Dicas de quase tudo da Dra. Shirley / dica - Técnicas de reenvasamento de orquídeas
Esta página já teve 114.010.289 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.855 acessos diários
home | entre em contato
 

Dicas de quase tudo da Dra. Shirley / dica

Técnicas de reenvasamento de orquídeas

24/09/2009
Técnicas de reenvasamento de orquídeas

 

Os gestos indispensáveis (fotos)

As orquídeas floridas devem ser reenvasadas assim que as flores secam.

Uma orquídea que está num vaso, passado algum tempo, começa a ter deficiências a nível alimentar. O substrato decompõe-se e fica cada vez mais pobre em nutrientes.

Para que a planta continue saudável, chegou a altura de substituir o substrato e, dependendo do seu tamanho, de mudar de vaso. Geralmente, esta operação é feita de dois em dois anos. Por vezes, nem é necessário mudar para um vaso maior.

As orquídeas gostam normalmente de estar apertadinhas em vasos pequenos. A melhor altura para o reenvasamento é logo após a floração, quando a planta se prepara para um período de descanso ou de crescimento vegetativo. As orquídeas que compramos floridas devem ser reenvasadas assim que as flores secam, quando se faz o corte da haste floral.

Normalmente, essas plantas já estão há dois ou mais anos com o mesmo substrato. Devemos ter um vaso 2 cm mais largo que o anterior (dependendo do tamanho da planta em questão) e substracto novo e adequado para o tipo de orquídea que queremos reenvasar.












Como proceder

Retira-se a planta do vaso original e limpa-se o máximo possível do substrato antigo tentando não danificar as raízes. Coloca-se um pouco de leca (argila expandida) no fundo do vaso para aumentar a drenagem e, de seguida, um pouco de substrato. A colocação da planta deverá ser feita com cuidado para não a danificar ou partir as raízes.

De seguida, coloca-se o novo substrato, apertando-o cuidadosamente. É também nesta altura que, se a planta for muito grande, a podemos dividir em duas ou mais partes.

Devemos tentar danificar o menos possível a planta e não a dividir em partes com menos de três pseudobolbos para não ficar muito vulnerável e não demorar anos a florir. Se o sistema radicular for muito vasto, poderá também ser desbastado e limpo de raízes mais velhas, secas ou podres. Se a nossa orquídea for uma epífita podemos ainda mudá-la de um vaso para uma placa de cortiça, por exemplo.

Temos que ter em atenção as dimensões da mesma. As orquídeas epífitas agarram-se à placa de suporte e não é possível retirá-las da placa sem danificar as raízes. Após o transplante, a planta não deve ser abundantemente regada. Uns borrifos diários durante a primeira semana são suficientes e a planta está pronta para iniciar um novo ciclo.

Texto: José Santos

 

 

Fonte:

 

http://mulher.sapo.pt/casa-jardim/jardim/tecnicas-de-reenvasamento-de-o-985112.html

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos