ovos na porta da geladeira, superfície de madeira para cortar a carne, e o velho pano úmido na pia. É assim que funciona a cozinha da sua casa? Abra o olho, alertam especialistas. A falta de cuidados pode levar a Doenças de Transmissão Alimentar (DTA), problema que atinge gravemente idosos, gestantes, crianças e pessoas com baixa imunidade.
 

Arte O Dia

Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, órgão da ONU), no ano passado 82 milhões de brasileiros (43% da população do País) foram internadas com intoxicação alimentar e mais de 6 mil morreram. Metade das contaminações ocorreu dentro de casa.

Os ambientes perfeitos para a proliferação de bactérias, fungos e protozoários são os de temperatura próxima a 37 graus. “Mas a maioria desses micro-organismos se multiplica dentro da faixa entre 4 e 60 graus. Para impedir o problema, só submetendo os alimentos a temperaturas superiores a 70 graus”, orienta a pesquisadora Tatiana Pastorello, do projeto Cuidar dos Alimentos, da Fiocruz. Depois de pronta, a comida não deve ficar mais de duas horas fora da geladeira.

CONTÁGIO CRUZADO

Na cozinha, nada de manipular diferentes alimentos sem lavar as mãos. “Leva-se micro-organismos de um para outro”, explica Tatiana. Usar a mesma faca, sem lavar, para cortar produtos distintos é perigoso. “Em churrascos acontece muito: a faca que corta a carne crua é a mesma que fatia o alimento servido”, diz. Alimento cozido não está livre do risco de ser contaminado, se tiver contato com alimento cru, que é onde os micro-organismos proliferam. O problema ocorre com facilidade ao se colocar, na mesma vasilha, carne crua e alimentos cozidos.

Ou quando a mesma tábua de carne é usada, ainda suja, para cortar alimentos ‘in natura’, como temperos e saladas.

O ovo é um dos alimentos que mais recebe ressalvas. “Pode transmitir salmonella. Se a casca quebrar, há risco de contaminar a gema. Colocá-los na porta da geladeira é arriscado: o abre e fecha causa microfissuras que provocam o contágio”, orienta o microbiologista Roberto Martins Figueiredo. “Comer ovo cru ou com a gema mole é perigoso”, diz. Ele lembra ainda que alimentos folhosos devem ser bem lavados em água corrente.



Fonte: O Dia

Nossas notícias são retiradas na íntegra dos sites de nossos parceiros. Por esse motivo, não podemos alterar o conteúdo das mesmas até em casos de erros de digitação.

 

Fonte:

 

http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?busca=sim&id=13904

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos