alergia - Prevalência e gravidade da sibilância no primeiro ano de vida
Esta página já teve 110.986.728 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.774 acessos diários
home | entre em contato
 

alergia

Prevalência e gravidade da sibilância no primeiro ano de vida

21/12/2010

Resumo

DELA BIANCA, Ana Caroline Cavalcanti; WANDALSEN, Gustavo Falbo; MALLOL, Javier  e  SOLE, Dirceu. Prevalência e gravidade da sibilância no primeiro ano de vida. J. bras. pneumol. [online]. 2010, vol.36, n.4, pp. 402-409. ISSN 1806-3713.  doi: 10.1590/S1806-37132010000400003.

OBJETIVO: Avaliar a prevalência e a gravidade da sibilância, bem como sua relação com o diagnóstico médico de asma, em lactentes no primeiro ano de vida, utilizando o protocolo padronizado do "Estudio Internacional de Sibilancias en Lactantes" (EISL, Estudo Internacional de Sibilâncias em Lactentes). MÉTODOS: Entre março de 2005 e agosto de 2006, os pais ou responsáveis de lactentes que procuraram unidades básicas de saúde na região centro-sul de São Paulo (SP) para procedimentos de rotina e imunização responderam ao questionário escrito do EISL. RESULTADOS: A amostra foi constituída por 1.014 lactentes (média de idade = 5,0 ± 3,0 meses), 467 (46,0%) dos quais apresentaram sibilância no primeiro ano de vida, sendo que 270 (26,6%) tiveram três ou mais episódios. Entre esses últimos, o uso de β2-agonista inalatório, corticosteroide inalatório e antileucotrieno, assim como a presença de sintomas noturnos, dificuldade para respirar, pneumonia, idas ao pronto socorro e internação por sibilância grave, foram significantemente mais frequentes (p < 0,05). Os pais de 35 (7,5%) dos 467 lactentes relataram o diagnóstico médico de asma, o qual foi associado ao uso de corticosteroide inalatório, percepção de falta de ar durante as crises e seis ou mais episódios de sibilância no primeiro ano de vida. Entretanto, menos de 40% desses lactentes recebiam corticosteroide inalatório ou antileucotrieno como tratamento. CONCLUSÕES: A prevalência da sibilância no primeiro ano de vida de lactentes no estudo foi alta e teve início precoce. A proporção de lactentes diagnosticados e tratados como asmáticos foi baixa.

Palavras-chave : Asma [diagnóstico]; Asma [epidemiologia]; Sons respiratórios.

 

Fonte:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1806-37132010000400003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Jornal Brasileiro de Pneumologia

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos