Infecto-contagiosas/Epidemias - Número de casos de doenças da primavera aumenta no Brasil
Esta página já teve 116.588.158 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.680 acessos diários
home | entre em contato
 

Infecto-contagiosas/Epidemias

Número de casos de doenças da primavera aumenta no Brasil

20/10/2011
20/10/2011
imagem transparente

São doenças que podem ser prevenidas com vacinação, como coqueluche, sarampo, catapora e meningite. Número de casos chama atenção no país.

Coqueluche e sarampo estão entre os males que mais aparecem durante a primavera. São doenças que podem ser prevenidas com vacinação. O problema é que, muitas vezes, os adultos não estão mais imunizados e acabam pegando a doença quando viajam.

É o que acontece com o sarampo, por exemplo. Tem também os vírus que gostam muito desta época do ano, como o da catapora. Quando o clima muda, várias doenças aparecem. No estado de São Paulo, este ano foram registrados 183 casos de coqueluche ou tosse comprida. Sete pessoas tiveram sarampo e 1.413 tiveram varicela, também chamada de catapora.

A transmissão do vírus da catapora ocorre pela saliva ou por secreções do nariz. Por isso, é importante evitar ambientes fechados. “Coça. O que incomoda é aquela coceira que dá”, lembra um jovem. “Já tive catapora. Tenho até uma marquinha”, aponta outra.

A catapora é típica da primavera, quando as temperaturas já estão mais elevadas. É uma doença altamente contagiosa e que atinge principalmente as crianças, mas os adultos não estão livres dela. A saída é tomar a vacina: dose única pra menores de 12 anos e duas doses para quem tem mais de 12.

Outra doença que preocupa é o sarampo. A doença está sob controle no país, mas há epidemia na Europa e casos nos Estados Unidos. Brasileiros que viajaram para o exterior contraíram sarampo.

“Viajou, voltou da viagem, teve uma febre, conjuntivite, tem de notificar o mais rápido possível, porque você pode viajar e ter contaminado, infectado com vírus do sarampo e voltar com a doença”, alerta Yu Ching Liang, pediatra do Hospital Emilio Ribas.

Muita gente não lembra se já teve a doença ou se foi vacinado. “Eu nem lembro mais. Faz tempo”, diz uma mulher. “Acho que eu tive catapora, mas sarampo eu não me lembro”, afirma outra.

“Todas as crianças devem receber entre 12 a 15 meses de idade; a segunda dose, com cinco anos de idade. Ou pessoas fora dessa faixa etária que nunca tiveram sarampo devem receber vacina contra sarampo”, explica a pediatra Yu Ching Liang.

É importante lembrar que em casos graves o sarampo e a catapora podem matar. Por isso, é importante manter a vacinação em dia, inclusive dos adultos, e ficar atento, como a médica disse, a sintomas como febre e mal estar.
 



Fonte: Bom dia Brasil

Fonte:

http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?busca=sim&id=19889

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos