Infecto-contagiosas/Epidemias - Gravidade dos casos da gripe A (H1N1) e da comum é semelhante
Esta página já teve 115.007.195 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.746 acessos diários
home | entre em contato
 

Infecto-contagiosas/Epidemias

Gravidade dos casos da gripe A (H1N1) e da comum é semelhante

25/07/2009

Gravidade dos casos da gripe A (H1N1) e da comum é semelhante


Dados indicam que abordagem clínica para diagnóstico, tratamento e internação deve ser a mesma para ambos os vírus, informa o diretor de vigilância epidemiológica 

Confira aqui o áudio da entrevista coletiva

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde nesta sexta-feira, 24 de julho, indicam semelhança entre a gravidade dos casos de influenza A (H1N1) e de gripe comum ou sazonal no Brasil. Dos 1.566 casos confirmados para a nova influenza A (H1N1) no país entre 25 de abril e 18 de julho deste ano, 14,2% apresentaram dificuldade respiratória moderada ou grave, além de febre e tosse — sintomas compatíveis com a definição de síndrome respiratória aguda grave. No mesmo período, das 528 pessoas com diagnóstico da gripe sazonal, 17% evoluíram para esse mesmo quadro.

“No Brasil, podemos afirmar categoricamente que adoecer pela gripe comum ou pela H1N1 é muito semelhante do ponto de vista da gravidade dos casos. Isso indica que a abordagem clínica para diagnóstico, tratamento e internação deve ser a mesma para ambos os vírus”, afirmou o diretor de Vigilância Epidemiológica do MS, Eduardo Hage, em conversa com a imprensa. Não existem estudos que apontem como o novo vírus vai se comportar daqui para frente.

De abril a julho, foram notificados 8.328 casos suspeitos de algum tipo de gripe no país, com maior concentração nas regiões Sul e Sudeste. Desse total, 1.957 casos foram descartados para qualquer vírus influenza e 4.277 ainda estão em estudo.

Do ponto de vista da manifestação da doença por idade, também há semelhança entre os dois vírus. A análise epidemiológica realizada até o momento indica que a faixa etária mais acometida tanto pelo vírus H1N1 quanto pelo vírus da influenza sazonal é a de 20 a 49 anos, com mais de 60% dos casos.

Por outro lado, desde abril, dos exames de diagnóstico com resultado positivo para algum tipo de vírus respiratório nos três laboratórios de referência do Brasil — Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/RJ), Instituto Evandro Chagas (IEC/PA) e Instituto Adolf Lutz (SP) —, 60% foram para H1N1. No Chile e na Argentina, esse percentual já ultrapassa 90%.

Segundo Hage, ainda é cedo para se confirmar, mas é possível que o novo vírus esteja substituindo o vírus da gripe comum.

USO DO ANTIVIRAL - Eduardo Hage reiterou que o uso indiscriminado do antiviral fosfato de Oseltamivir (conhecido como Tamiflu) para todos os casos de gripe pode tornar o novo vírus A (H1N1) resistente ao medicamento, isto é, diminuir sua eficácia no tratamento da doença. “O número de países que apresentam resistência ao novo vírus em relação ao Oseltamivir tem aumentado. Além de Hong Kong, Japão e Dinamarca, o Canadá, especificamente na província de Quebec, registrou um caso de resistência nesta semana”, disse o diretor.

De acordo com o Protocolo de Manejo Clínico e Vigilância Epidemiológica da Influenza do Ministério da Saúde, baseado em recomendações da Organização Mundial da Saúde, apenas os pacientes com agravamento do estado de saúde nas primeiras 48 horas, desde o início dos sintomas, e as pessoas com maior risco de apresentar quadro clínico grave serão medicadas com o fosfato de oseltamivir. O grupo de risco é composto por idosos, crianças menores de dois anos, gestantes, pessoas com diabetes, doença cardíaca, pulmonar ou renal crônica, deficiência imunológica (como pacientes com câncer, em tratamento para AIDS), pessoas com obesidade mórbida e também com doenças provocadas por alterações da hemoglobina, como anemia falciforme.

Confira outros pontos da conversa com a imprensa:

Cálculo da letalidade e da taxa de mortalidade do novo vírus A (H1N1)


A partir de agora e de acordo com as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), a letalidade do novo vírus A (H1N1) será medida apenas em relação aos casos graves. O percentual de pessoas que chegam a óbito em relação ao total de pacientes graves é, no momento, de 12,8%.

A taxa de mortalidade do novo vírus A (H1N1), por sua vez, será calculada considerando o número de casos em relação ao número de habitantes. Isso permitirá a comparação da mortalidade pela gripe neste ano em relação aos anos anteriores, o que poderá ser feito depois do fechamento do mês de julho. Com as 29 mortes confirmadas no Brasil pela doença até o dia 22 de julho, a taxa de mortalidade por influenza A (H1N1) no país é de 0,015 por 100 mil habitantes. Confira outras taxas de mortalidade no mundo:

País
Mortes
Número de Habitantes
Porcentagem final
Chile
68
16.802.953
0,4
Argentina
137
39.934.109
0,34
Austrália
37
20.950.604
0,17
Canadá
50
33.169.734
0,15
México
128
107.801.063
0,11
EUA
263
308.798.281
0,08
Reino Unido
29
 61.018.648
 0,04
Espanha
4
44.592.770
0,04
Brasil
29
191.481.045
0,01
Atualização de óbitos: 22 de julho de 2009
Fonte: Número de habitantes IBGE, 2008


MS não recomenda adiar viagens para estados dentro do Brasil

A recomendação do Ministério da Saúde é para que pessoas dos grupos de risco ou doenças crônicas pré-existentes, como diabetes, evitem viajar para países com transmissão sustentada, como Argentina, Chile, Reino Unido, Estados Unidos, e Canadá. Isso se deve ao fato de o governo federal não poder assegurar o tratamento fora do território nacional. Dentro do país, em qualquer estado, o cidadão tem o direito de ser atendido no Sistema Único de Saúde (SUS) e ter a conduta adotada no serviço de saúde de acordo com o protocolo do Ministério da Saúde.

Cuidados para se prevenir da doença

Alguns cuidados básicos de higiene podem ser tomados, como: lavar bem as mãos frequentemente com água e sabão, evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies, não compartilhar objetos de uso pessoal e cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar.

Recomendações para a volta às aulas

O Ministério da Saúde e o Ministério da Educação recomendam que os estudantes brasileiros com sintomas de gripe sigam orientações médicas e evitem retornar às atividades escolares até estarem completamente restabelecidos. A orientação tem como objetivo reforçar a prevenção contra a nova gripe, evitando assim que alunos infectados contagiem colegas. Professores e diretores de escolas também devem ficar atentos e orientar estudantes com sintomas a retornar às suas casas. Pais e responsáveis devem levar seus filhos aos postos de saúde ao consultório médico de confiança ao perceberem os primeiros sinais de uma gripe, que são febre repentina, tosse, coriza, dores musculares, nas articulações e dor de cabeça.

Confiram algumas tabelas sobre a situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009

Tabela 1. Distribuição de casos notificados de síndrome gripal segundo classificação etiológica e unidade federada. Brasil, até semana epidemiológica 28 de 2009.

ID
UF
SUSPEITO
CONFIRMADO A(H1N1)
CONFIRMADO (SAZONAL)
DESCARTADO
TOTAL
n
%
n
%
n
%
n
%
n
%
1
SP
1.671
50,09
666
19,96
387
11,60
612
18,35
3.336
100
2
PR
689
65,12
65
6,14
2
0,19
302
28,54
1.058
100
3
RJ
599
60,69
205
20,77
27
2,74
156
15,81
987
100
4
RS
641
68,26
159
16,93
2
0,21
137
14,59
939
100
5
MG
184
33,64
139
25,41
26
4,75
198
36,20
547
100
6
SC
135
37,50
64
17,78
 
0,00
161
44,72
360
100
7
BA
163
64,94
48
19,12
29
11,55
11
4,38
251
100
8
DF
27
22,50
40
33,33
11
9,17
42
35,00
120
100
9
PE
11
12,36
24
26,97
1
1,12
53
59,55
89
100
10
GO
10
11,24
20
22,47
7
7,87
52
58,43
89
100
11
ES
23
26,74
13
15,12
14
16,28
36
41,86
86
100
12
PA
4
6,06
32
48,48
8
12,12
22
33,33
66
100
13
CE
23
50,00
13
28,26
--
--
10
21,74
46
100
14
SE
22
51,16
9
20,93
4
9,30
8
18,60
43
100
15
MT
15
34,88
7
16,28
2
4,65
19
44,19
43
100
16
MA
14
33,33
5
11,90
--
--
23
54,76
42
100
17
RN
1
2,38
14
33,33
5
11,90
22
52,38
42
100
18
MS
16
38,10
6
14,29
--
--
20
47,62
42
100
19
AL
12
32,43
8
21,62
2
5,41
15
40,54
37
100
20
TO
--
--
11
42,31
--
--
15
57,69
26
100
21
PI
1
4,00
7
28,00
--
--
17
68,00
25
100
22
PB
3
13,64
5
22,73
1
4,55
13
59,09
22
100
23
AC
10
76,92
1
7,69
--
--
2
15,38
13
100
24
RO
3
60,00
--
--
--
--
2
40,00
5
100
25
RR
--
--
2
40,00
--
--
3
60,00
5
100
26
AP
--
--
1
20,00
--
--
4
80,00
5
100
27
AM
--
--
2
50,00
--
--
2
50,00
4
100
 
TOTAL
4.277
51,36
1.566
18,80
528
6,34
1957

Tabela 2. Distribuição de casos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave), segundo gênero e classificação etiológica. Brasil, até semana epidemiológica 28 de 2009.

Classificação
Feminino
Masculino
Total
n
%
n
%
n
%
Em investigação
541
54,87
445
45,13
986
100
Influenza A(H1N1)
117
52,70
105
47,30
222
100
Influenza sazonal
51
57,95
37
42,05
88
100
Descartado
173
60,28
114
39,72
287
100
Total
882
55,72
701
44,28
1583
100

Tabela 3. Distribuição de casos confirmados de SRAG segundo classificação etiológica e sinais e sintomas. Brasil, até semana epidemiológica 28 de 2009

tabela 3

Tabela 4. Distribuição de casos de SRAG pela nova Influenza A(H1N1), segundo fatores de risco (n=222). Brasil, até semana epidemiológica 28 de 2009

Dentre os fatores de risco para doença grave, relacionados no Protocolo, para os casos de SRAG pela nova influenza A(H1N1), destacam-se gestação, pneumopatias crônicas e doença cardio-vascular (hipertensão e cardiopatia) (Tabela 5).

tabela 4
Fonte: SINAN

* O calculo de proporção de gestantes (n=8) teve como base o universo de 116 mulheres com SRAG. Os outros percentuais correspondem ao universo de 222 pacientes.

Tabela 5. Distribuição de casos confirmados de SRAG por Influenza A(H1N1), segundo classificação etiológica e faixa etária. Brasil, até semana epidemiológica 28 de 2009

Mais de 60% dos casos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) pelo novo vírus influenza A(H1N1) e pelo vírus de influenza sazonal está concentrado na faixa etária de 20 a 49 anos. A idade média para ambos os tipos de vírus é de 29 anos.

tabela 5

Obs: 2 registros sem informação no campo idade em influenza A(H1N1)


Outras informações
Atendimento à Imprensa
(61) 3315 3580 ou 3315 2351
jornalismo@saude.gov.br

voltar

disque saúde 0800 61 1997
Ministério da Saúde - Esplanada dos MinistériosBloco G - Brasilia / DF
CEP: 70058-900 - Fone: 3315-2425 - contato@saude.gov.br

Anvisa 10 anos Transparência Pública

 

Fonte:

 

http://portal.saude.gov.br/portal/aplicacoes/noticias/default.cfm?pg=dspDetalheNoticia&id_area=124&CO_NOTICIA=10421

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos