Diabete/Diabetes - Diabetes e alimentação
Esta página já teve 115.936.289 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.696 acessos diários
home | entre em contato
 

Diabete/Diabetes

Diabetes e alimentação

14/08/2003

Diabetes e alimentação: Comer bem para viver melhor!

 

A alimentação recomendada para quem tem diabetes, atualmente, deve incluir alimentos variados, em quantidades adequadas para alcançar e manter o peso corpóreo ideal, evitar o aumento da glicemia, do colesterol e outras gorduras do sangue e evitar as complicações da doença, contribuindo para o bem-estar e a qualidade de vida do indivíduo. 

Para que esses objetivos sejam atingidos, a alimentação deve conter alimentos ENERGÉTICOS, fontes de carboidratos complexos ( pão, cereais, massas, raízes); alimentos REGULADORES, fontes de carboidratos, vitaminas, minerais e fibras (verduras, legumes e frutas) e alimentos CONSTRUTORES, fontes de proteínas, cálcio, ferro (leite e derivados, carnes magras, ovos, feijões). 

O plano alimentar diário recomendado pode ser observado na chamada "Pirâmide de Alimentação": 

FONTE: "FOOD GUIDE PYRAMID", USA, 1992 

Os alimentos do grupo 1, situado na base da pirâmide, ou ENERGÉTICOS, transformam-se em glicose e fornecem energia para o funcionamento do organismo, para a produção do calor corporal e para as atividades diárias: trabalhos domésticos, ocupações profissionais, caminhadas, esportes, lazer. 

Os "integrais", como a aveia, o arroz não polido, os pães, as raízes que podem ser consumidas com casca, são também, ricos em fibras alimentares, importantes para o bom funcionamento do intestino e auxiliares na prevenção e controle de várias doenças. 

A quantidade diária em que precisamos desses alimentos varia de acordo com o nosso peso corporal, a altura, a idade e sexo e, lembrando que são fornecedores de "combustível" para o nosso organismo, variam conforme a atividade física diária de cada um. A quantidade de 6 ou mais porções diárias é a recomendada, para a maioria das pessoas. 

Pessoas com peso excessivo e pouca atividade física devem limitar-se às 6 porções diárias. Já pessoas com atividade mais intensa, com peso normal, crianças e adolescentes, podem precisar de maiores quantidades, que devem ser calculadas pelo nutricionista. 

É importante observar que, quando ingerimos alimentos desse grupo em excesso, ingerimos "combustível" que não será gasto com a atividade física. O excesso, na pessoa com diabetes, fará elevar a glicose no sangue e poderá, também, ser transformado e armazenado como gordura ("engordando" o corpo e o próprio sangue). Quando ingerimos alimentos desse grupo em quantidade insuficiente, haverá falta de "combustível" para o funcionamento do organismo, o que o obrigará a utilizar outros tipos de "combustível" como a gordura e a própria massa muscular. Isso não é aconselhável, porque pode levar à desnutrição e a desequilíbrios metabólicos. 

Os grupos 2 e 3 incluem os alimentos REGULADORES, que correspondem às verduras, legumes e frutas. 

As verduras e legumes crus, são, principalmente, fontes de fibras, vitaminas e minerais. Alguns legumes que se comem cozidos fornecem, além desses nutrientes, carboidratos, ou seja, podem ser considerados alimentos reguladores e energéticos. Verduras e legumes devem estar presentes nas duas principais refeições do dia, crus e cozidos. A recomendação, para todas as pessoas, é de 3 a 5 porções diárias. 

As frutas, por sua vez, são importantes fontes de vitaminas, como a vitamina C, presente na laranja, limão, acerola, caju e outras. São também, fontes de minerais, açúcares e fibras. Devem estar presentes em nossa alimentação na quantidade de 2 a 4 porções diárias, dependendo da necessidade energética de cada um. Devemos procurar consumir as frutas, sempre que possível, com casca e bagaço, para aumentar a cota de fibras alimentares. Um lembrete: frutas em excesso também podem levar ao aumento de peso a ao excesso de açúcar no sangue. 

O grupo 4 é o grupo do leite. Esse grupo, como um dosCONSTRUTORES, nos fornece proteínas e cálcio, mas também é fonte de açúcares e gorduras. É importante para a formação e manutenção dos ossos, mas, em excesso, pode elevar o colesterol e triglicérides, principalmente se o alimento for do tipo "integral". Por isso, recomenda-se dar preferência ao leite, iogurte e queijos magros. A quantidade diária recomendada varia entre 2 e 3 porções. Crianças, adolescentes, gestantes e mulheres que amamentam podem precisar de quantidade maior. 

O grupo 5, também CONSTRUTOR, é aquele composto pelas carnes, aves, peixes, feijões, ovos, nozes, amendoim. São alimentos fontes de proteínas, ferro, zinco e têm considerável teor de gorduras. 

Devemos dar preferência às carnes magras, alternando as vermelhas (boi) e as brancas (aves e peixes). No caso de aves e peixes, as peles, muito ricas em gorduras e colesterol, devem ser evitadas. Devem ser evitados, também, os embutidos (lingüiça, salsicha, mortadela, salame, presunto), muito ricos em gorduras e sódio. Quanto aos ovos, em função do colesterol devem ser evitados os excessos de gema. A clara de ovo é ótima fonte protéica e não contem colesterol. 

Nesse grupo, devemos destacar as chamadas leguminosas: feijões, soja, lentilha, ervilha seca, grão de bico, amendoim. São boas fontes de proteínas, vitaminas e minerais, fornecendo, ainda, carboidratos complexos e fibras, que ajudam no controle das doenças crônicas. A mistura arroz-feijão, por exemplo, é mais indicada para o controle do diabetes e do colesterol que o arroz sozinho. Não devemos, entretanto, utilizar esses alimentos em excesso. A recomendação é para que se usem 2 a 3 porções diárias do grupo carnes/ovos/feijões. Ou seja, se comemos feijão no almoço e no jantar, basta ingerir carne ou substituto em uma das refeições. Se, por força do hábito, quisermos incluir arroz+feijão+carne no almoço e no jantar, as quantidades devem ser reduzidas, em cada refeição. 

Finalmente, o grupo 6 inclui as gorduras, azeites e açúcares. São desnecessários, uma vez que os demais alimentos já contêm esses nutrientes, para satisfazer nossas necessidades energéticas. 

Recomenda-se evitar frituras e dar preferência aos óleos vegetais, como o de soja, canola, milho, girassol e oliva, mas usados em pequenas quantidades. Gorduras animais (manteiga, creme de leite, maionese, bacon, toucinho, torresmo) devem ser evitadas. 

Já quanto aos açúcares, doces e bebidas alcoólicas, recomenda-se à pessoa com diabetes evitá-los. Entretanto, pessoas cujo diabetes está bem controlado podem, até, usar pequenas quantidades de açúcares e doces, junto com refeições equilibradas. Para tanto, é importante conversar com seu médico e nutricionista. 

Em que consiste uma porção? 
 
GRUPO
ALIMENTO
QUANTIDADE
pão francês
½ unidade
(1)
pão de forma
1 fatia
bolacha simples
2 a 3 unidades
PÃES
aveia em flocos
2 colheres (sopa)
farinha (milho, mandioca)
1 a 2 colheres (sopa)
CEREAIS
arroz cozido
1 escumadeira média, rasa 
ou 1 colher (de arroz) cheia 
ou 2 colheres (sopa) cheias
macarrão cozido
1 escumadeira média, rasa
E
batata cozida ou mandioca, ou mandioquinha, ou cará, ou inhame
1 unidade ou pedaço médio
polenta
½ xícara (chá) ou  
1 escumadeira média
MASSAS
outras massas  
(tortas, pizzas, salgados)
quantidades moderadas, variáveis segundo o tipo de molho, cobertura ou recheio
(2)
verduras cruas  
de folhas verdes e 
legumes crus
1 xícara (chá), ou  
prato de sobremesa
HORTALIÇAS
verduras ou legumes cozidos
½ xícara (chá), ou 
1 pires
suco de verduras ou legumes
¾ xícara (chá)
(3) 
FRUTAS
frutas
1 de tamanho médio ou  
½ xícara de frutas picadas, ou ½ xícara (chá) de suco.
(4)
leite tipo "C"
1 copo (200 ml) 
LEITE
leite desnatado
1 ½ copo (300 ml)
E
iogurte natural
1 copo (200 ml)
DERIVADOS
queijo magro
1 fatia (40 g)
 
GRUPO
ALIMENTO
QUANTIDADE
(5)
frango sem a pele
1 filé ou pedaço médio
peixe magro sem a pele
1 filé ou pedaço médio
CARNES,
carne bovina magra
1 bife ou 2 pedaços pequenos
OVOS 
E
feijão, ou lentilha, ou ervilha seca, ou grão de bico, ou soja
1 concha média ou  
4 colheres (sopa) ou  
½ xícara (chá)
FEIJÕES
ovo
1 unidade
(6)
gorduras, óleos, açúcares
USE POUCO
  CALGUMAS DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A ALIMENTAÇÃO EM DIABETESResultados de pesquisas científicas dos últimos anos têm contribuído para que a alimentação das pessoas com diabetes seja menos restritiva e menos estressante, libertando-as de muitas das proibições que antigamente lhe eram impostas. 

Algumas dúvidas, entretanto, são freqüentes entre pacientes, familiares de diabéticos e mesmo entre os profissionais da saúde. Vejamos alguns exemplos: 

01- O mel pode ser usado em substituição ao açúcar?NÃO. O mel também contém sacarose, além de outros tipos de açúcar (frutose e glicose), sendo desaconselhado o seu uso generalizado como substituto do açúcar comum. Em excesso o mel também engorda e descompensa o diabetes. Cabe lembrar que o açúcar mascavo, o açúcar demerara e o açúcar cristal têm composição muito semelhante à do açúcar refinado, o que também contra-indica o seu uso, na maioria dos casos. Podem ser usados em pequenas quantidades, de preferência após refeições equilibradas, por pessoas cuja diabetes está bem controlado. 

02- O pão de glúten, centeio, integral, as bolachas de água e sal e as torradas podem ser usados à vontade? 

NÃO. Como qualquer outro tipo de pão, eles contêm amido, que se transformará em açúcar no sangue, não podendo ser usados à vontade. Podem ser consumidos de maneira moderada, assim como o pão comum. 

03- A pessoa que tem diabetes pode comer macarrão (massas em geral) ou pão fresco? 

SIM. Estes alimentos têm composição semelhante ao arroz e à batata e, portanto, podem ser consumidos, desde que em quantidades não excessivas, em refeições mistas (complementadas com alimentos ricos em fibras, como as hortaliças cruas e cozidas e as frutas). 

04- A pessoa que tem diabetes tem que utilizar produtos "especiais", tipo macarrão ou pães "de regime"? 

NÃO NECESSARIAMENTE. Estes alimentos podem ser usados, mas devemos nos lembrar que não devem ser consumidos livremente. 

05- Os óleos de milho, girassol, canola, soja, por serem isentos de colesterol, podem ser usados à vontade? 

NÃO. Os óleos devem ser usados com moderação, mesmo sendo vegetais, sem colesterol. Seu excesso também engorda e compromete o controle do diabetes.06- Os produtos dietéticos podem ser usados à vontade?NÃO. Alguns produtos dietéticos não contêm açúcar, outros contêm. Alguns, como os chocolates "dietéticos", mesmo não contendo açúcar são desaconselhados para quem precisa emagrecer, pelo alto valor calórico. É importante ler sempre os rótulos dos produtos com muita atenção, para saber se eles contêm ou não açúcar e perguntar ao nutricionista ou ao médico se o produto pode ser usado.07- O adoçante artificial tem que ser usado pela pessoa com diabetes?NÃO. Os adoçantes artificiais( substitutos do açúcar) podem ser usados pela pessoa que tem diabetes, mas não são obrigatórios e nunca devem ser usados em excesso, para não causar problemas à saúde. É bom lembrar, ainda, que o adoçante não tem a propriedade de tratar o diabetes, ou seja, não é remédio, mas um simples aditivo para dar sabor doce aos alimentos e bebidas, como substituto do açúcar.08- As frutas que têm sabor doce são permitidas para as pessoas com diabetes?SIM. As frutas contêm açúcar natural, mas não prejudicam a saúde da pessoa que tem diabetes, desde que usadas nas quantidades indicadas na "Pirâmide de Alimentação".09- As carnes e os ovos não contêm açúcar. Podem, então, ser usados à vontade? NÃO. Carnes e ovos não contêm açúcar, mas contêm proteínas e gorduras que, em excesso, também alteram a glicemia e sobrecarregam os rins e o sistema cardiovascular dos diabéticos, contribuindo para que as complicações crônicas (pressão alta, doença renal, doenças cardíacas) ocorram.10- Feijão faz bem para quem tem diabetes? SIM. O feijão é um alimento rico em proteínas vegetais, amido e fibras, substâncias importantes para a saúde da pessoa com diabetes. É recomendável usar a mistura de uma parte de feijão para duas de arroz, combinada com hortaliças cruas e cozidas e pequena quantidade de carne magra, preferencialmente branca. O excesso de feijão, assim como de qualquer outro alimento, deve ser evitado. 

11- É verdade que tudo que nasce embaixo da terra (cenoura, beterraba, mandioca, batata) aumenta a glicemia, não sendo permitido para quem tem diabetes? 

NÃO. Essas raízes contêm carboidratos, que se transformam em açúcar (glicose) em nosso organismo. Mas isso não quer dizer que não possam ser utilizados pela pessoa com diabetes. Como já foi visto, os carboidratos são a base da Pirâmide de Alimentação. Essas raízes, portanto, podem e devem ser usadas, como substitutos ou complementos dos cereais ou massas, sempre na medida certa, que o nutricionista irá calcular. 

12- Ficar sem comer por bastante tempo para diminuir a glicemia faz curar o diabetes? 

NÃO. Quando ficamos sem alimentação por muitas horas, a glicemia realmente diminui. Só que isso pode ser perigoso, para a pessoa com diabetes, pois ela pode ter uma crise de hipoglicemia (com transpiração excessiva, tontura, tremedeira, perna mole, até desmaio). Além disso, fazer hipoglicemia não cura o diabetes. Recomenda-se, geralmente, à pessoa com diabetes, fazer de 4 a 6 refeições por dia. 

13- É verdade que quando o açúcar está alto no sangue deve-se comer mais sal, porque o sal "corta" o açúcar? 

NÃO. O sal não "corta" o açúcar e, além disso, sal em excesso aumenta a pressão arterial. Como a pessoa com diabetes tem tendência à pressão alta, recomenda-se evitar o excesso de sal. 

www.nib.unicamp.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~