Cirurgia/Anestesia - Apendicite aguda
Esta página já teve 114.083.315 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.852 acessos diários
home | entre em contato
 

Cirurgia/Anestesia

Apendicite aguda

25/09/2003

 

Nomes alternativos:

apendicite

Definição:

Inflamação repentina do apêndice. O apêndice é um tubo pequeno e estreito, em forma de dedo, que se ramifica a partir do intestino grosso.

Causas, incidência e fatores de risco:

A apendicite é uma das causas mais comuns de cirurgia de emergência do abdome em crianças. São feitas anualmente, nos Estados Unidos, cerca de 4 apendicectomias a cada 1.000 crianças com até 8 anos de idade (Obs.: a apendicite não é diagnosticada em 100% das apendicectomias).

É mais comum em pessoas do sexo masculino que do sexo feminino e os picos de incidência ocorrem em jovens no final da adolescência ou ao redor dos vinte anos de idade. Embora não seja comum em crianças menores de dois anos, a apendicite também pode ocorrer. Geralmente aparece seguindo-se a uma obstrução do apêndice por fezes (fecalite), por um corpo estranho ou por um tumor.

Alguns dos sintomas da apendicite em crianças pequenas raras vezes são os clássicos; assim, o diagnóstico é geralmente retardado e a probabilidade de perfuração mais provável. Crianças mais velhas e adolescentes apresentam sintomas mais típicos.

A apresentação clássica da apendicite começa com dores tipo cãibra ou "cólica" em volta do umbigo (periumbilical). Normalmente há uma diminuição acentuada ou total do apetite (anorexia).

À medida que aumenta a inflamação no apêndice, a dor tende a se mover para baixo e à direita (quadrante inferior direito) e se localizar diretamente acima da posição do apêndice em um ponto chamado "ponto de McBurney".

Se uma linha for desenhada a partir do umbigo até a proeminência do osso pélvico direito (crista ilíaca superior direita) e dividida em três partes, o ponto de McBurney fica a 2/3 do umbigo.

A criança pode apresentar-se muito sensível quando o ponto de McBurney é pressionado. Quando o abdome é pressionado no lado esquerdo, mantendo-se a pressão por um tempo e soltando-o rapidamente, a criança pode sentir um aumento momentâneo da dor (rebote). Esse sintoma indica que a inflamação se espalhou até o peritônio.

Se o apêndice se rompe, a dor pode desaparecer por um breve período e a criança se sente melhor repentinamente. Entretanto, dentro de pouco tempo, a peritonite se instala, a dor retorna e a criança se torna progressivamente mais doente. Nesse momento, o abdome pode se tornar rígido e extremamente sensível.


 

Figuras:

Figura 1

Essa figura mostra os quatro quadrantes do abdome e os órgãos abdominais.

 

Figura 2

O sistema digestório na cavidade abdominal é composto pelo fígado, pela vesícula biliar, pelo estômago, pelo intestino delgado e pelo intestino grosso.

 

Figura 3

O apêndice está localizado perto da junção do intestino delgado e do cólon. Algumas vezes ele pode se tornar infeccionado. Apesar da maioria das pessoas estar familiarizada com a apendicite, esta é uma doença relativamente rara. A apendicite é tratada coma remoção cirúrgica do apêndice (apendicectomia). O período de recuperação para a apendicite sem complicações normalmente dura somente três dias.

 

Figura 4

As áreas anatômicas na parte frontal do corpo que podem estar listadas na seção de análise de sintomas estão classificadas. Estas três visões (frontal, posterior e lateral) podem ser úteis se você não estiver certo sobre qual é a área do corpo. Muitas delas são citadas nos nomes popular e técnico; por exemplo, a parte de trás do joelho é chamada de fossa poplítea. No entanto, áreas como o "flanco" podem não ter ambos os termos, ficando sua localização não tão clara. Estas ilustrações devem esclarecer a posição desses sítios anatômicos.

 

Figura 5

Esta ilustração mostra os principais órgão do sistema digestório. Também estão definidos o os tamanhos em escala e o posicionamento no corpo.

Sintomas:

  • dor abdominal

    - a dor pode começar na metade superior do abdome (epigástrico) e então se transformar em dor aguda localizada

    - a dor pode se deslocar da área do epigástrico e se tornar mais intensa no lado inferior direito do abdome (apresentação "típica"); é comum a hipersensibilidade nessa área

    - inicialmente a dor pode ser vaga, mas tornar-se cada vez mais aguda

  • ponto de maior sensibilidade

  • a dor abdominal pode ser pior ao andar ou tossir

  • náusea e vômitos

  • febre, geralmente permanecendo por várias horas

  • o paciente pode preferir deitar-se com os joelhos encostados no abdome para aliviar a tensão muscular na região

Sintomas posteriores:

  • febre

  • perda de apetite

  • náusea

  • vômitos

  • constipação

  • sensibilidade retal

  • calafrios e estremecimento

Sintomas adicionais que podem estar associados a essa doença:

  • sangue na urina (hematúria microscópica)

  • nódulo anal

  • menstruação dolorosa

Sinais e exames:

Pressionando-se levemente o abdome na área dolorida e interrompendo-se repentinamente a pressão, a dor aumenta (sensibilidade de rebote). Ao se tocar o abdome pode ocorrer espasmo dos músculosabdominais se uma peritonite estiver aparecendo. O exame retal causa dor localizada no lado direito.

O sinal psoas é positivo - a pessoa é colocada de costas em uma posição de supino com as pernas estendidas. Unir os calcanhares ou erguer as pernas para cima causa o aumento da dor no lado direito do abdome.

Pode-se suspeitar fortemente de apendicite tendo como base os seguintes exames:

  • a ultra-sonografia abdominal pode revelar apendicite

  • o hemograma completo mostra aumento da contagem de glóbulos brancos

  • o raio X do abdome pode ou não mostrar sinais de apendicite

O diagnóstico pode ser confirmado pelo cirurgião durante uma laparotomia exploradora.

Essa doença pode também alterar os resultados dos seguintes exames:

  • enema de bário

  • punção abdominal (paracentese)

  • tomografia computadorizada abdominal

    Tratamento:

    Aconselha-se uma observação atenta dentro das primeiras 8 a 12 horas após o aparecimento dos sintomas.

    Para os casos de apendicite sem complicações, a cirurgia (apendicectomia) deve ser realizada o mais breve possível e exige poucos preparativos. Se houver suspeita de abscesso, a cirurgia pode ser adiada até que o tratamento com antibióticos reduza a infecção.


     

    Expectativas (prognóstico):

    Cirurgias realizadas no início da doença apresentam taxa de óbito inferiores a 1%.


     

    Complicações:

    • perfuração do intestino

    • gangrena (morte dos tecidos) do intestino

    • peritonite

    • abscesso


     

    Solicitação de assistência médica:

    Solicite assistência médica se houver dor abdominal no quadrante inferior direito ou outro sintoma que sugira o aparecimento de uma apendicite.


     

    Prevenção:

    Não há como prevenir.

ADAM-Aventis


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos