Primeiros socorros/Emergência - Parada Cardíaca
Esta página já teve 115.757.593 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.706 acessos diários
home | entre em contato
 

Primeiros socorros/Emergência

Parada Cardíaca

07/08/2003

 

 

A parada cardíaca é definida como uma cessação súbita e inesperada dos batimentos cardíacos. O coração para de bombear o sangue para o organismo e os tecidos começam a sofrer os efeitos da falta de oxigênio. O cérebro, centro essencial do organismo, começa a morrer após cerca de três minutos privado de oxigênio.

O socorrista deverá identificar e corrigir de imediato a falha no sistema circulatório. Caso haja demora na recuperação da vítima, esta poderá sofrer lesões graves e irreversíveis.

A compressão torácica externa é eficiente na substituição dos batimentos do coração por dois motivos principais: primeiro, pelo fato do coração estar situado entre o osso esterno (que é móvel) e a coluna vertebral (que é fixa) e, segundo, porque o coração quando na posição de relaxamento, fica repleto de sangue. Portanto, o coração ao ser comprimido pelo osso esterno expulsa o sangue e depois, ao relaxar-se, novamente se infla, possibilitando uma circulação sangüínea suficiente para o suporte da vida.

Em caso de parada cardíaca, o socorrista deverá seguir as instruções abaixo:

1.      Posicione a vítima deitada sobre uma superfície plana e rígida;

2.      Verifique o pulso na artéria carótida (no pescoço) para certificar-se da ausência de batimentos cardíacos. Somente inicie a compressão torácica externa quando não houver pulso;

3.      Localize a borda das costelas e deslize os dedos da mão esquerda. Para o centro do tórax, identificando por apalpação o final do osso esterno (apêndice xifóide). Marque dois dedos a partir do final do osso esterno e posicione sua mão direita logo acima deste ponto, bem no meio do peito da vítima. Coloque a sua mão esquerda sobre a direita e inicie as compressões. A compressão cardíaca é produzida pela compressão vertical para baixo, exercida através de ambos os braços do socorrista, comprimindo o osso esterno sobre o coração da vítima.

A compressão torácica externa deve ser realizada com os braços esticados usando o peso do corpo do socorrista. Não esqueça que você deve realizar as compressões junto com a respiração de boca a boca. Se estiver socorrendo a vítima sozinho, dê dois sopros (ventilações) e faça quinze compressões, num ritmo de oitenta a cem compressões por minuto.

Se o socorro for em dupla, para cada ventilação dada pelo primeiro socorrista, o segundo deve executar cinco compressões (ritmo de 80 a 100 por minuto). Com dois socorristas, a ressuscitação cardiopulmonar (RCP) deve ser realizada com um socorrista posicionado de cada lado da vítima, podendo os mesmos, trocar de posição quando necessário, sem no entanto interromper a freqüência de cinco compressões por uma ventilação (5x1).

O pulso carotídeo deve ser apalpado periodicamente durante a realização da RCP, a fim de verificar se houve o retorno dos batimentos cardíacos. Verifique o pulso após o primeiro minuto de RCP e a cada poucos minutos desde então. Não demore mais que 5 segundos para verificar o pulso para não comprometer o ritmo das compressões.

A compressão e a descompressão devem ser ritmadas e de igual duração. A palma da mão do socorrista não deve ser retirada de sua posição sobre o osso esterno, porém a pressão sobre ela não precisa ser feita, de forma que possa retornar a sua posição normal.

Em crianças, a massagem cardíaca deve ser realizada com apenas uma das mãos posicionada sobre o meio do peito da vítima, no terço inferior do osso esterno.

No socorro de bebês, o socorrista deve apalpar o pulso na artéria braquial, e realizar a massagem cardíaca com apenas dois dedos. Comprimir o peito do bebê, um dedo abaixo da linha entre os mamilos.

Qualquer vítima inconsciente deverá ser colocada na posição de recuperação. Esta posição impede que a língua bloqueie a passagem do ar. O fato da cabeça permanecer numa posição ligeiramente mais baixa do que o resto do corpo, facilita a saída de líquidos da boca da vítima. Isto reduz o risco de aspiração de conteúdos gástricos. A cabeça e a região dorsal (coluna vertebral) devem ficar alinhadas, enquanto os membros dobrados mantêm o corpo apoiado em posição segura e confortável.

A complicações mais comuns produzidas por manobras inadequadas de RCP são as seguintes:

1.      A vítima não está posicionada sobre uma superfície rígida;

2.      A vítima não está em posição horizontal (se a cabeça está elevada, o fluxo sangüíneo cerebral ficará deficitário);

3.      As vias aéras não estão permeáveis;

4.      A boca ou máscara não está apropriadamente selada na vítima e o ar escapa;

5.      As narinas da vítima não estão fechadas;

6.      As mãos foram posicionadas incorretamente ou em local inadequado sobre o tórax;

7.      As compressões são muito profundas ou demasiadamente rápidas (não impulsionam volume sangüíneo adequado);

8.      A razão entre as ventilações e compressões é inadequada;

9.      A RCP deixa de ser executada por mais de 5 segundos (alto risco de lesão cerebral).

As manobras da RCP não são indicadas nas vítimas que encontram-se em fase terminal de uma condição irreversível e incurável, mas uma vez iniciada a RCP devemos mantê-la até que:

1.      Haja o retorno expontâneo da circulação (retorno do pulso). Continuar a ventilar;

2.      Haja o retorno da respiração e da circulação;

3.      Pessoal mais capacitado chegar ao local da ocorrência;

4.      Socorrista estiver completamente exausto e não conseguir realizar as manobras de ressuscitação.

RCP-LISTA DE CONSULTA

ADULTOS

CRIANÇAS

BEBÊS

Parada respiratória com pulso presente. Ventile a cada...

5 segundos

3 segundos

3 segundos

Parada cardíaca. Local da compressão...

Dois dedos acima do final do osso esterno

Como no adulto

Um dedo abaixo da linha entre os mamilos

Método da compressão sobre o esterno...

Duas mãos sobrepostas, com a palma de uma mão sobre o peito

Somente a palma de uma mão sobre o peito

Dois ou três dedos

Número de compressões por minuto...

80 - 100

80 – 100

100 – 120

Afundamento do esterno durante as compressões...

3,5 à 5 cm

2,5 à 3,5 cm

1,5 à 2 cm

Razão entre as compressões e as ventilações...

15 x 2

5 x 1

5 x 1

Contagem das compressões durante a RCP

1 e 2 e 3 e 4 e 5...15, ventile, ventile

1 e 2 e 3 e 4 e 5, ventile

1,2,3,4,5, ventile

 

Lembre-se que os conhecimentos sobre RCP requerem prática com manequins, supervisionada por pessoal técnico autorizado.

Cuidado!

Não pratique compressões torácicas em nenhuma pessoa

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~