Psiquiatria e Psicologia -
Esta página já teve 133.087.141 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.664 acessos diários
home | entre em contato
 

Psiquiatria e Psicologia

Estimulação transcraniana por corrente direta: uma alternativa promissora para o tratamento da depressão maior?.

07/11/2009

Revista Brasileira de Psiquiatria

 

Resumo

BERLIM, Marcelo T.; DIAS NETO, Vitor  e  TURECKI, Gustavo. Estimulação transcraniana por corrente direta: uma alternativa promissora para o tratamento da depressão maior?. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2009, vol.31, suppl.1, pp. S34-S38. ISSN 1516-4446.  doi: 10.1590/S1516-44462009000500006.

OBJETIVO: Nos últimos anos, uma série de novos tratamentos somáticos não-farmacológicos vem sendo desenvolvida para o tratamento da depressão maior e de outros transtornos neuropsiquiátricos. Dentre esses, um dos mais promissores é a estimulação transcraniana por corrente direta. MÉTODO: Para a presente revisão da literatura consultou-se o PubMed entre janeiro de 1985 e fevereiro de 2009. Os artigos deveriam ser publicados em língua inglesa e deveriam abordar princípios gerais da estimulação transcraniana por corrente direta e sua utilização na depressão maior. DISCUSSÃO: Os protocolos atuais de estimulação transcraniana por corrente direta para o tratamento da depressão maior envolvem a aplicação de dois eletrodos-esponja no escalpo. Em geral, o eletrodo positivo é aplicado na região sobrejacente ao córtex pré-frontal dorsolateral esquerdo (região F3 do Sistema Internacional 10/20 para eletroencefalograma) e o eletrodo negativo é aplicado na região sobrejacente à área supra-orbital direita. Uma corrente elétrica direta de 1-2 mA é então aplicada entre os dois eletrodos por cerca 20 minutos, sendo as sessões de estimulação transcraniana por corrente direta realizadas diariamente durante uma a duas semanas. Estudos iniciais (incluindo um ensaio clínico randomizado, duplo-cego e controlado por placebo) demonstraram que a estimulação transcraniana por corrente direta é efetiva no tratamento da depressão maior não-complicada e que essa técnica, quando utilizada em pacientes deprimidos, está associada com melhoras na performance cognitiva (incluindo na memória de trabalho). Por fim, a estimulação transcraniana por corrente direta é segura e bem tolerada. CONCLUSÃO: Investigações recentes demonstram que a estimulação transcraniana por corrente direta é um importante método neuromodulatório que pode ser útil no tratamento de pacientes deprimidos. Contudo, novos estudos são necessários para esclarecer seu real papel no manejo dos transtornos depressivos.

Palavras-chave : Depressão; Estimulação transcraniana por corrente direta; Encéfalo; Transtornos mentais; Literatura de revisão como assunto.

        · resumo em inglês     · texto em português | inglês     · pdf em português | inglês

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos