Infecto-contagiosas/Epidemias - H1N1 e doenças cronicas
Esta página já teve 110.994.371 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.776 acessos diários
home | entre em contato
 

Infecto-contagiosas/Epidemias

H1N1 e doenças cronicas

24/03/2010

Na pandemia de 2009, dentre os casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) pelo vírus Influenza H1N1 observou-se um alto percentual de pessoas com doenças crônicas. Os portadores de doenças respiratórias crônicas, por exemplo, foram o de maior frequência com 24,4% dos registros, seguido das doenças cadiovasculares e outras doenças crônicas. Essas situações caracterizam pessoas que precisam de proteção por já se encontrarem em situação de vulnerabilidade, podendo apresentar quadros de maior gravidade e morte.

Até o momento estão incluídos nesse segmento:
• Pessoas com grande obesidade (Grau III), incluídas atualmente nos seguintes parâmetros:
  - crianças com idade igual ou maior que dez anos com índice de massa corporal (IMC) igual ou maior que 25;
  - criança e adolescente com idade maior de dez anos e menor de 18 anos com IMC igual ou maior que 35;
  - adolescentes e adultos com idade igual ou maior que 18 anos, com IMC maior de 40;
• Indivíduos com doença respiratória crônica desde a infância (ex.: fibrose cística, displasia broncopulmonar);
• Indivíduos asmáticos (portadores das formas graves, conforme definições do protocolo da Sociedade Brasileira de Pneumologia;
• Indivíduos com doença neuromuscular com comprometimento da função respiratória (ex.: distrofia neuromuscular);
• Pessoas com imunodepressão por uso de medicação ou relacionada às doenças crônicas;
• Pessoas com diabetes;
• Pessoas com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e outras doenças respiratórias crônicas com insuficiência respiratória crônica (ex.: fibrose pulmonar, sequelas de tuberculose, pneumoconioses);
• Pessoas com doença hepática: atresia biliar, cirrose, hepatite crônica com alteração da função hepática e/ou terapêutica antiviral;
• Pessoas com doença renal: insuficiência renal crônica, principalmente em doentes em diálise;
• Pessoas com doença hematológica: hemoglobinopatias;
• Pessoas com terapêutica contínua com salicilatos, especialmente indivíduos com idade igual ou menor que 18 anos (ex.: doença reumática auto-imune, doença de Kawasaki);
• Pessoas portadoras da síndrome clínica de insuficiência cardíaca;
• Pessoas portadoras de cardiopatia estrutural com repercussão clínica e/ou hemodinâmica:
  - Hipertensão arterial pulmonar;
  - Valvulopatias;
• Pessoas com cardiopatia isquêmica com disfunção ventricular (fração de ejeção do ventrículo esquerdo [FEVE] menor do que 0.40);
• Pessoa com cardiopatia hipertensiva com disfunção ventricular [FEVE] menor do que 0.40;
• Pessoa com cardiopatias congênitas cianóticas;
• Pessoas com cardiopatias congênitas acianóticas, não corrigidas cirurgicamente ou por intervenção percutânea;
• Pessoas com miocardiopatias (Dilatada, Hipertrófica ou Restritiva);
• Pessoas com pericardiopatias.

 

Fonte:

 

http://www.vacinacaoinfluenza.com.br/site/conteudo/portadores.asp

 


 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos