Gastroenterologia/Proctologia/Fígado - Pâncreas e suas doenças
Esta página já teve 111.040.392 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.781 acessos diários
home | entre em contato
 

Gastroenterologia/Proctologia/Fígado

Pâncreas e suas doenças

20/10/2003

DOENÇAS PANCREÁTICAS
O pâncreas é chamado de órgão oculto porque está localizado profundamente no abdome atrás do estômago. Tem cerca de 20 a 25cm de extensão no adulto, o órgão contém finos tubos de composição idêntica à nervura de uma folha. Esses tubos juntam-se para formar uma única abertura dentro do intestino que está localizado além do estômago. O pâncreas produz líquidos digestivos e enzimas que fluem para o intestino e misturam-se com os alimentos. As enzimas digerem gordura, proteínas e carboidratos para serem absorvidos pelo intestino. Portanto o pâncreas tem o importante papel para a manutenção de uma boa saúde. O pâncreas também produz insulina que cai na corrente sanguínea para regular a quantidade de açúcar no sangue.

QUAIS SÃO AS DOENÇAS DO PÂNCREAS?
Inúmeros problemas podem ocorrer no pâncreas. Estas incluem; -Diabetes Mellitus; - Pancreatite aguda; - Pancreatite crônica; - Deficiência enzimática; - Tumor de pâncreas.

DIABETES MELLITUS
Muitos casos de diabetes são causados pela deficiência de insulina. A insulina é necessária para ajudar a glicose (maior fonte de energia) a entrar nas células. Não se sabe porque as células produtoras de insulina cessam a sua produção. Quando isto ocorre, a glicose acumula-se no sangue e eventualmente saem pela urina. Esses pacientes necessitam de injeções diárias de insulina. O mais importante é que, com o aumento do nível de glicose no sangue, com o tempo resultará em modificações significativas dos vasos sanguíneos nos olhos, rins, coração, pernas e nervos. O dano desses órgãos vitais representa o maior risco para os pacientes de diabetes. Outros pacientes desenvolvem a diabete após uma certa idade parece ter suficiente insulina no pâncreas, mas por alguma razão desconhecida a insulina não está disponível para uso do organismo. Esses pacientes são os obesos, portanto a perda de peso é crítica para eles. Conjuntamente, medicação oral pode ser tomada para ajudar na liberação de insulina no pâncreas. Todos os diabéticos necessitam de manter os níveis de glicose no sangue normal ou próximo do normal para prevenir ou retardar as complicações da doença.

PANCREATITE AGUDA
Esta condição ocorre quando o pâncreas torna-se rapidamente e severamente inflamado. As maiores causas são: - Alto volume de ingestão de bebida alcoólica; - Pedra na vesícula; - Trauma; - Drogas: - Autos níveis de gordura no sangue; - Hereditariedade; - Fatos desconhecidos. A ingestão alcoólica é a causa mais comum da pancreatite aguda. Doença de pedra na vesícula, especialmente quando a pedra localiza-se próxima ao pâncreas, também pode causar esta condição. Acidentes como trauma do volante durante um acidente de carro, pode causar pancreatite. Certas drogas, como os diuréticos, podem produzir a desordem (pancreatite) como podem produzir um nível extremamente elevado de gordura no sangue. Hereditariedade tem papel importante uma vez que em algumas famílias a condição desenvolve em vários membros da família. Finalmente há casos ocasionais que ocorrem por razões desconhecidas. Na pancreatite as enzimas digestivas do pâncreas rompem para dentro do tecido do órgão provocando a pancreatite. Desta forma ocorrerá importante dano ao pâncreas.

SINTOMAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO
O principal sintoma da pancreatite é uma dor na parte superior do abdome, aguda, e forte, freqüentemente acompanhada por vômito e febre. O abdome é duro e o paciente tem o rosto de sofrimento. O diagnóstico é feito pelas medidas dos níveis de enzimas do pâncreas no sangue quando estão elevados. O ultra-som ou tomografia abdominal freqüentemente mostram um pâncreas de volume aumentado. Esta condição é tratada deixando o pâncreas em repouso enquanto cicatriza o tecido. Há necessidade de internação, repouso no leito, hidratação e algumas vezes o uso de medicamentos que fazem o pâncreas cessar a produção de enzimas.

CURSO E RESULTADO
A maioria dos pacientes recupera-se bem, embora alguns poucos, especialmente aqueles que tem pancreatite induzida pelo álcool podem tornar-se desesperadamente doentes. Quando eles se recuperam, necessitam de mudar o seu estilo de vida para prevenir a recorrência. Por exemplo, evitar o álcool e drogas, reduzir os níveis de Triglicérides no sangue ou fazer a cirurgia de pedra na vesícula.

PANCREATITE CRÔNICA
Esta condição ocorre principalmente nos alcoólicos ou nas pessoas que tomam álcool freqüentemente. O principal sintoma é a dor recorrente intensa ou moderada sem o comprometimento do estado geral da pessoa, como ocorre na pancreatite aguda. O tratamento consiste em repouso, medicamentos, e certas restrições alimentares. O consumo de álcool é absolutamente proibido. Nos casos onde o dano é extenso a pancreatite crônica e a dor pode ocorrer mesmo quando cessa completamente o consumo de álcool. O diagnóstico é feito pelas medidas de enzimas no sangue e pela realização de tomografia, Raios-X, Ultra-som ou endoscopia. Na endoscopia, um fino cateter é inserido dentro do ducto do pâncreas e um contraste radiológico é injetado. A anatomia interna do pâncreas pode então ser vista pelo Raio X. Em alguns casos, a cirurgia é recomendada para aliviar a dor.

INSUFICIÊNCIA ENZIMÁTICA DO PÂNCREAS
As enzimas digestivas do pâncreas são necessárias para romper as proteínas, gorduras e carboidratos nos alimentos que são ingeridos. Quando há uma deficiência dessas enzimas, os nutrientes não são fragmentados, resultando em má nutrição e perda de peso. Esta condição é chamada má absorção, porque o intestino é incapaz de absorver estes nutrientes vitais. Os dois maiores sintomas são a diarréia e a perda de peso. Esta condição pode ser resultado de qualquer causa de pancreatite, incluindo trauma e infecção. As enzimas pancreáticas podem ser tomadas via oral para substituir a deficiência enzimática.

TUMOR PANCREÁTICO
O pâncreas, como a maioria dos órgãos, pode desenvolver tumor. Muitos deles são benignos e não causam nenhum problema. Porém, alguns tumores benignos podem secretar hormônios que quando presentes em altos níveis tem um efeito indesejável. Por exemplo, a insulina pode ser secretada em quantidade excessiva e resultar em baixo nível de açúcar no sangue. Um outro hormônio, gastrina, pode estimular o estômago a secretar alta quantidade de ácido clorídrico, causando úlceras de estômago e duodeno, com muitas complicações. Felizmente há muitos procedimentos que podem ser feitos a cerca desses tumores. O câncer de pâncreas é um tumor que é de difícil tratamento, a desordem ocorre na média idade ou nas pessoas idosas, tendo como primeiro sintoma uma dor na parte superior do abdome que se irradia para as costas. Algumas vezes a pele torna-se amarela (icterícia), isto ocorre quando o fluxo de bile é bloqueado no pâncreas. O tratamento cirúrgico é o único tratamento realmente efetivo para o câncer de pâncreas.

RESUMO
O pâncreas é uma glândula silenciosa e escondida, é vital para a boa saúde. Esta sujeito há vários problemas, alguns que resultam na própria ação do paciente "alcoolismo". Atualmente há maneiras de diagnosticar doenças do pâncreas e na maioria dos casos a terapêutica é eficaz.

gastroweb


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos