Tabagismo/Fumo/Cigarro - Cerca de 16% da população acima dos 15 anos fuma.
Esta página já teve 110.895.473 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.766 acessos diários
home | entre em contato
 

Tabagismo/Fumo/Cigarro

Cerca de 16% da população acima dos 15 anos fuma.

09/09/2009
No Brasil, cerca de 16% da população acima dos 15 anos fuma.
Este sábado (29) é o Dia Nacional de Combate ao Fumo.
Do G1, em São Paulo
Mais do que garantir a saúde dos chamados fumantes passivos, a lei antifumo, que entrou em vigor neste mês, em São Paulo, e já funciona em cidades de pelo menos outros quatro estados do país , incentivou parte da população a procurar tratamentos para deixar o vício. A proibição do fumo em locais públicos, segundo especialistas, levou muita gente a acreditar na capacidade de deixar o cigarro.

"Com a restrição, as pessoas começaram a perceber que conseguiam passar mais tempo sem fumar, e isso as encorajou a procurar ajuda para deixar o vício definitivamente. Percebemos um interesse cada vez maior das secretarias estaduais e municipais de saúde em ampliar o atendimento a essa população", diz ao G1 Tânia Cavalcante, coordenadora do Programa Nacional de Controle do Tabagismo, do Instituto Nacional de Câncer (Inca), do Ministério da Saúde.

De acordo com Tânia, o salto no número de atendimentos, apesar de ainda não ter dados oficiais, pode ser percebido pelo interesse na ampliação da rede de unidades preparadas para ajudar quem quer deixar o vício. "Temos hoje cerca de 800 unidades de atendimento gratuito, distribuídas em 500 municípios do país. Em 2010, nosso planejamento indica que teremos pelo menos 3,3 mil postos de atendimento, distribuídos em 1,2 mil cidades."

No Brasil, cerca de 16% da população acima dos 15 anos fuma. O cigarro, de acordo com o Inca, é responsável por cerca de 200 mil mortes por ano. O hábito também leva ao registro de mais de 27 mil casos de câncer de pulmão por ano, e mais de 14 mil casos de câncer na cavidade oral. Neste sábado (29), o governo promove o Dia Nacional de Combate ao Fumo, como forma de dar mais um incentivo aos fumantes.
Onde buscar ajuda

“Existe um programa nacional de combate ao tabagismo, que trabalha em parceria com as secretarias estaduais e municipais. Temos três grandes frentes: evitar que os jovens, principais alvos da indústria do cigarro, comecem a fumar; incentivar dependentes a deixar o vício; e proteger a população do tabagismo passivo. Para isso atuamos no âmbito educativo, com campanhas, e na implantação do tratamento no Sistema Único de Saúde", afirma Tânia.

Para o Inca, o medicamento é apenas um coadjuvante no tratamento contra o tabagismo. "O principal aspecto é a abordagem cognitivo-comportamental em grupos, que pretende ajudar o fumante a entender a dependência e os riscos que corre. Só assim ele poderá adotar mudanças em sua rotina, para reaprender a viver sem o cigarro", afirma a coordenadora.

Saiba onde encontrar alguns dos postos de atendimento gratuito.
São Paulo O cidadão deve procurar qualquer uma das 420 unidades básicas de saúde da cidade (os endereços podem ser consultados pelo telefone 156). Depois do acolhimento e avaliação médica, o paciente será encaminhado, de acordo com sua necessidade, a uma unidade de referência no tratamento de combate ao tabagismo.
Rio de Janeiro Para informações sobre os endereços das unidades de saúde habilitadas para o tratamento antitabagismo, o cidadão deve acessar o site da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, ou entrar em contato pelo telefone (21) 3523-4025.

Curitiba Na cidade há 22 unidades de saúde habilitadas para o tratamento gratuito ao cidadão, entre elas Bairro Novo, Osternack, Centro de Atendimento Psicossocial (Caps) Boa Vista, Cajuru, entre outros. Os endereços podem ser encontrados no site da prefeitura ou pelo telefone 0800 644 0041.
Recife Há pelo menos sete unidades habilitadas na cidade. Os Centros de Atendimento Psicossocial Professor Luiz Cerqueira, Jandira Masur, Estação Vicente Araújo, Professor René Ribeiro e Professor José Lucena. O cidadão pode procurar ainda o Centro de Prevenção, Tratamento e Reabilitação do Alcoolismo e o Centro Eulâmpio Cordeiro.
Fonte: secretarias municipais de Saúde
Segundo Tânia, não existe uma fórmula mágica. "Só um conjunto de ações pode ajudar alguém a deixar o vício. É importante socializar o conhecimento, incentivar leis que proíbam a propaganda ou que proíbam fumar em recinto coletivo, colocar advertências nas embalagens e até uma política de preços e impostos mais adequada, porque no Brasil o cigarro ainda é muito barato e isso facilita a iniciação."
No Instituto do Coração (Incor), do Hospital das Clínicas, em São Paulo, o tratamento que é oferecido desde 1996 é um pouco diferente do proposto pelo Instituto - que propõe encontros em grupo e acompanhamento psicológico, entre outras coisa -, mas, segundo a diretora Jaqueline Scholz Issa, funciona.

"Temos um índice ótimo de sucesso. Cerca de 45% das pessoas que passam pelo tratamento deixam de fumar definitivamente", diz ao G1a diretora do Programa de Tratamento de Tabagismo do Instituto do Coração e autora dos livros “Deixar de Fumar” e “Sem Filtro”.

Podem participar do programa do Incor pacientes do Instituto, por meio do SUS, ou quem tiver um convênio que tenha vínculos com o hospital. “O tratamento é focado na ação médica, com medicamentos para abstinência, e se dá com uma relação bastante próxima entre médico e paciente”. O programa tem duração de um ano e é individual, sem consultas com psicólogos.

Depois da lei antifumo, a demanda pelo tratamento do Incor por meio dos convênios aumentou pelo menos 20%. “Sem dúvida foi um incentivo e, mais do que isso, a lei rejuvenesceu a procura por tratamento. Antes nos procuravam pessoas mais velhas, já com problemas de saúde. Hoje, como os mais afetados pela lei são os mais jovens, criou-se uma nova demanda.”
O Inca recomenda que o cidadão entre em contato com a Secretaria de Saúde do seu município para consultar a lista de unidades de saúde habilitadas.

Aberto ao público

O Programa Antitabágico do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo (USP) existe desde 2004 e é aberto a qualquer pessoa. Os medicamentos, no entanto, quando necessários, só são fornecidos gratuitamente a funcionários da universidade. A partir de setembro, serão abertos grupos específicos para alunos da USP e para adolescentes e gestantes fumantes.

“Esses são públicos especiais com que não temos experiência, então como o Hospital Universitário tem a função de educar, vamos abrir espaço para conhecer melhor os adolescentes e gestantes que fumam e querem parar”, diz ao G1 o professor João Paulo Lotufo, médico responsável pelo programa. São atendidas cerca de 30 pessoas por mês.
O tratamento para o combate ao tabagismo dura cinco semanas, com encontros uma vez por semana. “A primeira etapa do tratamento é o conhecimento do que acontece, do porquê da dependência química, comportamental e emocional. Depois disso há o atendimento com médicos, enfermeiros e psicólogos e a pessoa vai reduzindo o fumo por conta própria. Não existe um método para parar de fumar. Algumas pessoas precisam de remédios para combater a síndrome de abstinência”, afirma Lotufo.

Com o término do período, é recomendado permanecer com o tratamento. “Difícil não é só parar de fumar, mas ficar sem fumar depois.”

Apesar de ser aberto a todos, o público majoritário do programa são homens e mulheres entre 30 e 50 anos. Vale lembrar que as inscrições devem ser feitas pessoalmente, para que uma primeira entrevista com o interessado já seja realizada.
O Portal de Notícia da Globo
 
 
Fonte:
 
 
 
 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos